terça-feira, 19 de abril de 2016

Moody´s desce rating de Moçambique e primeiro-ministro viaja de urgência para Washington

abril 18, 2016

Redacção VOA



Carlos Agostinho do Rosário, primeiro-ministro de Moçambique
Partilhe

Veja Comentários


Carlos Agostinho do Rosário reúne-se amanhã com o FMI.


A agência de notação financeira Moody's desceu nesta segunda-feira, 18, a classificação de Moçambique de B3 para Caa1, colocando o país ainda mais em território negativo, por causa da recompra de dívida da Empresa Moçambicana de Atum (Ematum).

A notícia surge no dia em que o primeiro-ministro moçambicano Carlos Agostinho do Rosário viaja para Washington para explicar a dívida do país ao FMI.

"A principal razão para a descida do 'rating' é a recente troca de dívida da Ematum, orquestrada pelo Governo de Moçambique, que a Moody's considera uma 'troca problemática' e, por isso, um incumprimento na dívida garantida pelo Governo", diz a agência em comunicado.

A Moody´s sustenta ainda a sua posição com a “pouca vontade do Governo de honrar futuras obrigações com a dívida, e isto suplanta o impacto positivo que a troca de dívida tem na liquidez externa por via da melhoria, a média termo, do perfil de amortização de dívida externa pelo Governo".

Esta queda de Moçambique acontece três dias depois de o Fundo Monetário Internacional(FMI) ter suspendido uma visita ao país e todo o tipo de cooperação até que o Governo de Maputo explique um empréstimo até agora secreto de mil milhão de dólares junto da Credit Suisse e o banco russo VTB.

Primeiro-ministro em Washington

Para tentar ultrapassar este impasse com o FMI, o primeiro-ministro moçambicano reúne-se amanhã, 19, aqui em Washington com o Fundo.

Carlos Agostinho do Rosário vai esclarecer as dúvidas sobre a dívida pública, em particular os empréstimos concedidos com garantia do Estado, entre eles referentes à dívida da Ematum e da Pro-Indicus.

Esta última despoletou a suspensão por parte do FMI.

A visita do primeiro-ministro vai durar quatro dias e será acompanhado de uma delegação técnica do Ministério da Economia e Finanças.


É nos momentos difíceis que se evidenciam as qualidades dos líderes, coesão das instituições e a consistência dos projectos. Digo isto porque, face aos problemas que o país vive o povo aguarda pelos pronuciamentos de quêm governa este País. Quem jurou servir ao povo moçambicano. A resposta urgente dada ao FMI, através da deslocação do Primeiro Ministro aos Estados Unidos mostra claramente quêm é o verdadeiro patrão em Moçambique.
A governação requer ética, está na hora de os governantes assumirem compromisso com o povo moçambicano e parceiros.
Chego a concordar que neste país podemos caminhar sem separação de poderes, (parlamento, justiça é tudo governo).
O que a procuradoria está a fazer em relação aos que encaixaram mais de 1. 47 bilhões de dólares em reposição da honra e bom nome dos moçambicanos e o seu país?

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook