sábado, 16 de abril de 2016

Manifestantes protestam contra impeachment em Salvador


Por Redação, com ABr – de Salvador:
Integrantes do Movimento de Trabalhadores Sem Terra (MST) da Bahia começaram, um bloqueio na BR- 324 no sentido que vai para a capital, Salvador, com o objetivo de protestar contra o impeachment da Presidenta Dilma Rousseff.
Segundo o Presidente estadual do MST, Evanildo Costa, o grupo ocupou a via, próximo ao município de Simões Filho, e seguiu para a cidade, onde fará vigília no Farol da Barra, ponto turístico de Salvador.
Integrantes do Movimento de Trabalhadores Sem Terra da Bahia começaram, há pouco, um bloqueio na BR- 324 no sentido que vai para a capital, Salvador, com o objetivo  de protestar contra o impeachment da Presidenta Dilma Rousseff
Integrantes do Movimento de Trabalhadores Sem Terra da Bahia começaram, há pouco, um bloqueio na BR- 324 no sentido que vai para a capital, Salvador, com o objetivo de protestar contra o impeachment da Presidenta Dilma Rousseff
– A nossa intenção é dormir no Farol da Barra, onde aguardaremos os companheiros  para acompanharmos neste domingo a votação do impeachment – disse o líder.
Mais adiante, em um posto de gasolina, na altura do quilômetro 604, também na BR 324, integrantes ligados à diretoria de centrais sindicais como Central Única dos Trabalhadores, Bahia (CUT), Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB) e outros sindicatos, aguardam as famílias do MST, para prosseguir em caminhada.
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) da Bahia, na sexta-feira à noite, divulgou uma recomendação aos usuários da rodovia, para que os motoristas evitem o trecho Simões Filho-Salvador.  Segundo o informe, a PRF diz que ” o órgão estará trabalhando com reforço no efetivo para garantir a manutenção da ordem pública” e “diminuir os transtornos aos usuários das rodovias”.

Atos contra o impeachment dificultam trânsito em SP


Os manifestantes desocuparam a rodovia por volta das 7h50, mas em razão da retenção do tráfego de veículos
Por Redação, com ABr – de São Paulo/Brasília:
Várias ruas da cidade de São Paulo foram bloqueadas ao tráfego de veículos nesta sexta-feira, em atos simultâneos de protesto contra o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff . Em uma delas, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), os ativistas chegaram a ocupar as faixas das vias expressas e também da Marginal Tietê, no sentido rodovia Castelo Branco, na altura da avenida Morvan Dias Figueiredo, perto da Vila Guilherme.
 A manifestação foi convocada pela Central Única dos Trabalhadores
A manifestação foi convocada pela Central Única dos Trabalhadores
A interdição teve início às 7h38 e se estendeu até às 8h45. Nesse horário, a CET registrava lentidão de 5,4 quilômetros . Em outra manifestação, ocorrida entre às 6h47 e às 8h45, um grupo fechou as faixas da Ponte das Bandeiras, por volta das 6h47, no sentido de quem vai da Zona Sul para a Zona Norte.
Logo em seguida, os ativistas seguiram em caminhada para a Praça de Campo de Bagatelle em direção à Ponte das Bandeiras, desta vez no sentido centro da cidade. De lá, eles marcharam até a avenida do Estado.

Imigrantes

Simultaneamente, cerca de 100 manifestantes interditaram a rodovia dos Imigrantes, com bloqueio na altura do km 16, perto de Diadema, no sentido capital paulista, em ato contra oimpeachment. A manifestação foi convocada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT).
Segundo a Ecovias, concessionária que administra o Sistema Anchieta/Imigrantes (SAI), por volta das 7h15 a Polícia Rodoviária tinha liberado duas faixas à esquerda. Em consequência do bloqueio, houve lentidão  de dois quilômetros. Os manifestantes desocuparam a rodovia por volta das 7h50, mas em razão da retenção do tráfego de veículos, a lentidão no trânsito atingiu cerca de sete quilômetros.

Rodovias federais no Paraná

Manifestantes ligados à Frente Brasil Popular realizaram na manhã desta sexta-feira seis bloqueios de rodovias federais no Paraná. Cinco seguiram obstruídas. As interdições foram planejadas como protesto em defesa do governo da presidenta Dilma Rousseff, no dia em que a admissibilidade do impeachment começou a ser debatida no plenário da Câmara dos Deputados.
O bloqueio mais próximo de Curitiba já foi desmobilizado e aconteceu no quilômetro 100 da BR-277, que liga a capital paranaense a Ponta Grossa. Cerca de cem manifestantes do Movimento Popular de Moradia interromperam os dois sentidos da rodovia, entre as 6h e as 8h, provocando congestionamento de cerca de dez quilômetros.
Os outros cinco pontos seguiram ocupados por manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), sem previsão de liberação. A maior manifestação reúne cerca de mil pessoas em Nova Laranjeiras, no oeste paranaense, na altura do quilômetro 476 da BR-277.
No quilômetro 568 da mesma rodovia, em Cascavel, cerca de 500 pessoas bloqueiam o trânsito. Já no quilômetro 704, em São Miguel do Iguaçu, também no oeste do Estado, a interrupção da via foi feita por cerca de 150 manifestantes.
A região norte do Paraná tem duas rodovias interrompidas. Em Mauá da Serra, cerca de 400 integrantes do MST protestam no quilômetro 295 da BR 376. Já no município de Jacarezinho, 200 manifestantes ocupam o quilômetro 1 da BR-153.
As estimativas de participantes são da Polícia Rodoviária Federal, que está monitorando as manifestações e o trânsito, nas cinco localidades onde há bloqueios.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook