sábado, 2 de abril de 2016

Guerra das Malvinas: 34 anos depois, ainda uma ferida aberta

O monumento das Ilhas Malvinas em Ushuaia, na Argentina


© AFP 2016/ Juan Mabromata
MUNDO
URL curta
Mario Russo
237700

Argentina celebra neste sábado, 2 de abril, 34 anos do início da Guerra das Malvinas, conflito com a Grã-Bretanha em 1982.

Embora tenha durado pouco mais de dois meses, a guerra marcou toda uma geração de argentinos e o início do processo de redemocratização do país, com a queda do regime militar após a rendição em 14 de junho.
A polêmica sobre a soberania das ilhas Malvinas, ou Falklands, como são chamadas pelos ingleses, remonta ao século 19. A Argentina sempre alegou ter herdado as ilhas da Espanha em 1816, mas os ingleses justificam sua posse por administrarem as ilhas desde 1883. Malvinas ou Falklands se situam a 480 quilômetros da costa da região patagônica em uma área considerada de boa pesca e com algumas reservas de petróleo.
No início desta semana, a Organização das Nações Unidas (ONU) deu aval à argumentação apresentada pela Argentina em 2009, reconhecendo o direito do país em ampliar de 200 para 350 milhas náuticas sua soberania marítima, como previsto na Convenção do Mar. Na prática, o anúncio da ONU reconhece haver conflito de interesses na região. Ainda segundo a ONU, dos 16 territórios colonialistas hoje no mundo, a Grã-Bretanha responde por nove.
Para lembrar aquele tempo de combates, perdas e transformações na vida política e social da Argentina, Sputnik Brasil ouviu uma das testemunhas do conflito, Carlos Jorge Sili, membro da Associação dos Veteranos da Guerra das Malvinas, à época com 18 anos e integrante dos Fuzileiros Navais, os primeiros a desembarcar na zona de conflito.
“Minha unidade era o Batalhão de Infantaria da Marinha N.o 5, que chegou às Malvinas em 5 de abril para formar parte da defesa das ilhas. Ocupamos as posições principais em Puerto Argentino, onde as primeiras baixas foram nossas. Eles (ingleses) tinham maior número de efetivos e de equipamentos, mas nós dominávamos os terrenos. E tanto foi assim que, quando houve a rendição em 14 de junho, eles ficaram surpresos, porque estavam quebrados em termos de logística. Eles perderam barcos importantes, que foram postos a pique.”
Sili reconhece que, apesar das desvantagens, inclusive numéricas, a moral da tropa era elevada. A volta, porém, foi problemática.
“O retorno foi caótico, porque a sociedade naquele momento não queria saber de nada, tínhamos sido derrotados, ela não queria reconhecer o veterano de guerra, e por isso custou muito a reinserção à sociedade.”
Apesar de ter testemunhado a violência do conflito, Sili, hoje com 52 anos e jubilado, defende o serviço militar obrigatório para todos os países, mas reconhece que, naquele momento, o regime militar não podia continuar, porque era necessária a volta da democracia.
“Nenhum país que tem um governo militar tem boa condução, porque o militar não está preparado para conduzir um país. O militar é para cuidar do país, não conduzi-lo.”
Sili também faz uma revelação surpreendente e diz que, infelizmente, a Guerra das Malvinas abriu espaço para reivindicações de aventureiros.
“As pessoas que ocupam a Praça de Maio e se dizem veteranos não são veteranos de guerra. São pessoas que ficaram deste lado do continente e não lutaram nas Malvinas. São pessoas oportunistas que estão tentando ser reconhecidas como veteranos. Elas foram mobilizadas dentro do território, mas não foram às Malvinas.”
Passadas mais de três décadas, o veterano das Malvinas defende a invasão, mesmo reconhecendo o alto preço que o país pagou.
“O conflito teria que acontecer em algum momento, porque a Inglaterra, como é de conhecimento de todos, é um país invasor, não tem territórios próprios e por isso busca os distantes. Vão se cumprir 150 anos de usurpação permanente das Malvinas. Se a Argentina não tomasse a iniciativa de recuperar o que é nosso, a ilha ficaria permanentemente para a Inglaterra.”
“Trinta e quatro anos depois sabemos que nenhuma guerra é boa, porque deixa sequelas, perda de vidas e muita dor entre os familiares. Cabe a este Governo ou a outro que venha, de forma diplomática, recuperar o que nos pertence.
Início e fim dos combates
O conflito em torno das Malvinas começou quando tropas argentinas tomaram Puerto Argentino (Port Stanley), a capital do arquipélago, em 2 de abril de 1982. A resposta da Grã-Bretanha foi imediata, deslocando para o Atlântico Sul uma força-tarefa com 28 mil homens, quase quatro vezes maior do que o contingente argentino.
A luta foi desigual desde o início, não só pela superioridade numérica dos britânicos como também pela qualidade e quantidade de armamentos. No campo diplomático, a esquadra britânica recebeu toda a colaboração de inteligência e de logística dos Estados Unidos.
No dia 25 de abril, tropas britânicas desembarcaram na Ilha Geórgia do Sul e prepararam a contraofensiva com o apoio logístico também da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Houve perdas pesadas de ambas as partes. Do lado argentino, o torpedeamento do cruzador “General Belgrano” causou a morte de 386 tripulantes. Os britânicos perderam o destróier “Shefield” e outros navios, além de alguns caças abatidos pela artilharia antiaérea. O avanço britânico cresceu em 21 de maio, com o desembarque de mais tropas no lado oriental das Malvinas, e prosseguiu até a rendição das tropas argentinas em 14 de junho.
O saldo final dos combates para a Argentina foi de 649 mortos e um número não revelado de feridos. Os britânicos contabilizaram 255 mortos e 777 feridos. O custo da campanha foi avaliado em US$ 5 bilhões. Politicamente, a Primeira-Ministra Margareth Thatcher consolidou seu poder de influência na Europa, e do lado argentino a derrota contribuiu para acelerar a queda da ditadura militar.


Leia mais: http://br.sputniknews.com/mundo/20160402/4000027/guerra-malvinas.html#ixzz44gyhIySm

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook