quinta-feira, 28 de abril de 2016

Governo trata os moçambicanos refugiados no Malawi com arrogância e indiferença, segundo o MDM

Governo trata os moçambicanos refugiados no Malawi com arrogância e indiferença, segundo o MDM
Escrito por Redação  em 27 Abril 2016
Share/Save/Bookmark
ArquivoO Movimento Democrático de Moçambique (MDM) acusa o Governo de ignorar o sofrimento dos moçambicanos refugiados no vizinho Malawi devido à tensão político-militar instalada em algumas comunidades da província de Tete, e considera que o mesmo Executivo “continua ausente e indiferente” a este problema, além de ser “cada vez mais arrogante”.
De acordo com a bancada parlamentar do MDM, os compatriotas refugiados no Malawi – ora transferidos do campo de reassentamento de Kapisse para o de Luwani – recusam-se a regressar ao país sem o Governo e Renamo colocarem primeiro término à guerra que dura há sensivelmente três anos.
O partido liderado por Daviz Simango conta que, durante a sua visita àquele país e à província de Tete, entre 23 e 24 de Abril em curso, soube de que uma adolescente de 15 anos de idade, identificada pelo nome de Mariete Francisco, foi impiedosamente “morta à faca na presença dos seus familiares, acusada pelas tropas do Governo de ser mulher de bandidos armados”. O facto teve lugar em Agosto, no povoado de Ndande, tendo, na mesma ocasião, quatro jovens sido trancados numa casa e ateados fogo. As vítimas morreram carbonizadas.
O Presidente da República, Filipe Nyusi, encontra no Malawi para um encontro tripartido [Moçambique, Malawi e Zâmbia], pelo que os compatriotas refugiados naquele país apelam, segundo o MDM, para que o Chefe de Estado se desloque aos campos onde se encontram albergados e a viver em condições precárias, “a fim de explicar a razão de ser da guerra e do sofrimento por que passam”.
As populações de algumas comunidades de Angónia e Tsangano, que apesar da crise política não fugiram, descrevem a sua relação com as FDS como sendo de terror, por isso, “fogem para as matas” para escaparem da morte e de acusações de serem encobridores dos guerrilheiros da Renamo.
Ao contrário das informações que têm sido veiculadas por uma certa imprensa pública, o grupo parlamentar do MDM assegura que naqueles distritos considerados “palco de combates e origem dos refugiados”, não localizou “nenhuma família que tenha retornado dos campos de refugiados, o que contraria a propaganda do Governo de que não há conflito armado. A insegurança persiste cada vez mais”.
Na óptica desta formação política, tudo o que o Executivo tem estado a dizer em torno deste problema é “mentira para manipular a opinião pública”, alegando que “está tudo bem”.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook