segunda-feira, 4 de abril de 2016

ESCÂNDALO DA EMATUM AINDA NA ORDEM DO DIA

Afinal não são 850 milhões de Euros para o esquema EMATUM, mas o dobro: 1.600 milhões de Euros em dívidas assumidas sem qualquer contrapartida produtiva. Essencialmente, o futuro e a vida duma inteira futura geração foram penhorado para alimentar a EMATUM e esta nova empresa fina, a Proindicus. O que os banqueiros Suíços espertalhões se esqueceram é que um futuro governo pode declarar esta negociata nula e sem efeito porque os contractos têm como fundamento e objectivo actividades criminosas.
- Prof. André Tomashausen
Tuna and Gunships: How $850 Million in Bonds Went Bad in Mozambique
Debt deal highlights the hazards for investors looking for yield in some of the world’s riskiest markets
Moçambique está a tornar-se um estudo de caso sobre os perigos de se apressar em mercados na borda do sistema financeiro do mundo.
Os investidores globais, que em 2013 pensavam que estavam dando uma empresa estatal $ 850 milhões para comprar uma frota de pesca de atum aprendeu dentro de meses que os fundos tinham sido desviados para comprar navios para a marinha. Dois anos mais tarde, eles foram informados de Moçambique destina-se a reestruturar os laços, pois a receita da empresa de pesca não estava segurando.
Agora, eles estão aprendendo que o Credit Suisse Group AG, o que levou à venda de títulos com um banco russo, tinha feito um outro empréstimo considerável para Moçambique na mesma época da venda vínculo original.
O resultado final é que Moçambique é mais profundo em dívida, pagando juros mais elevados sobre os novos títulos reestruturados e intempéries um rebaixamento de sua classificação de crédito para "default seletivo". Os investidores ficam com títulos que são susceptíveis vale menos do que eles pensavam antes de aprender sobre o outros empréstimos. E ainda não há muito o que mostrar na maneira de atum.
Os compradores dos títulos de atum endossado oficialmente a reestruturação sexta-feira, com a votação cerca de 85% a aceitar o negócio. A dívida substituído reestruturação que originalmente produziu 8,5% com novos títulos do governo rendimento de 14,4%. Standard & Poors Ratings Services reduziu sua classificação de crédito da dívida de Moçambique para o status default seletivo sexta-feira, chamando a troca "afligiu".
O episódio apresenta outra confusão para o Credit Suisse CEO Tidjane Thiam como ele tenta reduzir a dependência do banco em banco de investimento em mercados de risco. O banco conseguiu a reestruturação, o que ajudou a amarrar o problema do rápido fracasso dos títulos originais que ajudaram a vender.
Mas os investidores querem saber por que eles não foram informados sobre os outros empréstimos até depois de terem seus votos para a reestruturação. Os empréstimos feitos pelo Credit Suisse e outros credores, pelo menos US $ 787 milhões de dólares, poderia diminuir o valor dos novos títulos.
"Por que não foi divulgado?", Disse Marcus Boeckmann, um gestor de fundos de dívida de mercados emergentes da Candriam Investors Group em Londres, que participou da troca de títulos sem saber dos empréstimos incremental. "Isso seria claramente um negativo."
Enquanto Credit Suisse não informou os detentores de obrigações da existência do empréstimo até que muitos tinham concordado com a reestruturação no final de março, havia incluído a dívida no cálculo da dívida pública consolidada de Moçambique que forneceu aos investidores durante a troca, uma pessoa familiarizada com a oferta, disse.
Entre as obrigações e empréstimos, Credit Suisse e outros bancos ajudou Moçambique a pedir pelo menos US $ 1,47 bilhões em 2013 sozinhos, o que representa um aumento de 25% sobre a cerca de US $ 6 bilhões de dívida nacional informou no final de 2012. A dívida tornou-se ainda mais onerosa ao longo o ano passado como moeda de Moçambique desvalorizou 29%. O governo obteve um empréstimo de emergência $ 289.000.000 do Fundo Monetário Internacional em outubro para reforçar suas finanças.
Os investidores perseguindo rendimentos mais elevados e do boom das commodities apressado em África nos últimos anos. Quando Moçambique, um país com ricos depósitos de gás natural offshore, a proposta em 2013 para vender US $ 850 milhões em títulos garantidos pelo governo para uma nova empresa de pesca de atum estatal, Credit Suisse e banco russo VTB Grupo vendeu facilmente a dívida para os compradores que incluíam gestores de dinheiro grandes como AllianceBernstein LP, Aberdeen Asset Management PLC e Franklin Templeton Investments.
Os títulos foram vendidos por uma empresa chamada Empresa Moçambicana de Atum, ou Ematum, ao longo de vários meses em 2013 que termina em setembro. Um documento de oferta preliminar para os laços deu uma breve descrição de como o produto seria usado-para "a atividade da pesca do atum e outros recursos pesqueiros" -e não incluía projecções financeiras, de acordo com uma cópia do documento revisado por The Wall Street Diário. Os gestores de fundos disseram que investiu no negócio sem muito conhecimento de como a empresa de pesca que operam porque confiavam na garantia do governo apoiando as ligações.
Mais tarde, em setembro, no entanto, o empreiteiro para construir os atuneiros anunciou que também iria ser a construção de lanchas militares caros. Em documentos orçamentais públicos, o governo disse que tinha decidido dividir os fundos em usos comerciais e não comerciais.
A notícia chocou os investidores. "Nós tivemos um monte de perguntas de clientes que tiveram problemas de governança corporativa", disse Kevin Daly, um gerente de carteira na equipe de renda fixa de mercados emergentes da Aberdeen Asset Management. "Havia um monte de estigma associado a esta ligação."
As tentativas de chegar Ministério das Finanças de Moçambique e Ematum foram infrutíferas. Os investidores que falou com o ministro das Finanças disse que eles foram informados do país sempre pensei que o produto poderia ser usado para o equipamento para proteger a frota atuneira.
Enquanto isso, Ematum foi puxando em, no máximo, 5% do atum que tinha esperado, segundo a entidade vínculo Marco Ruijer, que analisou as demonstrações financeiras da companhia. Em Junho de 2015, o governo anunciou planos para reestruturar a dívida.
Mr. Ruijer administra US $ 5 bilhões em dívida de mercados emergentes da NN Investment Partners. Ele viajou para Moçambique em Setembro para se reunir com o ministro das Finanças para obter mais informações sobre a reestruturação. No último minuto, a reunião foi cancelada.
"Foi uma grande confusão", disse ele.
Em fevereiro de preço do título tinha caído para 74 centavos de dólar, refletindo temores de que Moçambique iria perder um pagamento principal devido de Março de 11. O governo fez o pagamento, em seguida, ofereceu-se para trocar detentores dos títulos restantes em títulos do governo mais tradicionais. Os investidores teriam de manter os laços de anos mais do que a dívida original, mas iria ficar muito maior interesse.
O que os investidores não sabem é que, em 2013, o Credit Suisse e VTB tinha emprestou US $ 622 milhões para uma outra empresa estatal chamada Proindicus SA para financiar as compras de navios da Marinha e instalações de radar para proteger contra a pirataria, uma pessoa familiarizada com os empréstimos disse. No ano seguinte, o banco se aproximou de investidores sobre a expansão do empréstimo para até US $ 900 milhões, disse a pessoa.
Credit Suisse não disse aos detentores de títulos de atum sobre os empréstimos até 24 de Março, um dia depois de a maior parte deles tinha aprovado a reestruturação em um voto cedo, pessoas familiarizadas com o assunto disse. A divulgação foi desencadeada por um rebaixamento da S & P em 15 de março, que disparou uma cláusula tornando os empréstimos imediatamente reembolsável, uma das pessoas disse.
A menos que eles também são reestruturados, os empréstimos Proindicus estão programados para serem totalmente reembolsados ​​em 2021, dois anos antes de os novos títulos vencem, segundo uma pessoa familiarizada com o assunto. No caso padrões de Moçambique sobre suas dívidas, a existência dos empréstimos adicionais poderiam reduzir recuperações para os detentores de obrigações, disse que os investidores.
By
MATT WIRZ and JULIE WERNAU
April 3, 2016 5:30 a.m. ET
Mozambique is becoming a case study on the perils of rushing into markets at the edge of the world’s financial system.
Global investors who in 2013 thought they were lending a state-owned company $850 million to buy a tuna fishing fleet learned within months that the funds had been diverted to buy ships for the navy. Two years later, they were told Mozambique intended to restructure the bonds, because the fishing company’s revenue wasn’t holding up.
Now, they are learning that Credit Suisse Group AG, which led the bond sale with a Russian bank, had made another sizable loan to Mozambique around the same time of the original bond sale.
The end result is that Mozambique is deeper in debt, paying higher interest on the new restructured bonds and weathering a downgrade of its credit rating to “selective default.” Investors are left with bonds that are likely worth less than they thought before learning about the other loans. And there still isn’t much to show in the way of tuna.
Buyers of the tuna bonds officially endorsed the restructuring Friday, with about 85% voting to accept the deal. The restructuring replaced debt that had originally yielded 8.5% with new government bonds yielding 14.4%. Standard & Poor’s Ratings Services cut its credit rating of Mozambican debt to selective default status Friday, calling the exchange “distressed.”
The episode presents another mess for Credit Suisse CEO Tidjane Thiam as he attempts to reduce the bank’s reliance on investment banking in risky markets. The bank managed the restructuring, which helped tie off the problem of the rapid failure of the original bonds it helped sell.
But investors want to know why they weren’t told about the other loans until after they had cast their votes for the restructuring. The loans made by Credit Suisse and other lenders—at least $787 million worth—could diminish the value of the new bonds.
“Why wasn’t it disclosed?” said Marcus Boeckmann, an emerging-market debt-fund manager at Candriam Investors Group in London, who participated in the bond exchange without knowing of the incremental loans. “That would clearly be a negative.”
While Credit Suisse didn’t inform bondholders of the existence of the loan until many had agreed to the restructuring late in March, it had included the debt in the calculation of Mozambique’s consolidated public debt that it provided to investors during the exchange, a person familiar with the offering said.
Between the bonds and loans, Credit Suisse and other banks helped Mozambique borrow at least $1.47 billion in 2013 alone, representing a 25% increase on the roughly $6 billion national debt reported at the end of 2012. The debt has become all the more onerous over the past year as Mozambique’s currency depreciated 29%. The government obtained a $289 million rescue loan from the International Monetary Fund in October to bolster its finances.
Investors chasing higher yields and the commodities boom rushed into Africa in recent years. When Mozambique, a country with rich offshore natural-gas deposits, proposed in 2013 to sell $850 million in government-guaranteed bonds for a new state-owned tuna fishing company, Credit Suisse and Russian bank VTB Group easily sold the debt to buyers that included big money managers like AllianceBernstein LP, Aberdeen Asset Management PLC and Franklin Templeton Investments.
The bonds were sold by a company called Empresa Mocambicana de Atum, or Ematum, over several months in 2013 ending in September. A preliminary offering document for the bonds gave a short description of how the proceeds would be used—for “the fishery activity of tuna and other fish resources”—and included no financial projections, according to a copy of the document reviewed by The Wall Street Journal. Fund managers said they invested in the deal without much knowledge of how the fishing company would operate because they trusted in the government guarantee backing the bonds.
Later in September, however, the contractor to build the tuna boats announced it also would be building expensive military speedboats. In public budgetary documents, the government said it had decided to split the funds into commercial and noncommercial uses.
The news shocked investors. “We had a lot of questions from clients who had corporate governance concerns,” said Kevin Daly, a portfolio manager on the emerging-market fixed-income team at Aberdeen Asset Management. “There was a lot of stigma attached to this bond.”
Attempts to reach Mozambique’s finance ministry and Ematum were unsuccessful. Investors who spoke with the finance minister said they were told the country always thought the proceeds could be used for equipment to protect the tuna fleet.
Meanwhile, Ematum was pulling in at most 5% of the tuna it had expected, according to bond investor Marco Ruijer, who reviewed the company’s financial statements. In June 2015, the government announced plans to restructure the debt.
Mr. Ruijer manages $5 billion in emerging-market debt at NN Investment Partners. He traveled to Mozambique in September to meet with the finance minister to get more information on the restructuring. At the last minute, the meeting was canceled.
“It was a big mess,” he said.
By February the bond’s price had fallen to 74 cents on the dollar, reflecting fears that Mozambique would miss a principal payment due March 11. The government made the payment, then offered to swap holders of the remaining bonds into more traditional government bonds. Investors would have to hold the bonds for years longer than the original debt, but would get much higher interest.
What the investors didn’t know is that in 2013, Credit Suisse and VTB had lent $622 million to another state-owned company called Proindicus SA to fund the purchases of navy ships and radar installations to protect against piracy, a person familiar with the loans said. The following year, the bank approached investors about expanding the loan to as much as $900 million, the person said.
Credit Suisse didn’t tell the tuna bondholders about the loans until March 24, a day after the bulk of them had approved the restructuring in an early vote, people familiar with the matter said. The disclosure was triggered by a downgrade from S&P on March 15 that tripped a clause making the loans immediately repayable, one of the people said.
Unless they are also restructured, the Proindicus loans are scheduled to be fully repaid by 2021, two years before the new bonds fall due, according to a person familiar with the matter. In the event Mozambique defaults on its debts, the existence of the additional loans could reduce recoveries for bondholders, investors said.
Ver tradução

The debt deal highlights the hazards for investors looking for yield in some of the world’s riskiest markets.
WSJ.COM|DE MATT WIRZ AND JULIE WERNAU

Comments
GostoResponder12 h
Quimo Martinho Martinho Eles ja sbes k o povo moçabikano nunka manifestao,ele fazem uke kem cm impostos d povo. Mas havera justiça final deu nunka mente.
GostoResponder12 h
Hilario Mahumane Aqui estamos ferrrrados com esta divida de EMA e TUM
GostoResponder2 h
Danillo Assan Varind Preocupante
GostoResponder2 h
Sergio Male Espero dos comentários dos qui dizem que cambuma mente. qual é a vossa contra informação???
GostoResponder42 h
Carlitos Jose Macoto Essa divida so vai akecer cabecas dos outros pork os k contrairam nao xtarao vivos.
GostoResponder11 h
Sacrifício Manusse Moçambique....
GostoResponder1 h
Assane Nacumbe Assane EMATUM MONEY
GostoResponder41 h
Alberto Pagari Muito triste e lamentável o que está acontecer em Moçambique motivos pelo qual não estão a lutar com todas garras de estar a governar a força
GostoResponder1 hEditado
Vilanculos Cláudio Vilanculos Isso é k me irrita tanto, o gajo come o Atum, tum, tum, e depois começa a dançar. Ntla...
GostoResponder11 h
Zacaria Masinga This is a bull shit, será k ate quando com esses jogadores comunistas?
GostoResponder11 h
Unay Cambuma Onde anda o Manuel Chang? Deviam prender primeiro aquele imbecil e ladrão descarado e depois iam se queimar entre eles nos tribunais.
GostoResponder61 h
Mulandi HI Mina Kheni Esse deve estar a deliciar dos dólares ganhos no negocio
Jose Banze Fazem burla ate no estrangeiro..
Vilanculos Cláudio Vilanculos Nós até sabemos kem roubou o dinheiro do estado pra compra dos barcos da Ematum. Mas os nossos filhos só vão pagar coosas k nem sequer tiveram conhecimento da dívida dessa pora.
GostoResponder31 h
Unay Cambuma O escândalo da ematum e motivo mais do que suficiente para legitimação da divisão do pais por parte da Renamo. Ninguém deve tolerar este tipo de aberração.
GostoResponder91 h
Portásio Dick Divisão do país não mano. Justiça sim
GostoResponder1 h
Nilza Helena De Almeida Tembe Divisão nao, tds somos moçambicanos e xtamos a sentir na pele essa grande irresponsabilidade do nosso governo . 

Justiça sim,acredito k tds keremos ver os culpados na cadeia.
Mulandi HI Mina Kheni Nilza Helena De Almeida Tembe neste momento não há cadeia para esses ladroes. Eu rezo dia e noite para que nas próximas eleições arrumemos por completo essa corja, ai sim muitos vão desaparecer deste Pais
Maximiano Balane N se vai a eleições pda se fazer justiça. N queremos presos políticos.
Faque Samuel Historias do nosso país.
GostoResponder1 h
Alberto Pagari O Chang e seus colaboradores devem responder claramente pelos escândalos macabros que fizeram é falta de respeito ao povo Mocambicano
Arlys Arly Lutamos pela independência mas maturidade pra fazer a diferença não vejo no moçambicano quem sabe se tivéssemos mantido alguns tugas a nós governarem iriam desenvolver as nossas vidas e o nosso país
GostoResponder11 h
Dgjinhox Jinho Esse dinheiro está em algum lugar não é possível

É muito dinheiro

GostoResponder11 h
Egídio Dos Santos Videira Só posso dizer o mesmo q o Julio Estevao Muchanga falou: PORA
GostoResponder1 h
Alberto Pagari No meio disto é normal haver um grupinhos a defender os ladrões
GostoResponder21 h
Estômago Vazio Pelo nivel de arrogância dos nossos governantes ja mostra k ha muita coisa errada e k so com este regime fora do poder teremos a real radiografia dos actos e factos
GostoResponder31 h
Ropson Roen O espantoso é ver os miúdos da Fadm a morrerem de graça em defesa desses simios.Sinceramente mas que país é este? Mas que brincadeira é essa!
Simone Tazondiwa E O PRESIDENTE O QUE DIZ DISSO? ONDE ESTA A JUSTICA NESTE PAIS? PRENDEM OS QUE ROUBAM PATOS E DEIXAM ESTES CRIMINOSOS?
Tchendjerra Colaco Não procure pelo presidente, procure a constituição e lhe mostre, ja que ele faz tudo dentro da constituição, quem sabe se ele obedece ao tal livro que ate os cinzentinhas não obedecem.
Santos Maite Silvestre Estão brincar comigo
GostoResponder1 h
Costa Manhiça Mas onde esta a porcaria da pgr,,??? Essas evidencias tados sao mais que suficientes pra esses imbecis
GostoResponder21 h
Americo Oliveira Alexandre Coitado de nos inocentes.
GostoResponder1 h
Chauque Armando Oliveira Nantamigo Pooooooooxa! Isso tudo?! Essa divida ate meu neto ira pagar... Estamos ferados.
Zito Simango A famosa chama da unidade k percorre em todo o paiz eki vos faz ficarem dopados ouvirem e atolerem tdo k esses ladroes fazem, akilo nao e so chama,foi preparado com curandeiros de Tanzania pra manter o povo mocambicano em silencio. Nao acredito k ha pessoas k conseguem depositar o voto na frelimo depois de tudo k fazem. Este governor nao investe na cultura,nao investe no desporto, nao constroem estradas nem desenvolvem o paiz. O grupo de pessoas da frelimo eki se divide com o dinheiro do povo e o povo fica em silencio. Os primeiros a virarem o cano contra este governo seriam os FDM e PRM que recebem miseria. Mozambique nao xta nada democratico.
Evaristo Candido Evaristo Evaristo FRELIMO É GRANDE.....KKKK VIVÁAÁSS
Orlando Massingue meu amigo eu já começo a desconfiar de ti tu és nada agora ja não falas da governação de março ja estas a meter outras minhocas aos moçambicanos eu chamo te agora de matriarcado e
Mulandi HI Mina Kheni Isso e só para ver ate onde vai a ganancia dos teus correlegionários da Frelimo. Para alem de assassinos tem a outra parte que tem domínio...a corrupção...
Correia Manvura João Paiz do Panza e Uma Cagada..
Gabrielhenriquesferrao Ferrao Xte axunto d ematum e d interexe nacional porke e o noxo futuro k xta em jogo porke e k o governo nao fala deste axunto sabendo k envolve mto dinheiro, kuando era ponte armando emilio guebuza era tdos os dias ns midias
Arone Ismael Kem tem poderes de por esses homens na barra da justica? Pelo visto ninguem, enquanto poder xtar nas maos desses diabos
Ribeiro Monteiro Realmente para kem leu e entendeu, doi o coraçao.
Manito Nixon IMAGINE A PEOPLE BENDING KNEES TO A DOZEN OF THIEFS.....AND SAME PEOPLE USE TONGUE TO CONDENM AND NEVER ACT...!! WHO'S THE GUILTY..???
Manuel Gove Abuquine Mano o k ira fazer a RENAMO n futuro
Reinier Cedeno Isso é um crime que uem termos da sua gravidade ltrapassa o tamanho lava-jacto. Esse dinheiro só pode estar em algum sitio, ainda é possível recuperá-lo, é imperioso que se prendam os mentores e que seja confiscado todo seu património.
Dito Pedrao Faço das minhas palavras as palavras do camarada sergio vieira "lava jato"
GostoResponder10 minEditado
Emilio Isac Zandamela Xi nao disse nada.

1 comentário:

Dr Purva Pius disse...

Hello Everybody,
My name is Mrs Sharon Sim. I live in Singapore and i am a happy woman today? and i told my self that any lender that rescue my family from our poor situation, i will refer any person that is looking for loan to him, he gave me happiness to me and my family, i was in need of a loan of S$250,000.00 to start my life all over as i am a single mother with 3 kids I met this honest and GOD fearing man loan lender that help me with a loan of S$250,000.00 SG. Dollar, he is a GOD fearing man, if you are in need of loan and you will pay back the loan please contact him tell him that is Mrs Sharon, that refer you to him. contact Dr Purva Pius,via email:(urgentloan22@gmail.com) Thank you.

BORROWERS APPLICATION DETAILS


1. Name Of Applicant in Full:……..
2. Telephone Numbers:……….
3. Address and Location:…….
4. Amount in request………..
5. Repayment Period:………..
6. Purpose Of Loan………….
7. country…………………
8. phone…………………..
9. occupation………………
10.age/sex…………………
11.Monthly Income…………..
12.Email……………..

Regards.
Managements
Email Kindly Contact: urgentloan22@gmail.com

Windows Live Messenger + Facebook