segunda-feira, 11 de abril de 2016

Documentos provam que sauditas sabiam da tentativa de assassinato do presidente

Um apoiante do ex-presidente iemenita Abu Abdullah Saleh beija o seu retrato fotográfico durante uma manifestação em 7 de novembro de 2014 em Sanaa


© AP Photo/ Hani Mohammed
MUNDO
URL curta
 050103

A Sputnik obteve acesso a documentos que fazem parte da correspondência diplomática da embaixada da Arábia Saudita em Sanaa (capital do vizinho Iêmen). As cartas reproduzidas em baixo mostram que as autoridades sauditas podem ter sabido da tentativa de assassinato que o ex-presidente iemenita, Ali Abdullah Saleh, evitou em 2011.

Os telegramas informam que o tenente-general Ali Mohsen al-Ahmar, ex-comandante da 1a Divisão Blindada do Exército do Iêmen, tinha encabeçado uma conspiração contra o ex-presidente. Em 28 de maio de 2011, uma semana antes da tentativa do ataque, a missão diplomática enviou a Riad as informações sobre a mesma.
Carta da chancelaria saudita
© SPUTNIK/
Carta da chancelaria saudita
"Nós informamos que recebemos dados que confirmam as informações do Bureau Geral de Inteligência da Embaixada, que Ali Mohsen Saleh al-Ahmar, comandante da 1a Divisão Blindada do Exército, com o apoio de alguns membros do partido Congresso Geral do Povo e da liderança da guarda presidencial, realizará em um dia desses uma tentativa de assassinato do presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh. É assumido que os americanos sabem disso", reza um telegrama.
Carta da chancelaria saudita
© SPUTNIK/
Carta da chancelaria saudita
A Sputnik obteve estes documentos de uma fonte próxima do Congresso Geral do Povo, partido mencionado na carta. Este partido está ligado ao ex-presidente Saleh.
O atentado contra Saleh teve lugar no dia 3 de junho de 2011. Foi um tiroteio contra uma mesquita perto do palácio presidencial em Sanaa. O então presidente sobreviveu, mas quebrou alguns ossos e sofreu queimaduras.
Carta da chancelaria saudita
© SPUTNIK/
Carta da chancelaria saudita
Na semana passada, al-Ahmar foi nomeado vice-presidente no atual governo de Abd Rabbo Mansour Hadi.
Em 2015, o conflito no Iêmen entre o presidente Hadi e os rebeldes do grupo Ansar Allah (houthis, de tendência xiita do Islã, e ligados ao ex-presidente Saleh) piorou. Em finais de março do ano passado, o presidente fugiu para a Arábia Saudita. Este país começou depois, em abril daquele ano, uma ofensiva militar contra o Iêmen.
Mais:
ONU confirma cessar-fogo no Iêmen e anuncia negociações de paz em Riad
Assad: Terrorismo em Síria, Iraque recebe apoio direto da Turquia, Arábia Saudita
Atentados no Iêmen deixam 22 mortos: Daesh reivindicou a autoria
É oficial: EUA intervêm no conflito em Iêmen
Trudeau: Canadá irá honrar acordos para fornecer armas à Arábia Saudita
Tags:
atentadoAli Abdullah SalehAbd Rabbo Mansour HadiArábia SauditaIêmen


Leia mais: http://br.sputniknews.com/mundo/20160411/4105110/documentos-sauditas-provam-assassinato.html#ixzz45Xielss9

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook