sábado, 9 de abril de 2016

Detido o último suspeito dos atentados de Paris


Mohamed Abrini provavelmente é o "homem do chapéu" que está a ser procurado pelo envolvimento nos ataques de Bruxelas.
Mohamed Abrini era procurado pelo seu envolvimento nos atentados de Paris AFP PHOTO / BELGIAN FEDERAL POLICE / STR
As autoridades belgas anunciaram a captura de Mohamed Abrini, um dos suspeitos procurados pelo envolvimento com os atentados terroristas em Paris, a 13 de Novembro do ano passado – e que segundo a televisão pública flamenga VRT, “provavelmente” será o “homem do chapéu” que foi visto a acompanhar os bombistas que atacaram o aeroporto de Bruxelas a 22 de Março.
Até hoje, não tinha sido estabelecida a sua ligação com os actos terroristas de Bruxelas. Mohamed Abrini, de 31 anos e nacionalidade belga, estava há cinco meses na lista dos mais procurados pelas autoridades europeias, depois de ter sido identificado como o passageiro que viajava no mesmo carro que Salah al-Abdeslam, um dos irmãos que participou nos atentados de Paris, em 2015, reivindicados pelo Estado Islâmico.
Abdeslam arrependeu-se e acabou por não cumprir a sua missão suicida no Estádio de França. Depois de meses em fuga, foi capturado num apartamento do bairro de Molenbeek, em Bruxelas, a 18 de Março (quatro dias antes das acções terroristas na capital belga). Mohamed Abrini era o único suspeito de cumplicidade nos atentados de Paris nomeado pelas autoridades que ainda continuava foragido.
Os dois homens são amigos de infância, e vizinhos no bairro de Molenbeek, o “refúgio” de onde saíram e a que regressaram os terroristas que atacaram a capital francesa. Tal como os dois irmãos Abdeslam, Salah e Brahim (um dos bombistas que se fez explodir junto a um restaurante parisiense), Mohamed Abrini era conhecido da polícia belga, tendo cadastro por crimes de roubo e detenções por posse de estupefacientes. Acredita-se que tenha viajado para a Síria, ou para receber treino militar ou combater nas fileiras jihadistas.
Mohamed Abrini viajou com Salah Abdeslam para Paris dois dias antes dos atentados que fizeram 149 vítimas em vários pontos da capital francesa – em restaurantes e esplanadas repletas de clientes e ainda na sala de espectáculos Bataclan, onde decorria um concerto da banda norte-americana Eagles of Death Metal. A imagem dos dois, a fazer compras numa estação de serviço a Norte de Paris, foi divulgada pela polícia francesa; as câmaras da mesma bomba de gasolina mostraram que o automóvel em que seguiam era o mesmo que foi utilizado durante os ataques.
Por enquanto não foi adiantada nenhuma informação relativa à sua detenção: nem o local nem as circunstâncias em que ocorreu. Segundo a AFP, a detenção terá acontecido no subúrbio de Anderlecht.
A sua eventual ligação aos mais recentes atentados em Bruxelas não está ainda oficialmente confirmada. A estação pública flamenga VRT diz que “provavelmente” é ele o indivíduo que aparece nas imagens de videovigilância do aeroporto de Zaventem, que está a ser procurado como o “homem do chapéu”.
Esse homem, cujo rosto fica escondido por uma armação de óculos e o chapéu, figura nas imagens das câmaras de videovigilância junto dos dois terroristas que atacaram o aeroporto de Bruxelas, a puxar um carrinho de bagagem – um saco com uma bomba por detonar foi encontrado no local. O indivíduo foi apanhado pelas câmaras a abandonar o aeroporto imediatamente após as explosões, e a seguir em direcção ao centro da cidade.
A Procuradoria Federal da Bélgica confirmou esta sexta-feira que foram realizadas “várias detenções” relacionadas com o inquérito aos ataques em Bruxelas, mas escusou-se para já a revelar mais detalhes. As bombas que rebentaram no aeroporto da capital belga, e na estação de metro de Maelbeek, mataram 32 pessoas.
Citando informações recolhidas pelos media belgas junto de fontes não identificadas da polícia, a Reuters diz que um outro indivíduo detido esta sexta-feira será Osama Kraiem, um homem visto com um dos bombistas de Bruxelas, Khalid Bakraoui, momentos antes de este detonar o seu colete explosivo no metropolitano.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook