quarta-feira, 13 de abril de 2016

Como Libertadores se transformaram em opressores. Um estudo dos estados da África Austral


11 de abril de 2016 4.44a am BST
autor

 Henning Melber
Extraordinário professor do Departamento de Ciências Políticas da Universidade de Pretória

Declaração de divulgação

Henning Melber juntou SWAPO em 1974.
parceiros

Universidade de Pretória

Fornece financiamento para a Universidade de Pretória como um parceiro da conversa África.

Republisher este artigo

Nós acreditamos no livre fluxo de informações. Nós usamos um noderivatives licença Creative Commons Attribution, para que possa republisher nossos artigos gratuitamente on-line ou em papel.

republisher

Presidente do Zimbábue, Robert Mugabe e sua esposa Graça. Mugabe está no poder desde 1980. Reuters / Philimo Bulawayo
 e-mail
 Twitter70
 Facebook266
 linkedın34
 impressão
Este artigo é uma fundação do ensaio. Estes são mais do que o habitual e dar uma olhada mais ampla a uma sociedade chave problema que afeta.

Desde que chegou ao poder político, os movimentos anticolonialistas de Angola, Moçambique, Zimbabwe, Namíbia e África do Sul têm-se mantido no controle das Sociedades das antigas colónias de povoamento.

Na melhor das hipóteses o histórico de execução de países que ajudaram a libertar é misturado. A partir do "Oiligarchy" em Angola ao abrigo José Eduardo dos Santos e seu clã familiar ea autocrática "Zanuficatio a" sob presidente do Zimbábue, Robert Mugabe às sucessões presidenciais em Moçambique, Namíbia e África do Sul, todos os movimentos embarcou no que poderia ser chamado de "captura do Estado ".

Isto é verdade para todos os cinco: o Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA), a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), a União Nacional Africano do Zimbabwe (ZANU PF), da Namíbia Organisation (SWAPO) do Sudoeste África Povos eo Nacional Africano Congress (ANC) da África do Sul.

Durante os anos de resistência organizados, ativistas dos movimentos de libertação, muitas vezes internalizaram um "nós-eles" categorizados que as pessoas se dividem, como camaradas ou inimigos. Isto era verdade na política exílio e luta armada, bem como mobilisatio subterrânea militante interno.

Os regimes repressivos que se opõem os movimentos de libertação foram baseados nos direitos humanos como parte integrante Violações componentes do regime de minoria. Para ter uma chance de sucesso contra eles, a luta operado principalmente ao longo das linhas de comando e obediência. Operando em exílio ou em casa por uma organização banida não deixou espaço para complacência. Suspeita foi necessária para a sobrevivência. É normal que os movimentos de resistência a adotar sobrevivência Estratégias ásperas e técnicas, enquanto luta contra um regime opressivo.

Infelizmente que a cultura tem raiz e é permanentemente estimulado. Essa mentalidade de confronto tornou-se entrincheirado em uma cultura política autoritária que se baseia a alegação de que Libertadores tem o direito a governar dentro de um novo projeto de elite. Isso tem acontecido muito para a frustração daqueles que acreditavam que a luta contra o colonialismo colono era também uma luta contra uma série de outras coisas. Estes incluem a exploração económica, redistribuição da riqueza, a democracia plural e respeito pela dignidade humana, os direitos e as liberdades civis.

Isso aconteceu em quase toda parte nas sociedades em transição. Aqueles que sacrificaram durante a resistência sentiu direito a novos privilégios em muitos casos, como uma espécie de compensação e recompensa. Como uma nova elite, que muitas vezes também imitou o estilo de vida daqueles que eles substituídos. cultivo de Oxford İngilizce de Mugabe é tanto um caso em apreço, como a nova cultura de elite indiana analisados ​​por Ashis Nandy em "O inimigo íntimo".

Também não há nada de novo sobre os movimentos militantes que supostamente são justificadas em termos éticos e morais estão perdendo sua legitimidade rapidamente quando obtenção de energia. Desde a Revolução Francesa, Libertadores, muitas vezes se transformou em opressores, vítimas em agressores. Novos regimes muitas vezes se assemelham características do antigo.

Feridas velho e novo

A resistência armada foi parte das lutas de libertação em diferentes graus nas colónias de povoamento do sul da África. Enquanto a liberação não veio a partir do cano de uma arma, o componente militar acelerou o processo para a auto-determinação. Nos casos de Zimbabwe, Namíbia e, em menor medida, a África do Sul, foi um fator que contribui para uma transição negociada em direção a regra da maioria.

Os compromissos exigidos de todos os lados faziam parte de uma estratégia mais ampla equivale a pactos de elite de apaziguamento. transferência de negociação do poder político não abandonou os colonos estruturas coloniais da sociedade.

É portador de repetição que o personagem sem escrúpulos violenta do regime Zimbabwe União Nacional Africano (ZANU) já se revelou no início e meados da década de 1980. Já durante os anos de exílio interno lutas de poder levou a assassinatos e mostrou a força bruta inerente lutas de libertação, mesmo dentro das fileiras do seu próprio. Esta vontade de recorrer à violência foi visto em grande escala após a independência como ele virou-se contra opositores políticos e sua base de apoio.

Uma unidade especial matou cerca de 20.000 pessoas através da Operação foi Gukurah, onde a oposição Zimbabwe União do Povo Africano (ZAP é) teve o maior apoio. Atrocidades, na fronteira com o genocídio não parou até que a ZAP concordou em assinar um pacto. ZANU ZAP é basicamente assumiu.

Quando o Movimento para a Mudança Democrática como um novo partido de oposição se transformou em um sério concorrente, o Chimurenga, a nossa luta revolucionária, tornou-se uma instituição permanente. A violência foi a resposta habitual protesto político. E como o poder político passou longe de Mugabe perdeu após o referendo em 2000, seu bec regime, mas mais violento.

Violações de direitos humanos da Swapo foram também minimizou. Na década de 1980 os milhares de organização de seus membros presos em masmorras no sul de Angola, acusando-os de espionagem em nome da África do Sul. Essas pessoas perderam sua liberdade e são muitas vezes as suas vidas, apesar de nunca ter sido comprovada sua culpa. Na verdade, eles nem sequer foram levados a julgamento. A maioria não sobreviveu à tortura. Aqueles liberados são desprezados até hoje.

Enquanto os líderes políticos dos movimentos thes não poderia ter praticado tais actos de violência si mesmos, e sabia que eles eram cúmplices deles.

A trajetória da África do Sul é decepcionante também. Dada cultura política vibrante do país de pré-democracia, as perspectivas para a democracia foram mais animadores.

Mas o grau de violência terrível exibida por aqueles execução de "lei e ordem" em nome do Estado Sul-Africano em Marikana foi um lembrete de que Sharpeville não foi passado.


O Marikana massacre 2012 trouxe lembranças amargas dos assassinatos da era do apartheid de manifestantes em Sharpeville. Reuters / Siphiwe Sibeko
Já em 1990, o ativista subterrânea veterano e depois juiz constitucional Albie Sachs expressou dúvidas de que os ativistas do ANC estavam prontos para a liberdade. Eles ficaram preocupados com os hábitos que tinha cultivado. Enquanto a cultura e disciplina de resistência pode ter servido como uma estratégia de sobrevivência no subsolo, thes Conduta não eram os de cidadãos livres.

O trabalho de Raymond Suttner, com base em seu ponto de vista a partir do interior, aponta que a ideologia do ANC e da retórica não distinguishe entre o movimento de libertação e as pessoas. O movimento de libertação é um protótipo de um Estado dentro do Estado - que se vê como a única fonte legítima de poder.

Também explica como durante a luta houve uma supressão geral do "pessoal" em favor do "coletivo". julgamento individual, e therebye autonomia, foi alquil-substituído por uma decisão coletiva da liderança. Essa "cultura guerreira" atos heróicos incluídos, mas também o abuso de poder.

Como em muitos casos, as mulheres - como mães, esposas e filhas, mas também como objetos de desejos sexuais satisfatórios - pagou o preço mais alto e fez os maiores sacrifícios.

Comissão da Verdade e Reconciliação da África do Sul, institucionalizado pelo governo, também falou sobre violações dos direitos humanos cometidos pelo ANC. Embora o relatório oficial final contendo thes os resultados nunca foi publicado, na sua forma original, o presidente Nelson Mandela não coíbe de earlie está oferecendo um pedido público de desculpas às vítimas de falhas do ANC de respeitar os direitos humanos básicos.

Além do "fim da história"

Como sabemos agora, a vida pós-colonial para demasiadas pessoas se parece muito com a da era colonial no que diz respeito à vida do dia-a-dia. Uma razão para isso é que a socialização e as atitudes da luta moldou a compreensão dos novos líderes políticos da política - e é a sua ideia de como exercer o poder.

No escritório, os movimentos de libertação tendem a marcar "o fim da história". Seus mecanismos de partido - como sociólogo Roger Southall descreve - promotor da equação que o partido é o governo eo governo é o estado. Qualquer alternativa política que não emerge de dentro não será aceitável.

Esta atitude explica o forte senso de camaradagem entre o regime de Mugabe e os governos de Angola, Moçambique, Namíbia e África do Sul. Normalmente, qualquer alternativa política será desacreditado como sendo parte de uma conspiração imperialista que é projetado para sabotar a independência nacional e está buscando "mudança de regime".

As categorias relevantes de pensamento são vencedores e perdedores. Mas a democracia é sobre algo completamente diferente: compromisso, e até mesmo uma busca de consenso, em busca do bem público. Para conseguir isso, não é preciso mentalidades em modo de combate, mas sim um debate político alargado.

Olhando para a história da libertação lutas na África Austral pode, Bunun, também abrir nossos olhos e aguçar nossa sensibilidade, consciência e compreensão das formas de governo que mostram claras limitações de emancipação genuína e libertação.

Devemos também reflectir criticamente sobre aqueles - dentro dos países e no mundo - que lhe prestaram apoio desses movimentos. -Se como eles têm posicionado vis-à-vis as novas estruturas de poder? Como eles estão praticando a noção de solidariedade no contexto de desigualdades e injustiças?

Devemos voltar para a mentalidade, valores, normas e expectativas daqueles que apoiaram os thes Struggles. A noção de solidariedade que pode viver com um significado semelhante e prática intransigente.

"A continua Luta [O tipo contínua luta]" como um slogan popular durante a luta que os dias não se traduziria em "tipo contínuo saques" Este retorno ao seu verdadeiro significado. Se aplicada em conformidade, salienta que não há fim da história quando se trata de lutas sociais para a emancipação verdadeira, igualdade, liberdade e justiça.

How liberators turn into oppressors. A study of southern African states

Zimbabwean President Robert Mugabe and his wife Grace. Mugabe has been in power since 1980. Reuters/Philimon Bulawayo
This article is a foundation essay. These are longer than usual and take a wider look at a key issue affecting society.
Since coming to political power, the anticolonial movements of Angola, Mozambique, Zimbabwe, Namibia and South Africa have remained in control of the former settler colonies’ societies.
At best their track record of running the countries they helped liberate is mixed. From the “oiligarchy” in Angola under José Eduardo dos Santos and his family clan and the autocratic “Zanufication” under Zimbabwean President Robert Mugabe to the presidential successions in Mozambique, Namibia and South Africa, all movements embarked on what could be termed “state capture”.
This is true of all five: the People’s Movement for the Liberation of Angola (MPLA), the Mozambique Liberation Front (Frelimo), the Zimbabwe African National Union (ZANU PF), Namibia’s South West Africa People’s Organisation (SWAPO) and the African National Congress(ANC) in South Africa.
During the years of organised resistance, activists in the liberation movements often internalised a “we-they” divide that categorised people as comrades or enemies. This was true in exile politics and armed struggle, as well as militant internal underground mobilisation.
The repressive regimes the liberation movements opposed were based on human rights violations as an integral component of minority rule. To have a chance of success against them, the struggle mainly operated along the lines of command and obedience. Operating in exile or for a banned organisation at home left no room for complacency. Suspicion was required for survival. It is normal for resistance movements to adopt rough survival strategies and techniques while fighting an oppressive regime.
Unfortunately that culture takes root and is permanently nurtured. Such confrontational mentality has become entrenched in an authoritarian political culture that is based on the claim that liberators have an entitlement to rule within a new elite project. This has happened much to the frustration of those who believed that the struggle against settler colonialism was also a struggle against a range of other things. These include economic exploitation, redistribution of wealth, plural democracy and respect for human dignity, rights and civil liberties.
This happened in societies in transition almost everywhere. Those who sacrificed during the resistance felt in many cases entitled to new privileges as a kind of compensation and reward. As a new elite, they also often mimicked the lifestyles of those they replaced. Mugabe’s cultivation of Oxford English is as much a case in point as the new Indian elite culture analysed by Ashis Nandy in “The Intimate Enemy”.
There is also nothing new about militant movements that are supposedly justified in ethical and moral terms losing their legitimacy quickly when obtaining power. Since the French Revolution, liberators have often turned into oppressors, victims into perpetrators. New regimes often resemble features of the old one.

Wounds old and new

Armed resistance was in different degrees part of the liberation struggles in the southern African settler colonies. While liberation did not come from the barrel of a gun, the military component accelerated the process towards self-determination. In the cases of Zimbabwe, Namibia and, to a lesser extent, South Africa, it was a contributing factor for a negotiated transition towards majority rule.
The compromises required from all sides were part of a wider appeasement strategy tantamount to elite pacts. Negotiated transfer of political power did not abandon the settler colonial structures of society.
It bears repetition that the unscrupulously violent character of the Zimbabwe African National Union (ZANU) regime had already revealed itself in the early to mid-1980s. Already during the exile years internal power struggles led to assassinations and showed the brute force inherent in liberation struggles, even within their own ranks. This willingness to resort to violence was seen on a massive scale after independence as it was turned against political opponents and their support base.
A special unit killed an estimated 20,000 people through Operation Gukurahundi, where the opposition Zimbabwe African People’s Union (ZAPU) had most support. Atrocities bordering on genocide did not stop until ZAPU agreed to sign a pact. ZANU basically took ZAPU over.
When the Movement for Democratic Change as a new opposition party turned into a serious competitor, the Chimurenga, or revolutionary struggle, became a permanent institution. Violence was the customary response to political protest. And as political power shifted away from Mugabe after the lost referendum in 2000, his regime became more violent.
Swapo’s human rights violations have also been downplayed. In the 1980s the organisation imprisoned thousands of its members in dungeons in southern Angola, accusing them of spying on behalf of South Africa. These people lost their liberty and often their lives in spite of never having been proven guilty. Indeed, they were not even brought to trial. Most did not survive the torture. Those released are scorned even today.
While political leaders of these movements might not have practised such acts of violence themselves, they were accomplices and knew of them.
South Africa’s trajectory is sobering too. Given the country’s vibrant political culture pre-democracy, the prospects for democracy were more encouraging.
But the horrific degree of violence displayed by those executing “law and order” on behalf of the South African state in Marikana was a reminder that Sharpeville was not past.
The 2012 Marikana massacre brought bitter memories of the apartheid-era killings of protesters in Sharpeville.Reuters/Siphiwe Sibeko
As early as 1990, veteran underground activist and later constitutional judge Albie Sachs expressed doubts that ANC activists were ready for freedom. He worried about the habits they had cultivated. While the culture and discipline of resistance may have served as a survival strategy in the underground, these skills were not those of free citizens.
Raymond Suttner’s work, based on his view from the inside, points out that ANC ideology and rhetoric do not distinguish between the liberation movement and the people. The liberation movement is a prototype of a state within the state – one that sees itself as the only legitimate source of power.
He also explains how during the struggle there was a general suppression of “the personal” in favour of “the collective”. Individual judgment, and thereby autonomy, was substituted by a collective decision from the leadership. Such a “warrior culture” included heroic acts, but also the abuse of power.
As in many instances, women – as mothers, wives and daughters, but also as objects for satisfying sexual desires – paid the highest price and made the greatest sacrifices.
South Africa’s Truth and Reconciliation Commission, institutionalised by the government, also talked about human rights violations committed by the ANC. Although the final official report containing these findings was never published in its original form, President Nelson Mandela did not shy away from earlier offering a public apology to the victims of the ANC’s failures to respect basic human rights.

Beyond the ‘end of history’

As we now know, postcolonial life looks for far too many people very much like that of the colonial era in respect to day-to-day living. One reason for this is that socialisation and attitudes from the struggle have shaped the new political leaders’ understanding of politics – and their idea of how to wield power.
In office, liberation movements tend to mark “the end of history”. Their party machineries – as sociologist Roger Southall describes it – promote the equation that the party is the government and the government is the state. Any political alternative that does not emerge from within will not be acceptable.
This attitude explains the strong sense of camaraderie between the Mugabe regime and the governments of Angola, Mozambique, Namibia and South Africa. Typically, any political alternative will be discredited as being part of an imperialist conspiracy that is designed to sabotage national independence and is seeking “regime change”.
The relevant categories of thought are winners and losers. But democracy is about something completely different: compromise, and even a search for consensus, in pursuit of the public good. To achieve that, one does not need mindsets in combat mode, but rather a broad political debate.
Looking at the history of the liberation struggles in southern Africa can, therefore, also open our eyes and sharpen our sensibility, awareness and understanding of forms of rule that show clear limitations for genuine emancipation and liberation.
We should also critically reflect on those – within the countries and globally – who rendered those movements support. How have they positioned themselves vis-à-vis the new power structures? How are they practising the notion of solidarity in the context of inequalities and injustices?
We should return to the mindsets, values, norms and expectations of those who supported these struggles. The notion of solidarity might then live on with a similar uncompromising meaning and practice.
A luta continua [The struggle continues]” as a popular slogan during the struggle days would then not translate into “the looting continues” but return to its true meaning. If implemented accordingly, it underlines that there is no end of history when it comes to social struggles for true emancipation, equality, liberty and justice.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook