sexta-feira, 22 de abril de 2016

ALERTA VERMELHO: Esquadrões da morte activados para 3 províncias

Informações em poder do MTQ indicam que os esquadrões da morte (uma organização paramilitar criada no tempo em que Sérgio Vieira era Ministro da Segurança, com objectivo de perseguir e matar os cabecilhas da Renamo dentro e fora do país, agora reactivada) estão activados em três províncias: Maputo-Cidade, Manica/Sofala e Zambézia. O objectivo é, segundo a denúncia feita, cometer assassinatos selectivos de alguma liderança local da oposição e desviar, dessa feita, atenções que muitos estão dispensando ao escândalo da dívida pública. O alerta é do nível 3 numa escala de 5 e pode acontecer a qualquer altura e em qualquer local, havendo pessoas cujas pegadas já estão sendo seguidas. A fonte pede máxima cautela as lideranças e aos membros dos partidos da oposição no geral. Aos delegados da Renamo recomenda-se evitarem passar as noites em respectivas casas porque há uma ordem superior da PRM para patrulhas nocturnas. O MTQ promete trazer mais pormenores em volta do assunto. 

Lembre-se aqui

Há esquadrões de morte para abater opositores, revela agente da Polícia da República de Moçambique
Uma das frentes mais activas do conflito político-militar, que decorre há vários meses em diversas regiões de Moçambique, acontece no distrito de Murrupula, na província de Nampula, norte de Moçambique, onde oficialmente um contingente da Polícia da República de Moçambique(PRM) foi enviado para a localidade de Naphuco para repor a ordem, alegadamente perturbada por homens armados da Renamo, e um agente terá sido raptado. Na verdade, um esquadrão de elite das forças governamentais foi enviado para o local.
“(...)fizemos uma defesa circular, em que todos parámos e concentramos o fogo. Mas sem esperar que aqueles podiam responder, porque nós fomos de madrugada. Quando responderam cada um correu à sua maneira e ele ficou”, relata um agente das forças especiais da Unidade de Intervenção Rápida (UIR) da Polícia da República de Moçambique (PRM), que revela ainda ter realizado várias "missões" de eliminação de alvos previamente identificados pelos comandantes, uma das quais a 25 de Setembro de 2015, em Zimpinga (41 quilómetros a leste de Chimoio na Estrada Nacional Número 6, entre Gondola e a Missão de Amatongas ), onde a ordem era eliminar fisicamente Afonso Dhlakama, líder da Renamo. “Aquele velho (Dhlakama) não morre”, disse.
Leia a seguir um relato arrepiante, feito por quem diz ter participado e por isso testemunha. “Estamos cansados. Não ganhamos nada e estamos a sonhar com aquilo”, diz o agente. O referido agente, cuja identidade não revelamos, nasceu na cidade de Maputo em 1985.
“Cumpri a tropa no Centro de Formação de Forças Especiais de Nacala Porto”, diz o agente. “Estava lá como Instrutor Auxiliar de Armamento e Tiro”. Cumprido o serviço militar, e depois de algum tempo em que trabalhou para uma empresa privada de segurança, foi incorporado nas fileiras da PRM. “Entrei para a polícia; fizeram uma seleção. Queriam aqueles que tinham sido militares e que tivessem feito o curso de armamento, para serem da Intervenção Rápida, mas estando na Presidência da República. Trabalhei na RP1 e na RP2”, diz ele. RP é a sigla para Residências Protocolares pertencentes à Presidência da República.
P – Qual é o seu percurso até chegar às Forças Especiais?

Agente – Fui militar das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM). Comecei a minha formação militar na Catembe, na Escola de Fuzileiros Navais. Depois fiquei dois anos à procura de emprego, até ser incorporado na polícia. Aqueles que foram à tropa não podem ser cinzentinhos; têm que pertencer às forças especiais. Fui fazer outra formação de anti-motim, de controlo de multidões, no caso de greves. Essa formação anti-motim é uma especialidade, Força de Intervenção Rápida é outra. Intervenção Rápida é uma força tipo bombeiro, que aparece para resolver um problema e acabar. Então, porque é que levam os que foram à tropa? É Porque estes sabem disparar vários tipos de armas. Por exemplo, eu sei disparar cerca de 26 tipos de armas. Esses das esquadras só sabem disparar pistola e AKM. Por isso é que aqueles que estiveram na tropa não pode estar numa esquadra; têm de estar num quartel, então nós temos uma dupla função; operamos como militares e como polícias também.
P – Em que ramo da corporação está afecto?
Agente – Sou agente da Polícia, da Unidade de Intervenção Rápida. Estive a trabalhar na Presidência da República. Fiz curso de franco atirador. Vocês não sabem o que existe aqui, guerra existe só que nas cidades não há guerra.
P – Onde e desde quando é que há guerra?
Agente – Estava na escolta presidencial, mas fui destacado para Nampula porque precisavam de franco-atiradores lá para operar as armas pesadas que estão lá; canhões novos de fabrico russo ZU 23. Já existiam do mesmo tipo antigas, mas recentemente chegaram novas. Só na posição de Gorongosa, onde estive em 2012 e 2015, existiam pelo menos oito. Éramos uma força conjunta que estávamos lá a realizar tiros com Dragunov, essa é uma arma que usamos para procurar as pessoas indicadas e abater, porque temos tido esse trabalho.
P – Que trabalho é esse, com quem você realiza?
Agente – Somos mais ou menos um pelotão de 20 especiais. Quando começou aquele problema em Gorongosa, em 2011, fizemos uma reciclagem e a primeira missão foi em 2012. Nós vamos lá quando a situação não está nada bem. Primeiro, tem pessoas que avançam para lá e quando a situação não está nada bem chamam os atiradores de armas pesadas para chegar e destruir. Nós é que entramos lá e matamos aquele comandante que diziam que era anti-bala; aquele morreu com canhão em Muxúnguè.
P – Que outras missões em que você esteve envolvido?
Agente – Nós ficamos no quartel, mas eles nos chamam, e dizem vão para a província x. Saímos daqui de avião, e lá apanhamos viaturas dos comandos provinciais. O que me deixa revoltado é que o meu trabalho é combater a criminalidade, manter a ordem e tranquilidade públicas. A polícia não é para matar; é para apanhar a pessoa, isolar e entregar à justiça para ser ouvida e de lá darem seguimento. É o que nós entendemos. Mas aqui neste nosso país alguém pode chegar, dar ordens para entrar no carro, e nós só temos que cumprir ordens. Ninguém vai aparecer a dizer que não quero, porque há consequências. Vinham com a foto e diziam que “está aqui, vão mata-bichar e aí onde vão mata-bichar virá alguém, então aquele que vier, mesmo primeiro isolam o guarda-costas dele porque virá acompanhado”. Dão toda a informação que “este virá acompanhado, o nome não vamos vos dizer mas é esta pessoa na foto e deve ser abatido”.
P – Então, as missões não são só contra os homens armados da Renamo?
Agente – Em Maputo nunca usamos armas contra militares. Conforme eu disse, dão-nos a foto e depois são vão ouvir que um desconhecido foi encontrado morto na zona x, como se tivesse sido um assalto.
P – Quer dizer que também operam nas cidades?
Agente – Na cidade da Beira, mas onde trabalhei mais foi em Nampula. Em Nampula já seguimos um Nissan Navarra branco dupla cabine, com matrícula vermelha. Seguimo-lo desde o hotel, no centro da cidade, fomos via Cipal, um pouco depois da Faina, contornou para a estrada Nampula-Cuamba, e era ali mesmo que o queríamos. Passamos o mercado Waresta, fomos até antes de Namina, tem o distrito de Ribáuè, quando saímos de Rapale tem uma grande distância de mato. O nosso primeiro carro, um Prado preto, ultrapassou e atrás estava outro Prado, ele praticamente ficou no meio. Furámos o pneu de frente, ele perdeu a direcção e foi parar perto da linha férrea. Nós queríamos um que estava atrás, a mexer o telefone, um saiu e queria responder o fogo mas levou na cabeça. O responsável e o motorista também quando iam sair, atiramos mortalmente. Ficaram ali.”
P – Que outras missões de que se recorda?
Agente – Há bocado fomos a Manica, tivemos um trabalho, só que lá fomos à paisana. Recebemos a foto da pessoa que nos disseram que devia ser abatida. Nós não conhecemos bem as pessoas (a serem abatidas). Eles trazem e dizem “vão até à zona x, vai passar alguém”, dão nos a informação toda da pessoa (vestuário, carro), dizem para persegui-la até uma zona onde a polícia não estará lá.
P – Já realizou alguma missão contra Afonso Dhlakama?
Agente – Já, só que aquele também é drogado. Para o líder da Renamo, primeiro lhe tentamos no distrito de Moma, mas o falhamos. Em Manica agora, só que aquele senhor não morre.
P – Quer dizer que o vosso pelotão estava em Manica atrás de Afonso Dhlakama?
Agente – O trabalho ali foi assim; mandaram-nos para lá alguns dias antes. Fomos recebidos por um dirigente (nome omitido). Primeiro eles (o líder da Renamo e a comitiva) estavam num comício, a força da escolta que estava lá dava-nos informações. Quem organizou aquilo, quem nos estava a dar refeições, em que sítio nós dormimos em Manica, o responsável dizia, “que tal hoje não pode falhar nada”.
P – Mas falharam...
Agente – Não falhamos. Muitos morreram, mas aquele velho (Dhlakama) não morre, desapareceu. Ali tem montanhas, nós ficamos na parte alta, não podiam ir outros colegas lá em baixo porque senão podia haver fogo cruzado, naquilo de que o carro que passasse havia de levar, porque não estávamos com armas ligeiras; usamos armas próprias para estragar carros. Pusemos ali a mira, sabíamos que Dhlakama vinha, porque estavam no comício e de lá ligavam para o nosso comandante a avisar que daí a pouco tempo Dhlakama havia de passar, que já partiu, alimentem as armas, e posicionamo-nos com as metralhadoras, mas não sei como é que é possível um carro passar a poucos metros e não ser atingido. Vários morreram ali mas Dhlakama conseguiu sair. Ainda perseguimos mas eles responderam.
P – Quem é que deu as ordens para essas missões em que você participou?
Agente – Sabe, aqui em Moçambique tem pessoas que nunca são mencionadas, de quem nunca se fala. Quando há problemas, sempre fala a polícia, os militares, mas há uns que sempre ficam por detrás disso: SISE(Serviços de Informaçao e Segurança do Estado). São grandes, têm informação de tudo isto aqui.
P – Só actuaram em Nampula, Manica e Sofala?
Agente – Realizamos missões de porta-à-porta na província de Sofala, nos distritos de Caia, Marromeu e Gorongosa. Chegávamos, batíamos à porta, e aqueles que saiam eram mortos. Obtemos informação dos líderes comunitários; são eles que nos informam sobre a presença de homens da Renamo numa determinada região.
P – Onde é que foi a missão mais recente?
Agente – Eu fui chamado para Murrupula, em Nampula, em Janeiro de 2016. Porque conforme já disse, os líderes comunitários conseguem observar os movimentos nas aldeias, e verificar a chegada de pessoas ou grupos estranhos. Então, chamaram-nos para lá. Não permanecemos lá; ficamos num hotel, como civis, à espera de indicações para irmos trabalhar”.
P – Que tipo de trabalho foi esse?
Agente – Há uma base da Renamo numa aldeia, é uma coisa de 42 quilómetros depois da Estrada Nacional. Deixamos os carros para não provocar ruído. É uma zona onde não entram frequentemente carros; os únicos carros que vão para lá vão à procura de carvão e lenha. Nós fomos a pé. Mesmo agora que estou a falar tem lá forças pertencentes à 6ª Unidade da Intervenção Rápida, tentando resgatar um homem que desapareceu com a sua arma.
P – Está a falar de um vosso colega que desapareceu? Como é que desapareceu?
Agente – Nós fomos lá e identificamos uma base da Renamo. Fizemos uma defesa circular, em que todos paramos e concentramos o fogo, mas sem esperar que eles pudessem responder, já que era de madrugada. Quando responderam fogo cada um correu à sua maneira e ele ficou, tinha uma metralhadora PK de 475 munições (é uma metralhadora Kalashnikov russa vulgarmente conhecida por PK), tinha dois carregadores. Depois o Comandante ligou e disse que queria o esse elemento vivo ou morto, e com a sua arma.
P – Como é que vocês comunicam com os líderes comunitários?
Agente – Todos os líderes comunitários, nas províncias, trabalham com as forças governamentais; eles dão informação. Têm a missão de vigiar na aldeia, e informar sobre a presença de elementos da Renamo; quem são os responsáveis, quem são os delegados, etc. Então nós chegamos, batemos a porta e levamos a pessoa.
P – Então, está a dizer que os homens armados da Renamo vivem no meio das populações?
Agente – Eles (os homens armados da Renamo) vivem muito bem com a população, e a população não denuncia.
P – Esses homens armados da Renamo são jovens?
Agente – Dos que já capturamos nunca vi jovens. Aqueles jovens que aparecem a entregar-se como membros da Renamo são informadores. Muitos daqueles que se entregam estão a ser chantageados e agora estão a ter problemas para regularizar os documentos. Muitos nem são guerrilheiros.

“Em Tete é que foi mais vergonhoso porque o comandante que estava lá em frente disse queimam lá”
P – Quantos homens armados da Renamo estavam em Murrupula?
Agente – Não sabemos quanto são, porque muitos não andam fardados, eles vivem com a população. Eles nunca foram a uma aldeia e começarem a disparar. A Força de Intervenção Rápida é que queima escolas, se não sabiam. Nós quando íamos atacar, quando entrávamos numa aldeia, começávamos a disparar de um lado para o outro, e todos fugiam. O comandante ligava e dizia que “os homens da Renamo fizeram isto aqui”, e logo vinham ordens superiores a dizer “destruam isso aí”. P – Então, quando as populações fogem porque dizem estarem a ser atacadas pelas Forças Governamentais não estão mentir? Agente – Não estão a mentir. Em Tete é que foi mais vergonhoso porque o comandante que estava lá em frente disse queimam lá essas palhotas, matem os cabritos, bois e outros animais.
P – Quem foi esse comandante?
Agente – O comandante é (nome omitido). Ele teve problemas de tráfico de drogas. Foi condenado mas não cumpriu a pena, foram lhe tirar quando começaram essas confusões e foi colocado como comandante em Nampula. Quando começou a instabilidade em Nampula foi-se instalar a Intervenção Rápida na rua dos Sem Medo, e foi aí que tudo começou. Aquele Dhlakama tem medo dele, e do (nome omitido), mais conhecido por Adolfo, foi comandante dos comandos, um desertor da Renamo. Quem anima cumprir missões com ele é o comandante (nome omitido), porque nas missões que ele comanda não morre ninguém. Agora, ir com o comandante (nome omitido) morre o próximo dele, porque aquele no mato não tira a mão do bolso e não é atingido pelas balas. O comandante (nome omitido) foi comandar em Nampula, então aqueles (Afonso Dhlakama e os seus homens) fugiram para a Gorongosa, ele foi atrás deles como comandante do batalhão independente de Gorongosa, até agora.
P – Então o comandante (nome omitido) está em Sofala ou em Tete?
Agente – Esse (nome omitido) está em Gorongosa, mas é chamado em todo o sítio onde há confusão, por isso mandaram-lhe para Tete. Fomos juntos para lá, entre Maio e Setembro.
P – Além do vosso pelotão existem outros que realizam essas missões?
Agente – Não é o único. Outros estão espalhados pelas províncias.
P – E existe armamento?
Agente – Têm carros blindados novos com canhões. Chegaram novos carros na brigada montada, foram buscar ao porto de madrugada já estão aí homens a serem formados. Há canhões ZU23, armas de precisão Dragunov, e metralhadras Pecheneg , todas de fabrico russo.o

“No dia em que fomos roubar votos em Nampula, em 2014”
P – Porque é que decidiu revelar-nos tudo o que tem feito?
Agente – Tenho filhos por criar, e aquele trabalho me está a criar perturbações mentais. Desde que esta confusão da Renamo começou as pessoas estão a morrer. Fui fazer outra formação anti-motim, de controlo de multidões, no caso de greves. Não é para isto que nós juramos. É por isso que alguns já foram expulsos, por se recusarem a cumprir certas missões. Por exemplo, somos chamados para uma formatura, e daqui para a aqui, nos dizem, “senhores, entram no carro, levem bazucas”. Bazucas não são para o controlo anti-motim. Para debelar um motim precisa-se de pressão de ar e gás lacrimogéneo. Agora, quando te dizem para levar roquetes isso é guerra, e para mim não faz sentido.
P – Também já participou em manifestações? Porque é que levam armas com balas verdadeiras?
Agente – Quando se vai a um sítio para se manter a ordem contra um motim só tinha que ser com gás lacrimogéneo e pressão de ar, mas leva-se Makarov, leva-se AKM para com o gás lacrimogéneo afugentar a multidão e fazer demonstração. Em todas as manifestações tem que se fazer demonstração, tem que cair pessoas para aquilo parar, é como temos feito. Para as pessoas saberem que a próxima bala pode ser para mim, é aquilo que nós chamamos de demonstração.
P – Quer dizer que há entre vós um sentimento generalizado de revolta?
Agente – Uma das razões é que estamos a fazer um trabalho que não corresponde com aquilo porque nós juramos e também porque não nos pagam horas extras, porque nós somos solicitados a altas horas da noite ou de madrugada. Estamos a fazer coisas que não são aquilo que a lei manda. Até aí os nossos chefes ... nós pensamos que eles recebem mas não nos dão.
P – Qual foi a sua primeira operação?
Agente – A minha primeira operação foi em Nampula, na Rua dos Sem Medo, naquele ataque à residência de Afonso Dhlakama, na Rua das Flores. Íamos lá com ordens do Comandante (nome omitido); ele era o Comandante Provincial. Ele agora foi substituído pelo (nome omitido).
P – Quantos são vocês no vosso grupo?
Agente – Estou num grupo separado porque tem um grupo normal da Intervenção Rápida, e tem o grupo de acções especiais, que é o meu grupo. No meu grupo somos cerca de 50.
P – E o vosso alvo são os homens armados da Renamo?
Agente – É o que pensávamos, mas mais tarde fomos ver que não só eram eles porque há certos dias que vinham com fotos para fazermos certos trabalhos, mas só que aqueles já não aparentavam ser homens da Renamo.
P – Em Nampula?
Agente – Nampula é o sítio onde havia mais problemas. Porque para acabar aquilo ali em Nampula teve que se fazer o trabalho de porta a porta. Porque os líderes comunitários tinham o seu papel de identificar as pessoas; quem é o líder, quem é o delegado da Renamo. Então a gente ia lá... sem o líder, o líder só dizia aos homens do reconhecimento e o reconhecimento não abate quem abate somos nós das operações especiais.
P – Os teus colegas também estão descontentes?
Agente – Lá há muito descontentamento. Só que ali não se pode fazer o que... no meio de muitos estar a murmurar porque ali há muita gente que quer subir na base do outro. Pode ir dar informação.. uma informação dali dentro vale muito. Então ali há muito risco. O dinheiro é pouco, mas o risco é grande. Nós temos todas as provas que podem implicar muitos comandantes, porque são eles que dão as ordens.
P – Não teme represálias?
Agente – Para eu tomar a decisão de falar sobre isto é porque eu acabava de cumprir uma missão. Acabava de fazer um trabalho que todos nós saímos a murmurar; saímos mesmo mal, lesados, fomos atirar nas pessoas e nós saímos lesados. Fomos atirar mesmo nas pessoas.
P – Que operação foi?
Agente – Tivemos um trabalho... primeiro fomos a Tete. Então vinha um D4D, nós estávamos num sítio ali. Saímos com uns carros Prados fomos até a um sítio numa sombra onde tomamos refrescos e sumos. Apareceu um agente do SISE e disse a foto é esta aqui; uma foto bem grande. Este aqui quando aparecer vocês hã de ver; o movimento só hão de ver. De facto, ninguém nos disse. Vimos ele a vir primeiro já guarda costas ele estava no meio, e notou-se que este estava protegido. Saímos com ele, seguimos. O nosso carro avançou primeiro, ficou um outro Prado porque eram quatro Prados; ficou um Prado atrás um outro adiantou. Quando ele vinha foi bloqueado. Primeiro atiramos contra o ADC. O ADC deu um tiro para o ar mas ele foi atingido mortalmente. Logo que ele fez aquilo o carro foi bater num arbusto, e ele (o alvo) quando tentou sair foi mesmo à queima roupa. Daí saímos e apanhamos o voo e voltamos para Maputo.
Outro dia já fomos a Nampula fardados. Nós não fazemos isto porque gostamos de guerra. Não ganhamos nada. Vale a pena eles, ganham porque quando a gente mata, eles rebocam gado nos camiões; por exemplo, o meu comandante, o carro que está a andar com ele, é por causa daquele gado que se levou lá em Gorongosa. Nós não levamos nada. E um comandante lá também foi bem chantageado porque o dia que fomos queimar, tivemos ordens de queimar motorizadas, aquelas todas motorizadas da Renamo, nós a incendiar ele levou isolou aquela mota foi andar com ela, até hoje está a andar com aquela mota, Badjadja, uma mota vermelha, sem matrícula até... Comandante (nome omitido).
P – Esta Unidade de Intervenção Rápida onde você está já participou em manifestações? Porque levam armas com balas de verdade?
Agente – Quando se vai num sítio para se manter a ordem de motim só tinha que ser com gás lacrimogéneo e pressão de ar, mas leva-se makarov, leva-se AKM para com o gás lacrimogéneo afugentar e fazer demonstração. Todas manifestações tem que se fazer demonstração, tem que cair pessoas para aquilo parar, é como temos feito. Para as pessoas saberem que a próxima bala pode ser para ti, é aquilo que nós chamamos de demonstração.
P – Pode revelar-nos uma situação de motim onde usaram balas reais?
Agente – No dia em que fomos roubar votos em Nampula, em 2014. Ali na escola de Belenenses, escola secundária 12 de Outubro, escola secundária de Nampula, fomos de voo com homens do SISE, homens encasacados. Tem reconhecimento que ficam de tranças, tipo marginais, foram atribuídos tarefas vocês vão para lá fazer confusão por que os da Renamo têm influência. Para nós conseguirmos sacudir aqueles primeiro tiveram que ir lá colegas à paisana, que tinham tranças e roupas rasgadas, foram formar bicha e instigar, «a Frelimo aqui tem que perder » diziam e quando outro queria responder então armava-se confusão, é muito fácil de agitar macua. Depois ligaram-nos e disseram venham lá. Aí foi a Intervenção Rápida numa de que é legítima defesa e está a ir manter a ordem. Gás lacrimogéneo e fumaça, aquilo ficava escuro, levávamos as urnas nos blindados e íamos entregar homens do SISE que preenchiam Frelimo, Frelimo... Enquanto lá na escola continuávamos a disparar. Depois os carros saiam e entravam no meio da confusão enquanto eles estavam ali a preencher. OMM aquelas senhoras são malandras, estavam lá no quartel da Intervenção Rápida em Nampula cheias a preencher Frelimo, Frelimo... houveram pessoas que se fizeram de corajosos e aí o comandante disse agora batem quatro para eles verem que a coisa é séria.
P – Ao longo deste período o Governo tem dito que não quer guerra e até quer dialogar com o partido Renamo para se alcançar a paz, acha que vão entender-se?
Agente – Sabe qual é o problema é que lá no Norte é onde há riqueza, Dhlakama foi roubado nos votos mas ganhou. Eu não entendo a política só cumpro missões, mas eles não vão deixar Dhlakama governar.
ESTE ARTIGO FOI ESCRITO NO ÂMBITO DO PROJECTO DE MEDIA PARA O DESENVOLVIMENTO DE ÁFRICA DA VITA/Afronline( de Itália) E O JORNAL .
@VERDADE – 11.03.2016
(Esta entrevista saiu inicialmente no Semanário SAVANA nº 1157)
Em que estas a pensar? Pergunta o facebook...
Na triste sina de um país cujos cidadãos podem ser a qualquer momento abatidos como cães...
Meus sentimentos à família e aos colegas do Procurador Vilanculos. Meus sentimentos aos moçambicanos.

George Zacarias, Eduardo Salvador, Dercio Chicue e 387 outras pessoas gostam disto.
Comentários
Acrisio Pereira Victh
Acrisio Pereira Victh O nacional é abatido e o estrangeiro é deportado. Qual será nossa escolha relativamente ao exercício da nossa cidadania?
Eliminar
Gilder Anibal
Gilder Anibal EU PENSO que a carnifinina podera continuar enquanto os AUTORES estiverem SUPOSTAMENTE no controlo de quem SUPOSTAMENTE CONTROLA os SUPOSTOS tres (3) poderes do ESTADO (Judiciario, Legislativo e Executivo)!

"a maior derrota do ser humano, é quando aceita de ser transfomado em algo que não é". Gilder Anibal, 2015.

PORTANTO, nunca devemos deixar de LUTAR para a PAZ, JUSTICA, LIBERDADES FUNDAMENTAIS que pretendemos!
Eliminar
Kuyengany Produções
Kuyengany Produções A Pátria Chama por
Eliminar
Andre Jorge Chifeche
Andre Jorge Chifeche Faço das suas minhas palavras Gilder Anibal . Tudo disseste.
Eliminar
Gilder Anibal
Gilder Anibal CRM 2004, Garante e Responsabiliza quem e' de DIREITO a velar pela seguranca dos CIDADAOS!
Eliminar
Gilder Anibal
Gilder Anibal CRM 2004, Garante e Responsabiliza quem e' de DIREITO a velar pela seguranca dos CIDADAOS!
Eliminar
Acrisio Pereira Victh
Acrisio Pereira Victh Uma coisa são as garantias instituídas na constituição outra coisa e a insegurança do cidadão. O Estado é sim o guardião dessas liberdades e demais responsabilidade. Mais estamos numa situação em que reina a insegurança do nacional "cidadão".
Eliminar
Isaias Munguambe
Isaias Munguambe triste.
Eliminar
Angelo Maite
Angelo Maite
Eliminar
Moniz S. Walunga
Moniz S. Walunga Diz-se que qdo um regime esta' a beira do colapso usa sempre violencia para se manter um tempinho mais.
Eliminar
Nelton Adriano Cousin Monteiro
Nelton Adriano Cousin Monteiro Somos todos cidadãos e temos direito a vida e dignidade.
Eliminar
Pio Cassicasse
Pio Cassicasse Well come to the jungle
Eliminar
Afb Bila
Afb Bila Eu ja nem comento isso virou modus operandi do crime organizado,eles matam quem tenta atravessar seu caminho,e ja se sabe o que vem a seguir,blá blá blá estamos no encalce dos malfeitores e a proseguir com as investigações...
Eliminar
Naine Mondlane
Naine Mondlane Concordo plenamente contigo ilustre!!
Eliminar
Eduardo Santos Mapata
Eduardo Santos Mapata O país do pandza virou Texas...
Eliminar
Moniz S. Walunga
Moniz S. Walunga Eduardo Santos Mapata, nem no Texas e' assim!
Eliminar
DellaCerda Langa
DellaCerda Langa O regime sabe que o povo tem memoria curta e em breve tudo sera esquecido e a sentenca que e' boa o povo nao executta
Eliminar
Naine Mondlane
Naine Mondlane Assino em baixo ilustre. Kkkk
Eliminar
Stenio Semente
Stenio Semente AzAgAiA!!!
Eliminar
Fernanda Sampaio
Fernanda Sampaio É uma pena mesmo,como um ser humano pode se assemelhar a um animal,pork so um animal irracional e feroz faz aquilo,se calhar é melhor viver na floresta para ver quem mata quem,assassinos de merda!
Eliminar
Freddy Emerson Jamal
Freddy Emerson Jamal Frustrante!
Eliminar
Eduardo Santos Mapata
Eduardo Santos Mapata Ja despertamos olha só que horas são...que vão enganar os da imprensa enquanto tivermos internet e pouca sabedoria ja mais confiarei nestes assassinos do dia "ontem e hoje"
Eliminar
Andre Jorge Chifeche
Andre Jorge Chifeche Com este governo que controla tudo e todos seremos sempre como animais em que o dono so escolhe o animal a abater para comer.
Eliminar
Eusebio Jose
Eusebio Jose Triste cenario,nao acredito que este pais transformou se num...
Eliminar
Jose Waite
Jose Waite Desculpe estou desactualizado, mais um magistrado assassinado?
Eliminar
Freddy Emerson Jamal
Freddy Emerson Jamal Sim! Um Procurador
Eliminar
Jose Waite
Jose Waite Obrigado caro Freddy Emerson JamalPuxa pah, estes gajos sao mesmo carascos.
Porque nao abatem todo people ficam sozinho neste sitio aqui, porque de pais ja nao e nada, onde ate membro do proprio conselho nacional de seguranca do ESTADO e morto.
Eliminar
Freddy Emerson Jamal
Freddy Emerson Jamal Foi-se um colega!
Eliminar
Rui Retxua
Rui Retxua concordo prof isto esta mal, de tal forma que tornou-se perigoso andar com vida. Talvez deixa - la num local secreto para a posterior ir a rua/local de ocupacao diaria sem ela (talvez ser cadaver ambulante) e no final do dia, ir resgata - la discretamente para regressar com ela ao domicilio.
Eliminar
Naine Mondlane
Naine Mondlane Revoltante!!
Eliminar
Zito Tomas
Zito Tomas E o silêncio após esses actos é mais assustador ainda. RIP.
Eliminar
Delio Ernesto Massingue
Delio Ernesto Massingue Muito triste e lamentável. RIP
Eliminar
Jose Waite
Jose Waite Ha qualquer um e momento pode ser morto: " pode ser Jeremias, Macuane ou Lima, etc- José Jaime Macuane", In ponto de vista edicao 10/04/2016, esta ai a confirmacao.
Eliminar
Evaristo Macauzee Macauzee
Evaristo Macauzee Macauzee Será que ainda temos legitimidade para nos julgarmos um país?!
Se calhar, só por questões geográficas. ..
Eliminar
Jorge Jone
Jorge Jone O crime organizado tomou completamente conta do Estado. É ela que controla as instituições e garante que estejam a trabalhar a seu favor.
Eliminar
Zito Tomas
Zito Tomas Triste realidade.
Eliminar
Bruno Mello
Bruno Mello Rip
Eliminar
Dércio Micane Nhabanga
Dércio Micane Nhabanga Vamos orar pelo nosso pais não está bem....a força do diabo dominou o.
Eliminar
Vivi Mate
Vivi Mate Sentimentos a família. Muito triste!
Eliminar
Nelo Cambezo
Nelo Cambezo A vida do Moçambicano vale o humor do que tem a arma e a impunidade.

Não imaginei que pudéssemos ser tão marginais assim...
Eliminar
Calisto Malate
Calisto Malate RIP
Eliminar
Estevao Pangueia
Estevao Pangueia Triste e lamentável.
Eliminar
Carlos Paruque
Carlos Paruque " Quero governar um povo saudável e em paz"...from Nyusi, In Tomada de Posse!
Eliminar
Januario Mucavele
Januario Mucavele Custa-me acreditar que o nosso irmão espiritual na Paróquia Presbiteriana da Filadélfia jamais o verei aos domingos. Por motivos de serviço não pude lá estar no culto do último domínio que marcava mais um aniversário da paróquia. Irmão Vilanculos de certeza esteve lá para animar as actividades do dia. Este país me mete muito medo. Já que os assassinatos são comandados lá de cima da estrutura este será mais um para ser investigado eternamente. Descanse em paz mano Vilanculos, tentates fazer o teu papel neste mundo.
Eliminar
José Jaime Macuane
José Jaime Macuane Meus sentimentos pelo seu irmão, caro Januario.
Eliminar
Gulumba D. Mutemba
Gulumba D. Mutemba Este é o modelo angolano que deixou nyusi apaixonado . Em Angola as pessoas são mortas,são sequestrada,são torturadas ,em fim. Até a amnistia internacional já acusou o governo e a polícia angolana dessas atrocidades macabra.
Num futuro muito breve isto vai transformar se num Burundi e Ruanda,onde pessoas vão ter que se matar entre si,uma vez que a polícia é inútil.
Eliminar
Marques Picial
Marques Picial Triste e muito preocupante. Com este andar estamos mal.
Eliminar
Maitu Buanango
Maitu Buanango Mau e vergonhoso.
Eliminar
Ramalho Edson Paris
Ramalho Edson Paris Triste mas a verdade vem do seu jeito e a revolta do oprimido nao tarda a chegar fiquemos atentos. ..
Eliminar
Hanifa Chambe
Hanifa Chambe A iracionalidade do ser humano ate supera a dos Homens porque na selva os animais atacam uns aos outros por uma questao d sobrevivencia, aqueles actos violentos fazem parte da sua natureza(cadeia alimentar) e nos, que nos achamos racionais como explicar tanta violencia?
Eliminar
Carlitos Cadangue
Carlitos Cadangue Triste...
Eliminar
Boby Naci
Boby Naci Yahh,, isto estä de facto complicado.. Neste pais serä dificil cada um exercer condignamente as suas funçöes temendo balas na sua direcçäo.. Opahh
Eliminar
Beneficio Monjane
Beneficio Monjane Mto lamentevel
Eliminar
Adolfo Matule
Adolfo Matule Moçambique já é um estado falhado, as pessoas são assassinadas como se fossem ratos. O meu sentimento a família do procurador
Eliminar
Iva Melva Monjane
Iva Melva Monjane My biggest frustration its seeing my people completely ignoring whats going on in the country....it's ridiculous 😳😳
Eliminar
Luciano Frederico
Luciano Frederico Absolutely ridiculous.
Eliminar
Dércio Tsandzana
Dércio Tsandzana Triste, quando vejo essa publicação lembro-me do seu semblante carregado de tristeza e realidade com que falou das mortes que viraram algo natural/normal, onde não sabemos se manhã será "Macuane...Jeremias...Lima", ou seja quem for. Triste isto.
Eliminar
Julio Machava
Julio Machava Lamentavel a situação nossa, de facto estamos a viver momentos difíceis.
Eliminar
Uric Raul
Uric Raul O NOSSO PAIS ESTA A TORNAR-SE NUM PAIS GANGSTER, UMA "GANGSTERIZACAO" SEM LOGICA, SEM FUNDAMENTO (nunca havera), QUEM SAO OS LIDERES OCULTOS DESSAS GANGS? SE A POLICIA PEGA UM HOMEM COM ARVORE DE CANABIS EM CASA, COMO NAO CONSEGUE IDENTIFICAR E PRENDER OS GANGSTERS QUE MATAM E OS LIDERES QUE ENCOMENDAM? QUANTO PODER ELES TEM?
Eliminar
Ramalho Edson Paris
Ramalho Edson Paris Mais uma vez deixem me desabafar. Muitos falam acusam este e akele mas a verdade è uma no meu ponto de vista. Qual è a razao da correria em massa de altos dirigentes desta naçao em adquirir residencias na Africa do sul? Qual è a razao do presidente da republica dicidir falar com seu adversario politico e alguem o impedir alegando conversa com os do contra? Qual è a intencao dos que o impedem? Qdo se ira justificar ou como se ira justificar a divida que este pais tem se nao criando este tormento ao povo pacato? Meus caros è hora de sermos certos no pensamento e precisos na forma de agir. Sera que a renamo ja comecou a eliminar seus menbros como os outros fazem qdo este age a favor do povo? ???Hiiii dsclpem tava apenas a levar a cara para ver mais verdades. Bom dia
Eliminar
Vasco Bento Jose
Vasco Bento Jose É o principio do fim
Eliminar
Euclides Flavio
Euclides Flavio Já não faz nenhum sentido chorar porcausa de assassinatos no meu País, pois morre se quase todos os dias e morrem inocentes. A mim o que mais preocupa é o silêncio dos moçambicanos perante esses actos macabros. Morre se no mato, na cidade e se entende perseguem te no estrangeiro tal como fizeram com Ayoob. Um dia seremos julgados pelo silêncio. RIP Vilanculos.
Eliminar
Edy Tsakane
Edy Tsakane E os suspeitos são os mesmos de sempre!!!
Eliminar
Gulumba D. Mutemba
Gulumba D. Mutemba Paz a alma do senhor vílanculos.
Eliminar
Sansao Manjate
Sansao Manjate Meus sentimentos
Eliminar
Arsenio Ambrosio Boene
Arsenio Ambrosio Boene Muito triste...
Eliminar
Sambroera Fandanga
Sambroera Fandanga Very sad Dr.
Eliminar
Eu Acredite
Eu Acredite Professor José Jaime Macuane os batuques tocam e tocam e quem deve ouvir nao ouve!!!
Eliminar
Chengui Jaime
Chengui Jaime Paz à sua alma!
Eliminar
Herminio De Almeida Lipanga
Herminio De Almeida Lipanga Vai de mal a pior, estasse mal.
Eliminar
Joaquim Constantino
Joaquim Constantino Matar um procurador é tirar autoridade ao Estado...Já acompanhamos a morte de um Juiz de Instrução criminal nas mesmas circunstâncias. Estes crimes deixam um Estado em causa é construbui para não credibilidade. Mas a Polícia vai trabalhar ou deve para esclarecer mais um caso...
Eliminar
Euclides Da Flora
Euclides Da Flora muito triste isso! país inseguro
Eliminar
Eddy Waku Lombëla
Eddy Waku Lombëla Caro Prof. J. Macuane eu alinho na ideia do #Ka #Munanga é urgente os intelectuais e a sociedade civil n geral todos ns unirmos para travarmos este terrorismo cm o qual somos brindados todos os dias, e digo mais é melhor hoje pork amanhã será tarde, o nosso país está sem dirigentes neste momento, o que temos é uma quadrilha d amigos terrorristas para satisfazerem as suas vontades e emoções. Vamos paralisar o País é urgente meu povo. Que a alma do dr. Vilanculos dscanse na paz d Deus
Eliminar
Luciano Frederico
Luciano Frederico Revoltante, ao extremo.
Eliminar
El Patriota
El Patriota Sociedade Civil? Qual Eddy? Temos sociedade civil neste país???
Eliminar
Silvestre Joaquim
Silvestre Joaquim " cada povo tem o governo que merece"
Eliminar
Ledzpires Pires
Ledzpires Pires
Eliminar
Luciano Frederico
Luciano Frederico Ma's ilustre José Jaime Macuane onde se vai parar com esta situacao? Que esta por DE traz disto tudo?
Haja Deus acima de tudo.Pesames as familias
Eliminar
Estacio Valoi
Estacio Valoi Jose Jaime José Jaime Macuane. Por pouco pensei que tivesse acordado no Mexico ou Colombia. Mas nao. Mocambique desgovernado , digo sem um governo autonomo conforme o cenario. Mortes , assassinatos inexplicaveis ' estamos a trabalhar no caso'. te quando tamanha anarquia ? Parece me que o povo vai se contentando com o que ve. Triste !
Eliminar
Wilson Profirio Nicaquela
Wilson Profirio Nicaquela Parece anedota sempre que um se vai assassinado coloca-se a mesma pergunta: Quem será o próximo? É a resposta não tarda.....
Eliminar
Amir Nunes Muze
Amir Nunes Muze noutros contextos, o comandante geral da PRM e o ministro do interior, seriam convidados a se pronunciarem e a esclarecerem as razoes que estão em volta dos sucessivos crimes, e parece que os alvos mais aliciantes da actualidade, são os que tem ideais adversas ao sistema e os que procuram se reger pela lei ou pela constituição, sem se guiar pelas ideologias, paixões ou cores partidárias, mas aqui na republica das bananas, ja estamos acostumados a conviver com a criminalidade e ate agradecemos aos políticos, quando conseguimos acordar em redor dos nossos bens, frutos de muito sacrifício.
Eliminar
Constantino Joao
Constantino Joao Se propor convite para o ministro do interior se pronunciar no parlamento, de certeza que a Banca da Frelimo vai chumbar a esse pedido. Chumbaram a proposta para criação da comissão de inquérito para averiguar a situação da EDM, EMATUM, MCEL e por último a situação dos refugiados no Malawi.
Eliminar
Euclides Flavio
Euclides Flavio Noutros contextos o ministro do interior devia se demitir.
Eliminar
Amir Nunes Muze
Amir Nunes Muze sera que e possível, convivermos juntos na igualdade com a diferença?
Eliminar
Sergio Sitoe
Sergio Sitoe coitado dos inocentes nesse estado de natureza. cuja sociedade paga pela ganância desmedida dos poucos.!!
Eliminar
Felismino Santos Santos
Felismino Santos Santos Quando no Domingo antevia mais um assassinato ocorre no dia seguinte, isto virou um gangsterismo, ia dizendo que ninguem sabia o o que ia acontecer com fulano x ou y infelizmente parece me que ha mapeamento para silenciar vozes. Ministro e Comandante Geral devem demitir-se se têm moral suficiente para com a pátria que dizem defender.
Eliminar
Diodata Venancia Cumbula Timba
Diodata Venancia Cumbula Timba E triste e revoltaste parece que há gente que quer tornar este belo país numa selva, onde a morte é algo banal, onde as pessoas estão a tornar se insensíveis, e triste
Eliminar
Moniz S. Walunga
Moniz S. Walunga Diodata Venancio Cumbula Timba, e' por essa razao que endividaram o Pais na compra de armamento: para destruirem a todos que os ousarem a ter ideias diferentes deles! Querem que toda gente viva com medo e aceitar tudo o que fazem de mau nedte Pais! Por outras palavras, querem implantar o fascismo, tal como na Koreia do Norte e fazer e desfazer das riquezas deste Pais sem que haja ninguem a opor-se a sua autoridade gangscista.
Eliminar
Ibraimo Assamo
Ibraimo Assamo Triste cenário, estamos numa terra onde os cobardes ficam nos gabinetes a ordenarem ataques dos inocentes, até faz me lembrar a teoria do"desenvolvimento das espécies" que enfatiza nos que somente os seres mais fortes e poderosos é que sobrevivem na selva. Iste país está um terror autêntico.
Eliminar
Eugenio Mabunda
Eugenio Mabunda Se perguntar não ofende.... afinal as armas que semeiavam terror na cidade e provincia de maputo não eram aquelas que foram recolhidas na residência do líder da Renamo na Julius Nyerere...? se sim, então de onde vem as que foram usadas para executar o magistrado...?
Eliminar
Andre Jorge Chifeche
Andre Jorge Chifeche Os que recolheram aquelas armas sao eles que estao as usar para crimes
Eliminar
Gildo Abrao
Gildo Abrao País de pandza, quem pensa diferente ó pandziwa!
Eliminar
Gildo Abrao
Gildo Abrao D.E.P.
Eliminar
El Patriota
El Patriota Bota cães, nisso professor! Paz a alma do procurador Vilanculos...
Eliminar
Dias Tembe
Dias Tembe Paz a sua alma. Só desejo que esses carnificinas sejam encontrados e responsabilizados pelos atos por ele cometidos e que também sejam encontrados os seus mandantes.
Eliminar
Cremildo Macamo
Cremildo Macamo Pois é professor, voltamos para o Estado de Natureza.
Anárquico
Eliminar
Juma Basilio
Juma Basilio Isto vai de mal a pior... Esperemos pelo "ESTAMOS A TRABALHAR para esclarecermos este caso"...e nunca mais
Eliminar
Elcidio Fernando
Elcidio Fernando Ta mau isso
Eliminar
Luísa Samuel
Luísa Samuel Paz a sua alma.Amem
Eliminar
Vitó-Dj Nhancume
Vitó-Dj Nhancume Ámen.
Eliminar
Jaime Bambo
Jaime Bambo Os cães também merecem o nosso respeito. Meus sentimentos á familia!
Eliminar
Ginho Nhancume
Ginho Nhancume Nem cães deveriam ser abatidos desta forma...
Eliminar
Fernando J. Inacio
Fernando J. Inacio No programa Pontos de Vista da STV do Domingo passado dia 10 de Abril de 2016, o Professor José Jaime Macuane chamou atenção a quem de direito para esta realidade. Infelizmente podemos “tocar todos batoques deste país, ninguém ouve”.
Eliminar
Humberto Vilanculos
Humberto Vilanculos pode se abater um homem. mais jamais se pode abater os seus ideias. mataram jesus. mas não mataram o cristianismo...
Eliminar
Cristina João Mondlane
Cristina João Mondlane Triste mesmo,onde chegaremos com tanta barbaridade meu Deus.
Eliminar
Gilberto Lawrence Gadaga
Gilberto Lawrence Gadaga Silenciar a justica, as voces.estamos diantes de um estado criminaliado, um terrorismo.
Eliminar
Dinis Nhancume
Dinis Nhancume triste sina a nossa...
Eliminar
Albertina Langa Chipondene
Albertina Langa Chipondene Muito triste a situação do nosso país. minhas condolências a família ilutada. paz a sua alma
Eliminar
Gilberto Lawrence Gadaga
Gilberto Lawrence Gadaga Professor José Jaime Macuane. estamos diante de um estado criminalizado ou criminal, in terrorismo...a relacao entre o poder,acumulacao de capital,e varias actividades ilicitas esta a constituir uma crescente normalizacao e o modo dominante.... Ja dizia jean francois Bayart "o banditismo, a guerra nao sao necessariamente ameacas a formacao ou existencia de um estado.eles podem, ao contrario, facilitar a sua centralizacao".
Eliminar
Xicossi G Simbine
Xicossi G Simbine Infelizmente Dr este país é uma desgraça. .....
Eliminar
Jeronimo Pelembe
Jeronimo Pelembe o problema 'e que o unico que sai a rua pra protestar contra estas praticas desde os anos oitenta 'e o nosso grande lider Dlakama.
Eliminar
Jeronimo Pelembe
Jeronimo Pelembe Mocambicanos e Mocambicanas estamos a acabar. digamos em viva voz chega.
Eliminar
Arao Rivas Maposse
Arao Rivas Maposse lamentavel ser mocambicano, lamentavel ser um sdr humano isto ja nao da alguma coisa devemos fazer
Eliminar
Arao Rivas Maposse
Arao Rivas Maposse lamentavel ser mocambicano, lamentavel ser um ser humano! isto ja nao da , alguma coisa devemos fazer!!
Eliminar
Aléxia Gamito
Aléxia Gamito Os meus sentimentos. A tua dor é a minha.
Eliminar
Renato Colaco
Renato Colaco Paz a sua alma
Eliminar
Vitor Batista Chiconela
Vitor Batista Chiconela O pais da marrabenta esta indo de mal a pior, meu irmao!
Eliminar
Aisha Chadreque
Aisha Chadreque Em suas mãos Senhor entregamos nossas vidas
Eliminar
Alexandre Barroso Rafael
Alexandre Barroso Rafael José Jaime Macuane, è preocupante o rumo que o país está a levar, estamos vivendo uma "selva cidade" que a morte espreita a qualquer um...não sabemos quem será a próxima vítima! A sensação com que fico estamos indo de mal a pior...
Que o senhor conceda eterno descanso ao Procurador Marcelino Vilanculos
Eliminar
Jinho Zibia
Jinho Zibia E muito triste, um pai, filho meu irmão mas novo sai para trabalhar e não volta ao convívio da família na entrada de casa meus Deus!? ISTO ESTA MUITO MAL.
Eliminar
Dany Nhone
Dany Nhone Lamentavel
Eliminar
Candinha Uanela
Candinha Uanela Infelismente, esta é a triste realidade vivida no nosso belo Moçambique, em que as armas viraram brinquedos nas mãos de quem as tem semeando luto nas famílias...coisas de vergonha!
Eliminar
Melo David Mogoa
Melo David Mogoa Meu carro, nós os cidadãos comuns não temos nada a temer, mas os filiados em partidos políticos.....aiaiaiai
Eliminar
Antonia Chicumbage
Antonia Chicumbage Paz a sua alma.os meus sentimentos á familia!
Eliminar
Carlos Edvandro Assis
Carlos Edvandro Assis A justica demora mas sempre um dia chegara!... Recorde-se meus caros discipulos da FRELIMO, nao existe no mundo inteiro maior FORTALEZA que o POVO. A esta FORTALEZA (Povo Mocambicano) voces nao consiguirao destruir e o tempo vos provara isso.
Eliminar
Marizete Langa
Marizete Langa
Eliminar
Viriato Eugenio Mate Mate
Viriato Eugenio Mate Mate Triste realidade.
Eliminar
Carlos Edvandro Assis
Carlos Edvandro Assis Na verdade, chega da nossa passividade. Sao 41 anos que temos estado a engolir sapos destes discipulos da FRELIMO. Mas tenho dito o POVO é uma FORTALEZA e esta congregacao da FRELIMO nao vai conseguir destruir esta FORTALEZA que é o POVO Mocambicano. Ate os Portugueses (colonialismo) que reinou 500 anos nao conseguiram destriur as fortalezas que eles mesmo construiram para oprimir o POVO MOCAMBICANO.
Eliminar
D C Batone Batone
D C Batone Batone A incapacidade do Estado em garantir a segurança para seus cidadãos é um sintoma do vírus da CRISE que o país está enfrentando, mesmo que ninguém queira assumir.
Eliminar
D C Batone Batone
D C Batone Batone Estamos em CRISE.
Eliminar
Estevao Muchava
Estevao Muchava Triste situação vivida no meu país!
Eliminar
Adamo Abdala
Adamo Abdala O país não está mal, algumas pessoas o tornam o mal. Já dizia o Presidente Samora "Um ambicioso é capaz de tudo", é o que estamos a assistir nestes últimos anos. O puder Judicial deve ser livre do Poder político, só assim iremos ver operação lava jato a moda moçambicana.
A luta continua.
Eliminar
Adamo Abdala
Adamo Abdala "Fazer da educação uma base para o povo tomar o poder" Samora Machel
Eliminar
Sérgio Saete
Sérgio Saete Este andar de coisas, um dia vai acabar mal para alguns ambiciosos. Não vai tardar

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook