terça-feira, 19 de abril de 2016

“A culpa não pode morrer solteira”- Direito de resposta de Sérgio Vieira, 25 de Outubro de 2013

Sob o título em epígrafe, foram publicados nas últimas três semanas, neste jornal, uma série de artigos da autoria de Silvestre. Sobre o assunto, o nosso colaborador Sérgio Vieira enviou-nos a carta seguinte que passamos a transcrever na íntegra:
“Ex.mo Senhor Jorge Matine
Director do semanário domingo
Senhor Director,
Faz mais de duas décadas que semanalmente colaboro com o vosso semanário. Pareceu-me globalmente correcta a linha editorial do domingo.
Devo todavia reconhecer que, de há uns tempos para cá e contrariando os princípios do jornal, surgem artigos com sérias conotações racistas e tentativas de pôr em causa a honra e dignidade de veteranos e fundadores da FRELIMO, com base na cor da pele. Mais grave e não muito normal, elesreproduzem artigos já publicados em pasquins de terceira ordem.
Tentam esses artigos fazer de um Homem fundamental da nossa História, o saudoso Presidente Samora Machel um títere manipulado por meia dúzia, se tanto, de mestiços e militantes de ancestralidade goesa.
No último artigo a páginas 31 da vossa edição de 20 de Outubro vai-se ao ponto de insinuar que esses mesmos mestiços e goeses estavam implicados em negociatas sujas de traficância de pedras preciosas e semi-preciosas . O meu nome, com os do Camarada Marcelino dos Santos, Jorge Rebelo, Óscar Monteiro e até o do finado Aquino de Bragança, surge como um dos elementos que:
·        Estaria na origem da demissão de vários ministros, incluindo o actual Presidente Guebuza, Mariano Matsinhe e o falecido José Carlos Lobo.
·        Estaria envolvido na negociata das pedras.

Senhor Director, sem dúvida que pertenço a um grupo étnico altamente mestiçado, como quase todos os moçambicanos. Duvido que dos exames do ADN provem a pureza étnica não mestiça de qualquer cidadão nosso, por mais escura que se mostre a sua tez.
Nunca mudei de etnicidade ou cor da pele, e sempre me aceitaram como moçambicano a 100%, desde a fundação da FRELIMO em 1962. Fiz parte com muitos outros daqueles que apoiaram o Presidente Mondlane a unir o movimento nacionalista naquele momento crucial da Pátria.
Sem dúvida que Mondlane se mostrou um campeão da unidade nacional e do não racismo na FRELIMO.  Mestiços, gentes de origem asiática ou europeia jamais conspirariam contra Mondlane, antes pelo contrário!
Obviamente que Samora, que sempre batalhou pela unidade nacional e o não racismo, jamais poderia tornar-se alvo de mestiços,  gentes de origem asiática ou europeia, antes pelo contrário!
Firme e categoricamente e sem qualquer reserva repudio a insinuação de:
·        Haver conspirado para que o Presidente Samora demitisse quaisquer ministros ou dirigentes.
·        Ainda há dias estive com o camarada Mariano Matsinhe que comigo tece relações muito amigas faz mais de cinquenta anos e que perentoriamente declarou que estava pronto em tribunal e sob juramento a desmentir a infâmia insinuada.
·        Residindo então em Niassa só soube e muito mais tarde dos problemas ocorridos no Ministério dos Recursos Minerais, que aliás, e em tribunal, se verificou inexistentes.
Considero uma calúnia infame insinuar-se que directa ou indirectamente estive alguma vez associado a negociatas e tranficâncias de pedras preciosas, semipreciosas ou quaisquer outras.
·        Porque a provar-se esta afirmação estaria a cometer um crime, reservo-me o direito de nas instâncias judiciais exigir a ilibação do meu nome.
·        Requeiro que nos termos da Lei domingo publique esta resposta e saiba pedir desculpas, de outro modo também levarei o semanário à tribuna e contra o meu gosto.
Até hoje não possuo qualquer tipo de fortuna, recebo a minha pensão legal e além da minha casa, de uma modesta exploração agrícola, um carro em segunda mão, uma pequena conta bancária e alimentada pela pensão, nada possuo de significativo. Que isto fique e bem claro.
Sérgio Vieira
Maputo, 25 de Outubro de 2013
Cc
Banco de Moçambique (proprietário)
Conselho Superior da Comunicação Social
- Direito de resposta de Sérgio Vieira

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook