segunda-feira, 14 de março de 2016

Turquia bombardeia PKK no Iraque depois de atentado em Ancara

Governo diz que um dos bombistas suicidas do ataque contra civis no centro da capital era uma mulher do PKK e lança operações de segurança em várias cidades curdas.
A polícia científica trabalha na zona da explosão de domingo ADEM ALTAN/AFP
A Força Aérea turca bombardeou bases do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão) no Norte do Iraque, em resposta ao ataque suicida de domingo em Ancara, que matou pelo menos 37 pessoas e deixou mais de cem feridos. Responsáveis da segurança dizem que um dos dois suicidas era uma combatente do PKK.
Segundo o Estado-maior turco, os 11 aviões de combate envolvidos nos raides contra o Curdistão iraquiano visaram principalmente alvos nas montanhas de Candil, onde estarão os chefes rebeldes do PKK, e Gara, atingindo abrigos e depósitos de munições. O PKK confirmou os bombardeamentos.
O ataque de domingo, com uma viatura armadilhada, não foi reivindicado. Mas, tal como habitualmente, o Governo turco foi rápido a atribuir responsabilidades aos combatentes curdos – foi já declarado o recolher obrigatório em três cidades do Sudeste, Sirnak, Yuksekova e Nusaybin, e de imediato foram lançadas novas operações do Exército numa região devastada por meses de confrontos.
Em Adana, no Sul, 36 suspeitos de serem membros do PKK foram detidos. Em Yuksekova, junto à fronteiras com o Iraque e com o Irão, há 20 mil soldados e polícias envolvidos numa enorme operação. Já há habitantes em fuga tanto de Yuksekova como de Nusaybin, onde entraram durante a manhã muitos tanques e veículos blindados. Dezenas de milhares de pessoas já tinham fugido das suas casas desde o início do ano e muitas pessoas morreram.
Ainda no domingo à noite membros do Governo apontaram o dedo à milícia curda síria YPG (Unidades de Protecção do Povo), supostamente apoiada pelo PKK. Os dois grupos rejeitaram qualquer envolvimento. E o partido curdo turco, o HDP (Partido Democrático do Povo) condenou o ataque, afirmando partilhar “a enorme dor sentida pelos nossos cidadãos”.
Mas responsáveis dos serviços de segurança dizem que havia duas pessoas no carro que explodiu junto a um autocarro municipal perto dos ministérios da Justiça e do Interior, incluindo uma mulher membro do PKK. Seher Cagla Demi, terá nascido na cidade de Kars em 1992 e seria membro do movimento desde 2013. Foi identificada pelas impressões digitais; uma das suas mãos foi encontrada a 300 metros do local da explosão.
Historicamente, o PKK dirige os seus ataques contra as forças de segurança nas cidades do Sudeste onde se concentram as operações militares e diz que não ataca civis na guerra civil que opõe o grupo ao Estado turco desde 1984.
Mesmo nos últimos meses, com o colapso, em Julho, do cessar-fogo de dois anos e meio, os separatistas continuaram concentrados em combates contra o Exército nas zonas do Sudeste que têm estado sob recolher obrigatório. Os grandes atentados do último ano em Istambul e Ancara foram atribuídos pelo Governo a uma aliança de curdos com o autodesignado Estado Islâmico, mas o PKK não reivindicou nenhum.
O Estado Islâmico esteve por trás de pelo menos quatro atentados bombistas desde Junho de 2015, incluindo o ataque que matou dez turistas alemães no centro de Istambul, em Janeiro.
O último atentado na capital, há menos de um mês, aconteceu na mesma zona da explosão de domingo, mas teve como alvo um autocarro que transportava soldados. Um pequeno grupo dissidente do PKK (Falcões da Liberdade do Curdistão) reclamou a autoria do ataque de 17 de Fevereiro, mas o Governo identificou um membro das YPG como o autor.
Antes da entrada em vigor da trégua síria, a 27 de Fevereiro, a Turquia estava a lançar ataques diários contra posições dos curdos na Síria, tentando evitar que a milícia que os Estados Unidos consideram o seu principal aliado na luta contra os jihadistas conquistasse mais território junto à fronteira.
Um responsável ouvido pela Reuters diz que os explosivos de domingo eram idênticos aos de Fevereiro. A bomba estava cheia de pregos e munições que se espalharam com a explosão, aumentado o impacto e os ferimentos causados. A Praça de Kizilay, mesmo nome do bairro, está encerrada à circulação e a polícia científica permanecia lá esta segunda-feira.
Depois do terceiro ataque desde Outubro na capital, o Presidente turco afirmou que “a luta contra o terrorismo vai certamente acabar em sucesso e o terrorismo será posto de joelhos”. Num comunicado, Recep Tayyip Erdogan diz que “os terroristas” atacam os civis por estarem a perder terreno no confronto com as forças de segurança.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook