quinta-feira, 3 de março de 2016

Rodrigo foi morto por ter roubado dinheiro ao padrasto para comprar um telemóvel


Autópsia, realizada nesta quinta-feira, confirmou que jovem morreu por estrangulamento, mas não da forma que inicialmente se pensava.



Um simples telemóvel. Terá sido a compra de um aparelho de comunicação, com dinheiro roubado ao padrasto, que terá estado na origem do desentendimento que resultou no homicídio do jovem de 15 anos que estava desaparecido desde a semana passada e foi encontrado já sem vida nesta quarta-feira num descampado junto à casa onde vivia, em Portimão, no Algarve.
Rodrigo queria um telemóvel que custava umas centenas de euros, mas nem a mãe nem o pai, ambos desempregados, estavam em condições de lho dar. O adolescente, apurou o PÚBLICO, terá então decidido roubar dinheiro ao companheiro da mãe, um brasileiro que estava igualmente desempregado, mas que há meses realizava trabalhos ocasionais para amealhar algum dinheiro para amparar o seu regresso ao Brasil. 
O jovem chegou a comprar o telemóvel, tendo o padrasto ficado furioso quando descobriu que o tinha adquirido com o seu dinheiro. A Polícia Judiciária (PJ) acredita que foi este episódio, numa relação já tensa entre o companheiro da mãe e Rodrigo, que terá estado na origem do homicídio, que terá ocorrido na segunda-feira, 22 de Fevereiro, o dia em que o padrasto do rapaz regressou ao Brasil.
A autópsia, realizada esta quinta-feira no gabinete médico-legal do Barlavento Algarvio, confirmou que Rodrigo morreu por estrangulamento. A análise permitiu, contudo, excluir que os fios eléctricos encontrados à volta do pescoço tenham causado de facto a morte do jovem. Os vestígios deixados no corpo apontam para que o estrangulamento tenha sido realizado apenas com a força de um braço, colocado à volta do pescoço do menor.
Ainda não é claro onde ocorreu o assassinato, já que a polícia não encontrou vestígios de crime em casa de Rodrigo, onde este vivia com a mãe, o companheiro desta, e um bebé de seis meses, filho de ambos. No entanto, fontes policiais sublinham que a forma como o crime terá ocorrido não permitiu deixar vestígios significativos. A Polícia Judiciária mantém a convicção de que o jovem terá sido morto entre a casa onde vivia e o local onde o seu corpo foi encontrado, a umas centenas de metros da sua habitação. Admite ainda que o cadáver tenha permanecido esta semana e meia naquele terreno, sem que as buscas entretanto realizadas o tenham detectado.
Nos últimos dias, enquanto procurava o rapaz, a PJ chegou a falar pelo telefone com o suspeito, que tentou desmontar a imagem de Rodrigo como um rapaz bem comportado. Desde então não voltou a contactá-lo e, se este se mantiver no Brasil, poderá permanecer em liberdade. Isto porque Portugal não possui acordos de extradição com o Brasil que permitam sujeitar à justiça portuguesa cidadãos de nacionalidade brasileira.
Restam assim duas opções às autoridades nacionais: julgar o suspeito à revelia e emitir um mandado de captura internacional, esperando que o homem saia do Brasil; ou remeter os elementos de prova à justiça brasileira e deixar que sejam as autoridades daquele país a acusar e julgar o companheiro da mãe de Rodrigo.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook