domingo, 27 de março de 2016

Moro e Marinho, o anoitecer indesejável



O trinômio formado pelo juiz Sérgio Moro e pelas famílias Civita, Marinho e Frias não é um fenômeno novo, um raio em céu azul

Por Gilson Caroni Filho – do Rio de Janeiro
Creio que já passou da hora de parar de nos refugiamos em uma espécie “ilha da fantasia”. Não adianta esbravejar que Aécio, Serra e outros parlamentares da oposição são corruptos. Disso todos sabem, até mesmo aqueles que, seletivamente, os poupam de xingamentos. O que devemos nos perguntar é por que o cartel midiático, como intelectual orgânico do grande capital, conseguiu impor ao conjunto dos estratos de classe média a direção política e cultural da extrema-direita? Coesioná-los no ideário fascista.
Manifestantes pró-golpe reúnem-se em frente à Fiesp, sede da extrema-direita no Brasil.
Manifestantes pró-golpe reúnem-se em frente à Fiesp, sede da extrema-direita no Brasil.
Tivemos inúmeras possibilidades de democratizar a imprensa, mas dela ficamos esperando uma conversão agostiniana. É verdade que há um golpe em andamento e um judiciário perigosamente partidarizado. Mas isso não se combate com adjetivações fáceis ou rompantes voluntaristas.
O que perdemos foi a possibilidade de articular propostas contra-hegemônicas por ausência de reformas estruturais, por alianças e concessões que nos tornaram, aos olhos de uma ampla parcela da população, muito semelhantes aos que consideramos nossos adversários políticos. E sempre que critiquei esta estratégia fui alertado de que estava ignorando a “correlação de forças”, Sempre destaquei a importância de governar com os movimentos sociais e dialogarmos com as novas gerações. Muitos endossaram a escolha burra de confinar o jogo político no campo institucional. Não é preciso ir muito longe para saber que este é o caminho mais distante para construirmos um campo contra-hegemônico às narrativas produzidas em aquários onde habitam espécies híbridas, nascidas no conluio entre o mercado e as redações do retrocesso político.
Todo cidadão tem direito a expressar a sua discordância quanto a medidas tomadas por qualquer governo. Esta é a essência da democracia. Mas quando um juiz federal grampeia ilegalmente a presidente da República, e vaza a conversa para uma emissora de televisão, qualquer vestígio de apreço à legalidade desaparece,
O que o Grupo Globo praticou, ontem, no site do seu jornal e no noticiário das emissoras televisivas, que operam sob regime de concessão pública, está previsto no artigo 287 do Código Penal: ” Fazer, publicamente, apologia de ato criminoso ou de seu autor”.

Moro e o golpe

Outro aspecto importante deve ser ressaltado. Quando se fala em regular a radiodifusão, não há nenhuma proposta de censura, como alardeiam os donos da mídia hegemônica e seus capatazes na redação. Trata-se apenas de submeter a comunicação eletrônica ao que está previsto na Constituição Federal. Leiam os artigos 220, 221 e 223. O primeiro deles proíbe a existência de monopólios ou oligopólios.
Se, como diria Clemenceau, a guerra é muita séria para ser assunto exclusivo de militares, a preservação da nossa democracia, tão duramente reconquistada, não pode ficar à mercê dos achismos de colunistas amestrados e de juristas de algibeira.
É bom lembrar também que a autonomia do Ministério Público foi garantida na Carta de 1988, mas somente efetivada em plenitude a partir do primeiro governo Lula. Mas não cabe aos procuradores ultrapassarem os limites da legalidade, colocando suas preferências ideológicas acima do respeito às normas legais, éticas e imperativas em um Estado democrático.
O trinômio formado pelo juiz Sérgio Moro e pelas famílias Civita, Marinho e Frias não é um fenômeno novo, um raio em céu azul, mas a longa persistência de vontades que sonham com a volta do anoitecer que nega ao dia a possibilidade de trazer o novo. É preciso retomar as ruas com um projeto político. É fundamental proclamar a grande recusa à farsa que se constrói como força.
Gilson Caroni Filho é professor de Sociologia da Facha(RJ), colunista do Portal Vermelho e colabora com o Correio do Brasil

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook