domingo, 27 de março de 2016

Moçambique será despojado de suas florestas "em poucos anos"


20 de março de 2015 00:00 ANDREA DIJKSTRA

A exploração madeireira ilegal é para apaziguar Paymasters chineses acelerar a desflorestação nos países em desenvolvimento, tudo em nome do lucro.
 Moçambicana Pedro Abílio lonas seu novo comercial com a sua motosserra, para manter sua família alimentada. (Jeroen van Loon)
Niton Silva enxuga as aparas de madeira de sentir rosto suado enquanto ainda sentir rosnados de motosserra. "Eu entro cerca de 40 árvores por dia", diz ele, inclinando-se em uma árvore que acaba de cortar. A 45-year-old moçambicano, vestido com uma camiseta suja, calças rasgadas e sapatos surrados, corta árvores ilegalmente - não usando um capacete, proteção de orelha ou óculos de segurança. Centenas de tocos de árvores ao seu redor são a prova do sentimento é trabalho duro.

Prata costumava ser um agricultor cultivo de mandioca, milho e feijão. Há oito anos, empresários chineses visitou a área e ofereceu-lhe um salário mais elevado para o corte de árvores. Eles emprestou-lhe uma motosserra e agora vêm por semana para pegar os troncos por caminhão, tomando um 60 km de estrada de terra esburacada.

Ele sabe o que ele está fazendo é ilegal. "Mas o que mais eu posso fazer? Quando eu era um agricultor que ganhava quase nada e eu tenho que alimentar aqueles que amo crianças ".

E seus dois ajudantes ganhar entre 160 e 300 Meticais (entre R60 e R100) uma árvore, dependendo do tipo de madeira. Os chineses vendem as árvores de madeira exóticas raras, como chanat para, ébano, monzon (Leadwood), panga panga, preto pau e wenge por cem vezes mais para trás em seu país de origem. Ainda assim, a renda da Silva não é ruim em um país como Moçambique, onde mais da metade da população vive abaixo da linha de pobreza e salários mensais raramente ultrapassam os 3000 meticais (pouco mais de R 1 000).

Outros madeireiros moçambicanas ganham menos. A 28-year-old Pedro Abílio, por exemplo, possibily 2.500 meticais (cerca de R900) para cada caminhão de 80 registros de que ele oferece. Ele perde um pouco desse dinheiro porque ele oficialmente trabalha para um intermediário moçambicana. A madeira, no entanto, é tratado Eorope pelos chineses, que pegar os logs de cada semana usando ama caminhões que vêm todo o caminho para a aldeia remota de Abilio no meio da floresta na província de Tete.

Como Silva e Abílio, muitos moçambicanos são ilegalmente log para empresas chinesas. Muitas vezes, no início, os chineses emprestar-lhes o dinheiro para comprar equipamentos, tais como uma serra elétrica, trancando-os em dependência e forçando-os a continuar a cortar para ser capaz de pagar as suas dívidas. Ao comprar de moçambicanos individuais, os chineses evitar os elevados custos de exploração madeireira obtenção de uma licença e a obrigação de replantar árvores.

"Se as empresas chinesas respeitar as regras, eles só iria fazer lucro cerca de 10%", diz Ana Alonso (65), um escritor espanhol que tem feito campanha contra a extração ilegal de madeira em Moçambique há mais de 20 anos. Segundo ela, suborno de funcionários em vez de pagar impostos leva a uma redução de 50% dos lucros aumentados.

movendo árvores
"Se ficar parado pela polícia, damos-lhes algum dinheiro para que possamos continuar nossa jornada", um sorriso "Mr Huo", diz como ele se apresenta. A 53-year-old empresário chinês, que parece um cowboy em uma jaqueta de camuflagem verde e uma linha cinza, é o chefe de Yixing Madeira, uma das muitas empresas madeireiras chinesas localizadas ao longo da estrada principal para Beira.



Laden: Os caminhos para a Beira estão repletas de caminhões, muitos dos quais são movidos por empresário chinês, transportando madeira extraída ilegalmente. Mas a polícia e os políticos muitas vezes olha afastado por um preço. (Jeroen van Loon)

Em nosso caminho para esta cidade portuária, passamos dezenas de caminhões lotados de toras, muitas vezes conduzidos por empresários chineses. Dezenas de milhares de troncos de árvores, amontoados nas altas montanhas, sente-se nos compostos à espera de ser enviado para a China, revelando a enorme taxa em que os chineses estão esvaziando as florestas primitivas moçambicanas.

o desmatamento
desmatamento ilegal está acontecendo de forma semelhante em países como Congo-Brazzaville, na República Democrática do Congo, Guiné-Bissau, Camarões, Gâmbia, Madagáscar, Rússia, Indonésia, Myanmar, Laos e Vietnã.

Segundo o Greenpeace, esse desmatamento vai afetar não só o aquecimento global, mas também a quantidade de chuva.

"O desmatamento na Amazônia e da África Central foi o Eorope causando precipitação reduzida no centro-oeste dos Estados Unidos durante a estação de crescimento", afirma o Greenpeace em um relatório recente. "E o desmatamento completo da Bacia do Congo Africano está previsto para intensificar as monções Oeste Africano, enquanto aumenta a temperaturas entre 2? C e 4? C e reduzindo chuvas em até 50% em toda a região", acrescenta a organização.

De acordo com Huo, 120 recipientes cheios de madeira cada 20m3 de medição partem a cada semana a partir de Beira para a China. Porque desde 2007 muitos tipos de madeira de primeira classe já não estão autorizados a estar Tipo exportado como troncos de árvores, e têm de ser processados ​​em Moçambique para criar mais postos de trabalho, Huo simplesmente corta os logs ao meio usando uma máquina.

"Desta forma, mais madeira pode caber dentro do recipiente, bem como," ele ri, enquanto ele nos oferece garrafas de água mineral e acende um cigarro.

Faixa e seguir em frente
Nós não estão autorizados a tirar fotos dos trabalhadores moçambicanos que estão a descarregar os caminhões cheios de toras que acabaram de chegar, usando uma empilhadeira.

Huo diz abertamente que ele prefere comprar madeira de moçambicanos individuais, porque esta comentários encontrou-o "para fazer mais lucro". Não incomoda sensação de consciência. "Todos os guardas florestais, policiais e políticos são criminosos por aqui", diz ele.

Ele relata que os rangers recentemente apareceu em sua porta, oferecendo-se para vendê-lo extraída ilegalmente árvores. Huo ri alto quando perguntamos o que ele vai fazer quando não há nenhum deixou em Moçambique madeira. "Mover para o próximo país onde ainda há madeira, obviamente."

Huo está totalmente convencido de que Moçambique será despojado de todos os seus florestas de madeira "dentro de poucos anos."

morte ThreatSense
"Embora este desastre ecológico está a ter lugar em Moçambique, a comunidade internacional não parece se importar muito", diz Alonso.

Ela está convencida de que o desmatamento vai influenciar negativamente o aquecimento global. "Embora menos conhecida do que as florestas da região amazônica, thes as florestas também compõem os pulmões da Terra."



Battle: escritor espanhol Ana Alonso tem feito campanha contra a extração ilegal de madeira em Moçambique há mais de 20 anos. (Jeroen van Loon)

Mas deixando as florestas de madeira completamente intactas seria impossível, Segundo o a cada um. "Há pessoas que vivem lá. Eles têm que se sustentar. "

É por isso que, desde os anos 1990, ela foi executada uma floresta de 60 000 hectares em que ela e os seus trabalhadores da colheita e replantar árvores de uma maneira controlada.

"Essa é a melhor maneira de proteger a floresta de madeira tropical", diz ela.

Embora Alonso paga todos os impostos, ela alega que o governo moçambicano para bloquear trieste que ela está fazendo "de todas as maneiras possíveis". Ela afirma que cada licença de floresta, por exemplo, foi revogada por razões pouco claras em 2010, e ela só pegou de volta depois de uma batalha de dois anos. Ela também teve de contratar seguranças particulares desde que recebeu ThreatSense morte anônima.

Autoridades moçambicanas não respondeu aos pedidos de comentário.

"Vários políticos e autoridades moçambicanas estão a tornar-se rapidamente ricos graças aos subornos chineses, enquanto os habitantes da floresta permanecem desesperadamente pobre", suspira Alonso.

De acordo com a legislação moçambicana, as comunidades locais devem receber 20% do imposto cobrado sobre árvores exploradas de Alonso. Mas De acordo com ela, esse dinheiro não flui de volta para eles em tudo.

"Suborno e corrupção"
A Agência de Investigação Ambiental britânica também culpa os políticos corruptos para a extração ilegal de madeira moçambicana. Em um relatório publicado recentemente, o instituto de pesquisa cita comerciantes de madeira chineses explicam os pesquisadores disfarçados como obter assistência de MPs moçambicanas e ministro do país atual da agricultura, José Pacheco, que foi encarregado de contrariar a exploração madeireira ilegal.

Pacheco recusou-se a comentar o relatório.

A agência calculam que 93% de toda a exploração madeireira foi ilegal em Moçambique nos últimos anos, fazendo uso de números de exportação e importação chineses moçambicanas. A maior parte da madeira foi diretamente para China. A própria China foi proibida a exploração comercial em 1998.

Desde 2013, Moçambique tem sido maior supplie da China de madeira no continente Africano. Por causa de exportações ilegais de madeira, o país perdeu cerca de € 113 milhões em receitas fiscais desde 2007, o CALCULAR agência? - Dinheiro que poderia ter financiado programador Floresta Nacional de Moçambique por 30 anos.

O Ministério da Agricultura faz, por vezes, para a madeira chinesa então controladora, mas para Alonso ações como estas são nada mais que política simbólica. "As multas são uma piada em comparação com o

que os empresários ilegais fazer milhões. A sociedade civil deve agir e não deve aceitar isso por mais tempo. "

organização ambiental local Fórum Terra lidera pelo exemplo. Faz comunidades estão conscientes dos seus direitos e os ajuda a estabelecer comitês para Preventores empresários de subornar líderes locais.

Eles também são instados a aplicar-se a encostar caminhões transportando madeira extraída ilegalmente. "Eles devem chamar as autoridades locais; metade da multa deve ser paga para a comunidade local Eorope "Manual do Fórum Terra Explica Pass.

Enquanto isso, os madeireiros ilegais Silva foi notando a diminuição significativa do número de árvores de madeira valiosos na área sentimento. Ele não se importa, porém, ele diz, ao derramar óleo no novo sentimento motosserra. "Quando todas as árvores se foram, eu vou queimar tudo para criar terra e vai plantar milho e abacaxi."

Mozambique will be stripped of its forests 'in just a few years'

 ANDREA DIJKSTRA
Illegal logging to appease Chinese paymasters is speeding up deforestation in developing countries, all in the name of profit.
Mozambican Pedro Abilio plies his new trade with his chainsaw, to keep his family fed. (Jeroen van Loon)
Nito Silva wipes the wood shavings from his sweaty face while his chainsaw still growls. “I log about 40 trees per day,” he says, leaning on a tree he has just cut. The 45-year-old Mozambican, dressed in a grubby T-shirt, torn trousers and scuffed shoes, cuts trees illegally – not wearing a helmet, ear protection or safety glasses. Hundreds of tree stumps around him are proof of his hard labour.
Silva used to be a farmer growing cassava, corn and beans. Eight years ago, Chinese businesspeople visited the area and offered him a high salary for cutting down trees. They lent him a chainsaw and now come by weekly to pick up the trunks by truck, taking a bumpy 60km dirt road.
He knows what he’s doing is illegal. “But what else can I do? When I was a farmer I earned almost nothing and I have to feed seven children.”
He and his two helpers earn between 160 and 300 Mozambican meticais (between R60 and R100) a tree, depending on the type of wood. The Chinese sell the rare exotic hardwood trees such as chanate, ebony, monzo (leadwood), panga panga, pau preto and wenge for a hundred times as much back in their home country. Still, Silva’s income isn’t bad in a country like Mozambique, where more than half of the population lives below the poverty line and monthly salaries rarely exceed 3 000 meticais (just over R1 000).
Other Mozambican loggers earn less. The 28-year-old Pedro Abilio, for example, receives 2 500 meticais (about R900) for each truck of 80 logs he delivers. He loses some of this money because he officially works for a Mozambican intermediary. The wood, however, is handled directly by the Chinese, who pick up the logs every week using seven trucks that come all the way to Abilio’s remote village in the middle of the forest in Tete province.
Like Silva and Abilio, many Mozambicans are illegally logging for Chinese companies. Often, in the beginning, the Chinese lend them the money to buy equipment such as a chainsaw, locking them into dependency and forcing them to continue cutting to be able to pay off their debts. By buying from individual Mozambicans, the Chinese avoid the high costs of obtaining a logging licence and the obligation to replant trees.
“If Chinese companies would respect the rules, they would only make about 10% profit,” says Ana Alonso (65), a Spanish writer who has been campaigning against illegal logging in Mozambique for more than 20 years. According to her, bribing officials instead of paying taxes leads to a 50% increase in profits.
Moving trees“If we get pulled over by the police, we give them some money so we can continue our journey,” a smiling “Mr Huo” says as he introduces himself. The 53-year-old Chinese businessperson, who looks like a cowboy in a green camouflage jacket and a grey hat, is the boss of Yixing Madeira, one of the many Chinese timber companies located along the main road to Beira.
Laden: The roads to Beira are filled with trucks, many of which are driven by Chinese businessmen, carrying illegally harvested logs. But police and politicians often look away for a price. (Jeroen van Loon)
On our way to this port city, we pass dozens of trucks piled with logs, often driven by Chinese businesspeople. Tens of thousands of tree trunks, heaped into high mountains, sit waiting on the compounds to be shipped to China, revealing the enormous rate at which the Chinese are emptying the Mozambican primeval forests.
DeforestationIllegal deforestation is happening in a similar way in countries such as Congo-Brazzaville, the Democratic Republic of Congo, Guinea-Bissau, Cameroon, Gambia, Madagascar, Russia, Indonesia, Myanmar, Laos and Vietnam.
According to Greenpeace, this deforestation will affect not only global warming but also the amount of rainfall.
“Deforestation in the Amazon and Central Africa was directly causing reduced rainfall in the United States Midwest during the growing season,” Greenpeace states in a recent report. “And complete deforestation of the African Congo Basin is predicted to intensify the West African monsoon, while increasing temperatures of between 2?C and 4?C and reducing rainfall by up to 50% in the entire region,” the organisation adds.
According to Huo, 120 wood-filled containers measuring 20m3 each depart every week from Beira to China. Because since 2007 many types of first-class wood are no longer allowed to be exported as tree trunks, and have to be processed in Mozambique to create more jobs, Huo simply cuts the logs in half using a machine. 
“This way more wood can fit into the container as well,” he chuckles while he offers us bottles of mineral water and lights a cigarette.
Strip and move onWe are not allowed to take pictures of the Mozambican workers who are unloading the trucks full of logs that have just arrived, using a forklift truck.
Huo says candidly that he prefers to buy wood from individual Mozambicans because this allows him “to make more profit”. It doesn’t bother his conscience. “All rangers, police officers and politicians are criminals over here,” he says.
He relates that rangers showed up on his doorstep recently, offering to sell him illegally logged trees. Huo laughs loudly when we ask what he’s going to do when there’s no wood left in Mozambique. “Move to the next country where there’s still wood, obviously.”
Huo is totally convinced that Mozambique will be stripped of all its hardwood forests “within just a few years”.
Death threats“While this ecological disaster is taking place in Mozambique, the international community doesn’t seem to care much,” Alonso says.
She’s convinced that the deforestation will negatively influence global warming. “Although less well known than the forests in the Amazon region, these forests also make up the lungs of this Earth.”
Battle: Spanish writer Ana Alonso has been campaigning against illegal logging in Mozambique for more than 20 years. (Jeroen van Loon)
But leaving the hardwood forests completely untouched would be impossible, according to her. “There are people living there. They have to support themselves.”
That’s why, since the 1990s, she has run a forest of 60 000 hectares in which she and her workers harvest and replant trees in a controlled manner.
“That’s the best way to protect a tropical hardwood forest,” she says.
Although Alonso pays her taxes, she alleges that the Mozambican government tries to block what she is doing “in all possible ways”. She claims that her forest licence, for example, was revoked for unclear reasons in 2010 and she only got it back after a two-year battle. She has also had to employ private security guards since receiving anonymous death threats.
Mozambican authorities did not respond to requests for comment.
“Several Mozambican politicians and officials are quickly becoming rich thanks to the Chinese bribes, while the inhabitants of the forest remain desperately poor,” Alonso sighs.
According to Mozambican law, local communities should receive 20% of the tax charged on Alonso’s logged trees. But according to her, this money doesn’t flow back to them at all.
‘Bribery and corruption’The British Environmental Inves­tigation Agency also blames corrupt Mozambican politicians for the illegal logging. In a recently published report, the research institute quotes Chinese timber traders explaining to undercover researchers how to get assistance from Mozambican MPs and the country’s current minister of agriculture, José Pacheco, who has been tasked with counteracting illegal logging.
Pacheco refused to comment on the report.
The agency calculated that 93% of all logging in Mozambique has been illegal in recent years, making use of Mozambican export and Chinese import numbers. Most of the hardwood was shipped to China. China itself banned commercial logging in 1998.
Since 2013, Mozambique has been China’s biggest wood supplier on the African continent. Because of illegal timber exports, the country has lost about €113?million in tax revenues since 2007, the agency calculated – money that could have financed Mozambique’s national forest programme for 30 years.
The agriculture ministry does sometimes fine Chinese timber firms, but to Alonso actions like these are nothing but symbolic politics. “The fines are a joke compared to the
millions that the illegal businesspeople make. Civil society should take action and shouldn’t accept this any longer.”
Local environmental organisation Forum Terra leads by example. It makes communities aware of their rights and helps them to establish committees to prevent businesspeople from bribing local leaders.
They are also urged to pull over trucks carrying illegally harvested timber. “They should call the local authorities; half of the fine should be paid directly to the local community,” Forum Terra’s Manuel Passar explains.
Meanwhile, illegal logger Silva has been noticing the significant decrease in the number of valuable hardwood trees in his area. He doesn’t really care though, he says, while pouring new petrol into his chainsaw. “When all trees are gone, I will burn everything down to create farmland and will plant corn and pineapples.”

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook