quinta-feira, 3 de março de 2016

Homem assassina esposa e suicida-se na província de Maputo


PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Newsflash
Escrito por Redação  em 02 Março 2016
Share/Save/Bookmark
Um cidadão de 55 anos de idade, que responde pelo nome de Armando Chiboleca, matou a sua esposa com recurso a uma chave de fenda, com qual desferiu golpes contra a vítima, e em seguida suicidou-se, no distrito de Marracuene, província de Maputo. Não se sabe ao certo quando é que o caso se deu mas presume-se que tenha sido entre sábado e domingo passados, uma vez que os cadáveres foram descobertos na segunda-feira (29) pelos vizinhos.
O crime deu-se no bairro Madeira, numa casa onde o casal vivia sozinho. Para além da ausência do casal que já era estranha, um dos vizinhos viu, através da janela do quarto da residência dos finados, um corpo pendurado. Ele aproximou-se para perceber o que se passava, tendo constado que se tratava de Armando.
A Polícia, chamada por um dos irmãos de Armando, esteve no local e teve de usar da força para deitar a porta abaixo de modo a ter acesso ao interior do domicílio e fazer a peritagem.
A vítima, que em vida respondia pelo nome de Júlia Machava, era a segunda mulher de Armando e eles contraíram matrimónio há sensivelmente dois anos. Segundo os familiares, o homicida já esteve preso por assassinato, a sangue frio, da sua primeira esposa, da qual extraiu os órgãos genitais e consumiu.
Issa Machava, uma das irmãs de Júlia, contou que a última vez que falou com a sua parente foi na noite de sexta-feira (26). No mesmo dia, ela ficou a saber de que a malograda tinha brigado com o marido devido a um assunto que lhe não foi aprofundado.
Os restantes familiares, quer de Armando quer de Júlia, asseguraram que o casal discutia com frequência e o problema exigia sempre a intervenção de terceiros, mas os desentendimentos não paravam. Até os padrinhos dos cônjuges tentaram evitar a cisão do casal, na medida em que Júlia chegou a abandonar o lar e só voltou depois de estes terem feito a reconciliação.
Não passava uma semana após Júlia ter perdoado o marido e regressado à casa, na qual, de acordo com os seus pais, vivia um inferno porque o marido a violentava por ciúmes. O esposo queixa-se da falta de respeito por parte da sua mulher, o que supostamente gerava brigas.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook