terça-feira, 22 de março de 2016

Estado Islâmico reivindica ataques que fizeram 34 mortos e 140 feridos

Explosões no aeroporto de Bruxelas e numa estação de metro fazem vários mortos e dezenas de feridos. Capital belga está em estado máximo de alerta e há repercussões em toda a Europa. Ataques acontecem poucos dias depois da captura de Salah Abdeslam, terrorista fugitivo dos atentados de Paris.

Relacionados

Há 2 min.

Pais já podem ir buscar as crianças às escolas

Foram várias as crianças que ficaram fechadas nas suas escolhas depois dos atentados. Com o pedido das autoridades para ninguém sair à rua, as escolas fecharam portas e os pais não podiam ir buscar os seus filhos. Neste momento, já é possível ir buscar as crianças.
Há 3 min.

Líderes europeus condenam ataque à "sociedade aberta e democrática"

Numa declaração conjunta, os líderes dos Vinte e Oito expressaram a solidariedade à Bélgica, país que é sede da maioria das instituições europeias. "O mais recente ataque apenas fortalece a nossa determinação em defender os valores europeus e a tolerância de ataques de intolerantes."
Há 8 min.
 

Paulo Pena

Carlos Coelho (PSD): Testemunho em Bruxelas

"Cheguei ao Parlamento esta manhã por volta das 08.30h.   Um segurança informou-me do que se tinha passado no aeroporto mas não podia adivinhar o atentado terrorista que viria a ocorrer passados alguns minutos na estação de metro de Maelbeek. No gabinete apercebi-me, ao conversar com alguns colaboradores, que as regras de segurança tinham sido reforçadas para os funcionários e uma hora mais tarde receberia por email a informação dos serviços de segurança que indicava que o Presidente do Parlamento Europeu havia determinado a anulação de todos os eventos programados e a interdição de entrada nas instalações do Parlamento de todos os que não sejam Deputados ou funcionários acreditados.  Os veículos autorizados a entrar nas instalações do Parlamento (incluindo as viaturas oficiais) são submetidos a um controlo reforçado de segurança (objectos estranhos e fiscalização da base do carro por baixo do chassi). Canceladas as Conferências onde deveria participar, respondi a emails sobretudo para tranquilizar amigos e familiares que não conseguiam contacto telefónico e recorreram ou ao email ou a mensagens nas redes sociais.
Há a lamentar vidas humanas (mais de 30) e muitos feridos alguns em estado grave.  Não posso deixar de reclamar mais Europa. A luta contra o terrorismo obriga-nos a colaborar ao nível mundial e ao nível europeu. Sabemos que os atentados de Paris poderiam ter conduzido a outra história se tivesse havido maior colaboração entre os serviços secretos da França e da Bélgica. Se cada Estado quer guardar os seus pequenos segredos não contribui para reforçar a eficácia deste combate. Solidariedade e confiança mútua ao nível europeu nas áreas que são competência nacional é algo que cada vez mais se revela essencial."
Há 11 min.

O que é o Estado Islâmico?

Recuperamos este texto que nos explica o que é o autoproclamado Estado Islâmico, que acaba de reivindicar os atentados desta terça-feira. É um grupo religioso com crenças cuidadosamente pensadas, entre elas a de que será ele o agente do apocalipse que se aproxima.
Há 12 min.

Transportes voltam, aos poucos, à normalidade

Há 24 min.

Divulgada imagem dos terroristas no aeroporto

As autoridades divulgaram a imagem dos três homens que terão sido responsáveis pelas duas explosões no aeroporto. Segundo a imprensa belga, que cita a procuradoria, os dois homens vestidos de preto fizeram-se explodir. O homem de chapéu na cabeça está fugido. Até ao momento, não houve qualquer confirmação oficial das autoridades.
Há 24 min.

Declaração do Estado Islâmico

"Combatentes do Estado Islâmico levaram a cabo uma série de ataques com cintos e aparelhos explosivos nesta terça-feira, tendo como alvo um aeroporto e uma estação de metro no centro da capital belga", lê-se na nota da AMAQ.
Há 28 min.

Estado Islâmico reivindica ataque

O autoproclamado Estado Islâmico reivindicou os atentados em Bruxelas, de acordo com a Reuters, que cita uma declaração no braço de propaganda do grupo jihadista.
Há 53 min.

Reacções do Presidente da Comissão Europeia e do Presidente do Irão

Há 56 min.
 

Ana Henriques

Rui Patrício defende um Estado de Direito racional

Na opinião do penalista Rui Patrício, “no dia em que, por um lado, o Estado se guiar pelo horror que certas coisas causam ou por emoções, e em que, por outro lado, deixar de seguir nas suas reacções punitivas a racionalidade e o equilíbrio, perde a sua legitimidade e, sem dúvida, perde o seu cunho de Estado de Direito”.
Para o advogado, “se há conquista que não podemos destruir – sob pena, aliás, de com isso cedermos a parte dos objectivos de alguns terroristas – é o Estado de Direito e, também, o primado dos Direitos Humanos. Mesmo que, para isso, quando tiver que haver desequilíbrio entre segurança e liberdade, ele seja a favor desta e em detrimento daquela”.

Três dias de luto

O Governo federal belga decretou três dias de luto nacional.

Ataques também mexem com programação televisiva

A cadeia de televisão TF1 decidiu cancelar a transmissão de um episódio da série CSI sobre um ataque suicida num casino de Las Vegas, que estava programada para esta noite. "Devido à actualidade ligada à tragédia ocorrida em Bruxelas, e a fim de não ofender os nossos telespectadores, sobretudo na Bélgica, a TF1 modifica a sua programação desta terça-feira", justificou o canal, através de um comunicado.

Federica Mogherini: "É um dia muito triste para a Europa"

A chefe da diplomacia europeia não resistiu as lágrimas ao comentar os atentados em Bruxelas.

Costa: Combate ao terrorismo é "de longa duração" (vídeo)

Barack Obama condena ataques "revoltantes" de Bruxelas

Em Havana, o Presidente dos Estados Unidos manifestou solidariedade com as famílias das vítimas dos ataques que considerou "revoltantes". "Nós podemos e iremos derrotar todos aqueles que ameacem o bem-estar e a segurança das pessoas em todo o mundo", afirmou Obama.
 

Ana Gomes Ferreira

Na estação Sul, os militares revistaram “os que tinham ar árabe”

Filipe Teixeira, de 31 anos, trabalha numa farmacêutica e viajava com a namorada para o aeroporto de Bruxelas quando ocorreu o atentado. O casal ia apanhar um voo da TAP para Portugal, onde planeara passar a Páscoa.
“Estávamos no comboio, a cinco minutos do aeroporto, quando pelo altifalante os passageiros foram avisados que tinha havido um atentado. Disseram que tinha havido explosões e que tinha sido um atentado terrorista. O comboio voltou para trás, para Bruxelas para a estação Sul. A estação Centro já estava encerrada. Saímos na estação Sul e era o caos.
Creio que as pessoas estavam calmas, mas viviam o caos de tentar obter informações e não conseguiam porque os telemóveis deixaram de funcionar, a rede foi abaixo. Não sabíamos o que fazer e, de repente, entrou na estação um grupo de 15 a 20 militares, de caras cobertas e armas de assalto. Empurraram todos os que tinham um ar árabe contra as paredes e revistaram-nos, obrigaram-nos a abrir as mochilas, bagagens. Na zona da estação Sul vivem muitos marroquinos…
Saímos da estação, até porque eu tenho barba e sou moreno, e já lá fora soubemos que estavam a evacuá-la. Já na rua, vimos que estavam a chegar carros blindados e soubemos que havia uma zona no centro da cidade de Bruxelas onde se via fumo.
Decidimos voltar para casa, em Gand, que fica a 35 quilómetros do centro da cidade e tivemos a sorte de apanhar o último comboio que partiu. Em Gand, a estação também tinha sido evacuada e houve uma ameaça de bomba no Starbuck que fica na estação. Já em casa ouvimos na rádio que houve também uma ameaça de bomba na prisão. Em Gand todos os locais públicos estão vazios. Ainda pensámos voltar [a Bruxelas] para nos voluntariarmos para o que fosse preciso – a minha namorada é psicóloga –, mas não há qualquer transporte.”

Autarca de Bruxelas confirma balanço

O presidente da Câmara Municipal de Bruxelas, Yvan Mayeur, confirmou o balanço provisório de 20 mortos na explosão no metro. No aeroporto morreram pelo menos 14 pessoas, disseram os bombeiros da capital belga.

Cinto de explosivos e Kalashnikov encontrados no aeroporto

O cinto de explosivos encontrado pela polícia no aeroporto de Zaventem estava junto ao corpo que se suspeita ser do terrorista suicida. Ali estava também uma Kalashnikov – esta foi a arma usada pelos terroristas nos ataques de Paris, em Novembro.
 

Ana Henriques

José Manuel Anes contra prisão perpétua para crimes de terrorismo

Para José Manuel Anes, fundador do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo, os cidadãos vão ver-se outra vez confrontados com o dualismo liberdade-segurança. Este especialista é, porém, contrário a medidas como a eventual aplicação de penas de prisão perpétua aos crimes de terrorismo: “É de evitar a todo o custo o extremismo de direita que surge sempre nestes momentos”.

Vídeo da VRT flamenga mostra o aeroporto de Bruxelas segundos após a explosão na zona de check-in

 
Een reiziger in de vertrekhal van de luchthaven van Zaventem filmde deze beelden met zijn smartphone. Ze zijn gemaakt vlak na de twee ontploffingen daar.
Posted by VRT deredactie.be on Tuesday, March 22, 2016

#ikwilhelpe, quero ajudar

No Twitter, está a tornar-se muito popular entre as pessoas que moram em Bruxelas a hashtag #ikwilhelpen, que em flamengo significa "quero ajudar", com ofertas de ajuda como casas para ficar para quem não tem transporte.

O mapa dos atentados em Bruxelas

Papa condena "violência cega"

O Papa Francisco condenou a "violência cega que está na origem de tanto sofrimento", na sequência dos ataques de Bruxelas. O chefe da Igreja Católica "confia à misericórdia de Deus as pessoas que perderam a vida e associa-se em oração à dor dos seus próximos".

Encontrado cinto com explosivos no aeroporto

A polícia belga encontrou um cinto com explosivos no aeroporto de Zaventem, avança o canal VTM. A brigada de minas irá fazê-lo explodir.

António Costa assina livro de condolências no consulado belga

Operações em curso

A procuradoria belga está a pedir aos meios de comunicação que se abstenham de "comunicar informações relativas à investigação judiciária em curso, a fim de não interferir com a operação", de acordo com a AFP.

Várias pessoas escrevem frases de solidariedade no chão de uma rua em Bruxelas

 

Nuno Ribeiro

Operacionais jihadistas de regresso aos países de origem desde o Natal

Desde há três meses que diversos serviços de informação europeus vinham detectando a concentração de operacionais jihadistas em diversos países, apurou o PÚBLICO

Marine Le Pen exige fecho da fronteira franco-belga

Os líderes dos dois partidos da oposição em França já reagiram aos ataques de Bruxelas. A presidente da Frente Nacional (extrema-direita e anti-imigração), Marine Le Pen, exigiu "o fecho imediato da fronteira franco-belga". Lembrando que também a França foi vítima recente de ataques terroristas, Le Pen diz que o país "não está poupado pelas zonas fora-da-lei do tipo de Molenbeek",o município de Bruxelas onde Salah Abdeslam viveu e onde planeou os atentados de Paris.
O líder dos Republicanos (centro-direita), Nicolas Sarkozy, foi mais contido na sua declaração, dizendo apenas que os dispositivos de segurança dos dois países devem ser "adaptados" e a partilha de informação "reforçada".

Bandeiras a meia haste na Comissão Europeira

Zita Moura

Presidente da República: "Um atentado cego e cobarde ao coração da Europa"

Um atentado "cego e cobarde ao coração da Europa". É assim que o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa classifica os atentados em Bruxelas desta manhã.
As declarações foram proferidas ao final da manhã desta terça-feira no Palácio de Belém, em Lisboa. Marcelo frisou a importância da solidariedade entre a Assembleia da República e o Tribunal Constitucional, num contexto em que a Europa está com os olhos voltados para Bruxelas.
O Presidente da República enumerou três razões para essa solidariedade: por motivos constitucionais, por questões de natureza política, e, finalmente, pela organização das prioridades.
Aquilo que classifica como um "atentado cego e cobarde ao coração da Europa em que nos encontramos", veio relembrar os povos europeus da "importância de que o que nos une prevaleça sobre o que nos separa". Marcelo enumerou a "democracia, a dignidade e os direitos humanos" como valores fundamentais desta Europa. Num momento como este, há que afirmar esses valores para um processo de construção de paz e desenvolvimento económico e social.
Sublinhou que não haverá segurança enquanto não houver "paz, desenvolvimento e justiça".
 

Paulo Pena

João Ferreira (PCP): Em viagem entre Bruxelas e Paris

"Tinha voo marcado para Lisboa esta noite. Cheguei ao Parlamento Europeu antes das 8h e recebi as primeiras notícias dos atentados no aeroporto. Foi numa reunião da comissão das pescas que fui informado dos restantes atentados.
Bruxelas já estava num nível de alerta muito elevado. O Parlamento já tinha militares à porta. Mas as ruas ficaram completamente vazias. As pessoas acataram as indicações para ficarem em casa.
É sempre com surpresa e espanto que se assiste a um acontecimento destes. O nível de alerta supõe que estão ser tomadas medidas para evitar uma coisa destas. Mas deixei de ler notícias há uma hora, porque estou a viajar de carro para Paris, e espero que nas próximas horas possa haver um esclarecimento sobre o que de facto aconteceu."

Segurança reforçada em centrais nucleares

As duas centrais nucleares belgas estão com a segurança reforçada e foram aplicadas "medidas de segurança suplementares", de acordo com a agência Belga.

Balanço sobe para 34 mortos

A estação televisiva belga VRT avança uma nova contagem de vítimas mortais: 34. Na explosão no metro terão morrido 20 pessoas e no aeroporto 14. 
 

Paulo Pena

Marisa Matias (BE): testemunho a partir de Bruxelas

“Soube dos atentados quando estava a sair de casa. Deviam ser umas 8h da manhã. Tinha uma reunião mas telefonaram a dizer-me que havia um atentado no aeroporto. Às 11h teria uma reunião de coordenadores da comissão Econ [Economia] mas recebi a informação de que todas as reuniões públicas tinham sido canceladas. Ia viajar para Roma esta tarde, mas também isso tive de cancelar porque não há voos, não há comboios, não há nada.
Estou em casa, mas é provável que saia à tarde porque me inscrevi para doar sangue. Sou O negativo e houve um apelo para os doadores de sangue raro. Isto, apesar da restrição de movimentos.
Há muito tempo que tenho dito que enquanto o tratamento dado às questões terroristas for este, temos infelizmente de nos habituar a estes atentados. As instituições europeias têm entendido que isto se resolve melhor confundindo terrorismo com emigração e aumentando a resposta securitária que, como se vê não resulta. Não resultou em Paris e não resulta agora.”

Um ginásio perto do aeroporto, onde estão concentrados alguns passageiros

Polícia belga nas ruas

A região de Bruxelas está a ser alvo de várias buscas pela polícia, diz o canal público RTBF, que cita várias fontes judiciárias. As autoridades procuram "activamente" pessoas e locais suspeitos de terem ligações aos atentados.

Ferro Rodrigues manifesta "enorme consternação" pela morte de "dezenas de inocentes"

O presidente da Assembleia da República manifestou aos presidentes do Senado e Câmara dos Representantes da Bélgica "enorme consternação" pela morte de "dezenas de inocentes" na sequência de atentados em Bruxelas.
Numa mensagem também dirigida ao embaixador da Bélgica em Portugal, Eduardo Ferro Rodrigues refere que foi "com enorme consternação" que tomou conhecimento "dos trágicos atentados desta manhã na cidade de Bruxelas, que vitimaram dezenas de cidadãos inocentes".
"Num dia que julgaram ser igual a tantos outros, perderam a vida pessoas como nós. Os atentados desta manhã são a consequência da resposta que a cidade de Bruxelas, o Estado e o povo belga têm dado ao terrorismo", sustentou o presidente da Assembleia da República.
Ferro Rodrigues salientou ainda que o "respeito que o Estado e o povo belga nunca deixaram de ter pela liberdade, pela democracia, pelos direitos fundamentais, pela vida".
Estes atentados, "desafiam a nossa bússola de valores, o nosso modelo de sociedade – ataques bárbaros que merecem a nossa condenação absoluta".
"Os nossos pensamentos estão com as famílias das vítimas, a quem endereçamos a manifestação do nosso sentido pesar. Em meu nome e em nome da Assembleia da República, apresento ao Estado e ao povo belga sentidas condolências", acrescenta o presidente do parlamento. Lusa

Ana Rute Silva

Zona de check-in do Aeroporto de Lisboa reaberta

A zona do check-in do Aeroporto de Lisboa já está aberta, depois de ter sido evacuada e encerrada durante 20 minutos devido a uma mala abandonada. A ANA disse tratar-se de uma actuação de prevenção.

Kalashnikov encontrada no aeroporto

Uma metralhadora Kalashnikov foi encontrada pela polícia na zona de partidas do aeroporto de Zaventem, segundo informações da televisão estatal belga RTBF.
 

Paulo Pena

Ana Gomes (PS): testemunho a partir de Bruxelas

“Estava a caminho do Parlamento Europeu, onde tinha votações na Comissão de Negócios Estrangeiros às 9h. Ouvi no carro a notícia do atentado no aeroporto. Havia muito pouco trânsito. Cheguei ao Parlamento e estávamos no meio das votações quando surgiram as notícias dos outros atentados. Ainda ponderámos suspender a reunião, mas decidimos continuar. Continuei a trabalhar toda a manhã. Até porque hoje havia duas audições importantes. A do Grande Mufti do Egipto e a do ministro dos Negócios Estrangeiros da Palestina.
Ambos começaram as suas intervenções por rejeitar estes actos. O Mufti considerou estes atentados uma “perversão anti-islão”.
Tive de cancelar o meu programa da tarde, onde estava previsto apresentar um livro sobre Luis Cabral. Nesta altura há restrição de movimentos. Estão militares às portas no Parlamento. Tinha previsto viajar amanhã e terei de encontrar uma alternativa porque de certeza que não será possível através de Bruxelas.
Não estou propriamente surpreendida. Quando Salah Abdeslam foi preso intui que podia haver qualquer coisa. Há uma rede organizada aqui e a possibilidade de ele falar desencadeou provavelmente a acção de outros que apressaram os planos que tinham, temendo vir a ser descobertos pela polícia.
A Europa tem de pôr a mão na consciência porque tem muitas responsabilidades nesta situação. Desde logo, tem de rever a sua política de venda de armas a regimes que fomentam o terrorismo como a Arábia Saudita, e tem de repensar as políticas de refugiados que são contra os valores europeus. Sem esquecer a política económica que produz desemprego e gera radicalidade.”
 

Cláudia Lima Carvalho

Número de mortos sobe para 28

O número de vítimas mortais subiu para 28. Foram já contabilizados 15 mortos na estação de metro e 13 no aeroporto. As autoridades belgas revelaram ainda que há 136 feridos, sem especificar a gravidade dos casos.
 

Cláudia Lima Carvalho

Palácio Real de Bruxelas evacuado

O Palácio Real de Bruxelas foi evacuado por questões de segurança, escreve o canal público da Bélgica, RTBF. O rei e a rainha mostraram-se chocados com o que aconteceu nesta manhã, classificando estes atentados como "actos hediondos e cobardes". 

Ana Rute Silva

Zona do check-in do Aeroporto de Lisboa evacuada

A zona de check-in do Aeroporto de Lisboa foi evacuada devido a uma mala abandonada. Rui Oliveira, responsável de comunicação da ANA, adianta que a PSP está neste momento a analisar o conteúdo da mala. Trata-se de uma actuação de prevenção, detalhou.

Comissão Europeia passou o nível de segurança de amarelo para laranja

A Comissão Europeia passou o seu nível de segurança de amarelo para laranja, com controlos mais rigorosos à entrada, proibição de acesso a visitantes e o cancelamento de todas as reuniões previstas, entre outras medidas de segurança.
"Os nossos pensamentos vão hoje para as vítimas dos ataques desta manhã, seus amigos e famílias. Estamos em contacto estreito com as autoridades belgas e, neste momento, a nossa principal preocupação é a segurança dos que nos rodeiam aqui em Bruxelas e, em especial, a dos funcionários da Comissão Europeia", declarou Margaritis Schinas, chefe do Serviço de Porta-Voz da Comissão Europeia.
O presidente Jean-Claude Juncker, a vice-presidente Kristalina Georgieva, responsável pelos Recursos Humanos e o comissário Dimitris Avramopoulos, responsável pelos Assuntos Internos, encontram-se no Berlaymont e estão a coordenar com os serviços de segurança.
Juncker já falou com o primeiro-ministro belga, com o ministro do Interior belga, Jan Jambon, com o primeiro-ministro dos Países Baixos, Mark Rutte, com o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente francês, François Hollande, diz a comissão em comunicado.
"A União Europeia e as suas instituições têm e devem permanecer resolutas. Permanecemos juntos, unidos, contra o terror.", conclui o porta-voz. B.W.

Al-Azhar repudia atentados

Sem esperar pela confirmação da pista jihadista, sugerida por informações que circulam na imprensa belga, a Al-Azhar - a mais importante instituição do islão sunita, que é mesquita e universidade - sublinhou que atentados como os desta terça-feira em Bruxelas “violam” os ensinamentos do Corão e os fundamentos da religião muçulmana.

Vera Moutinho

Carruagem do metro evacuada após explosão

Um vídeo divulgado nas redes sociais mostra uma carruagem do metro a ser evacuada entre as estações de Art-Lois e Maelbeek. Nas imagens podem ver-se várias pessoas a saírem do metro pelos carris e percorrendo os túneis em direcção à saída. A explosão ocorreu por volta das 08h30 na estação de metro de Maalbeek, próxima de instituições europeias.

Ana Rute Silva

Organização Mundial do Turismo condena atentados

A Organização Mundial do Turismo (OMT) condenou os atentados em Bruxelas e manifestou-se “profundamente chocada” com os acontecimentos desta terça-feira. “Em nome da comunidade internacional do turismo, a OMT expressa sentidas condolências às famílias e amigos das vítimas e ao povo belga neste momento difícil”, disse, em comunicado. Taleb Rifai, o secretário-geral da organização, defendeu que os atentados lembram, de novo, que estamos perante uma ameaça mundial “que é preciso enfrentar de forma global”.
 

Cláudia Lima Carvalho

Cruz Vermelha pede dádivas de sangue

A Cruz Vermelha belga fez um apelo no Twitter para que sejam feitas dádivas de sangue, pedindo especificamente os tipos A e O negativo. 

As condolências de um refugiado

FEDJA GRULOVIC/REUTERS
As palavras de condolências e de condenação dos ataques desta manhã em Bruxelas surgem de todo o lado. Na foto, que a Reuters acaba de divulgar como uma das escolhas do dia, um rapaz exibe um cartaz em que expressa o seu pesar. É filho de refugiados, que se encontram em Idomeni, na Grécia, e que protestam contra o encerramento da fronteira grega com a Macedónia. 
No país do Tintin, os desenhadores e cartoonistas não demoraram a reagir aos atentados, usando o lendário jornalista da poupa dourada ou o seu amigo Capitão Haddock
ou então o Manneken Pis, a pequena escultura de bronze do menino nu a fazer xixi que adorna uma fonte em Bruxelas

"Circulem, ninguém pode ficar aqui"

Os habitantes de Bruxelas foram surpreendidos pelas sucessivas explosões, aumentando o sentimento de insegurança. "Estava a ver as imagens da explosão no aeroporto quando senti uma deflagração", conta Chris Vanden Plas, funcionário da Comissão Europeia que trabalha num edifício por cima da estação de metro de Maelbeek, onde se terão registado duas explosões. Leia a reportagem da Lusa

Portuguesa entre os feridos da estação do metro

Uma portuguesa de 30 anos ficou ferida na explosão ocorrida na estação de metro de Maalbeek nesta terça-feira, disse o secretário de Estado português das Comunidades, José Luís Carneiro.
A jovem, natural de Coimbra “encontra-se fora de perigo”, foi assistida no hospital e já está em casa. “Conseguimos apurar esta informação fora do quadro das informações oficial”, explicou o governante. Lusa

Hollande: "Inteira solidariedade com o povo belga"

O Presidente francês lamentou no Twitter os atentados desta terça-feira. 
"Exprimo a minha inteira solidariedade com o povo belga. Através dos ataques em Bruxelas, é toda a Europa que é atingida."

15 mortos confirmados na estação de metro

O atentado na estação de metro de Maelbeek fez já 15 mortos, revelou a empresa de transportes em Bruxelas no Twitter. Há ainda 55 feridos. 

Félix Ribeiro

Abdeslam, o terrorismo contemporâneo e os atentados de Bruxelas

Uma sombra paira sobre os acontecimentos desta terça-feira: Salah Abdeslam, o terrorista de Paris capturado há quatro dias na capital belga. No momento da sua detenção, Abdeslam parecia preparar-se para executar um atentado em Bruxelas, como afirmou no domingo o ministro belga dos Negócios Estrangeiros, Didier Reynders.
“Ele estava preparado para recomeçar algo em Bruxelas. Isso pode ser verdade: encontrámos várias armas — armas pesadas — nas primeiras investigações e encontrámos uma nova rede á sua volta em Bruxelas.”
Jason Burke, especialista em islamismo radical, enumera no Guardian algumas ideias sobre o que pode ter acontecido entre o momento de captura de Abdeslam e os atentados desta terça-feira.
“Essa rede pode ter sido capaz de agir antes que os serviços de segurança a impedissem. É possível que inclua dois outros homens suspeitos de terem desempenhado papéis importantes nos ataques de paris e estão em fuga desde Novembro.”
Burke refere-se a Mohamed Abrini e a Soufiane Kayal, que na segunda-feira foi identificado como  Najim Laachraoui, 24 anos. Mas o jornalista sublinha aquilo que diz ser “a realidade do extremismo islamista contemporâneo na Europa". "Não se trata dos chamados lobos solitários ou figuras isoladas, mas de uma pequena mais importante rede de pessoas profundamente inseridas em comunidades e bairros mais vastos”.
“Para os terroristas, o objectivo é mostrar que ainda podem aterrorizar, mobilizar e polarizar com recurso à violência. Isto não se trata tanto de vingança, mas simplesmente demonstrar uma habilidade ininterrupta. Podem estar em baixo, mas, dizem agora, não estão acabados.”

António Costa não tem informações de vítimas portuguesas

O primeiro-ministro disse aos jornalistas que não tem informação sobre vítimas portuguesas nos atentados. José Luís Carneiro, Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, está a acompanhar os acontecimentos.

Torre Eiffel iluminada em homenagem

Procurador-geral confirma pelo menos um bombista-suicida

Em conferência de imprensa, o procurador-geral federal belga confirmou que as três explosões desta manhã na capital foram resultado de uma acção terrorista. “No aeroporto de Zaventem ocorreram duas explosões no hall de partidas, uma das quais foi provavelmente provocada por um suicida, e um pouco mais de meia hora depois registou-se uma explosão [na estação de metro] de Maelbeek”, detalhou Frédéric Van Leeuw, confirmando a abertura de uma inquérito-crime.

Número de mortos sobe para 26

Apesar de o primeiro-ministro belga, Charles Michel, não ter avançado com o número de mortos e vítimas, as autoridades e a imprensa belga afirmam que os atentados já fizeram 26 mortos.

Pedro Sales Dias

PJ e serviços de segurança vão reunir-se

A Polícia Judiciária (PJ), os Serviços de Informação e Segurança (SIS), os Serviços de Informações e Estratégias de Defesa (SIED) e demais serviços de segurança portugueses vão reunir-se na tarde desta terça-feira.
O encontro já estava agendada pelo gabinete coordenador da segurança e tinha como objectivo analisar o Relatório Anual da Segurança Interna de 2015. Contudo, o actual momento que se vive em Bruxelas vai estar em cima da mesa.

Ataques "cegos, violentos e cobardes"

“Este é um dia negro para a Bélgica”, disse o primeiro-ministro Charles Michel, confirmando que as explosões desta manhã, no aeroporto e na estação de metro de Maalbeek, provocaram “vários mortos e feridos”. A Bélgica, afirmou, foi alvo de ataques “cegos, violentos e cobardes”, depois de meses em que essa era uma hipótese diariamente admitida. Michel anunciou que foram já ordenados reforços militares para auxiliar nas operações de segurança.

Joana Amaral Cardoso

Mais 1600 polícias nas ruas francesas - "Estamos em guerra"

"Estamos em guerra" e "perante esta guerra é necessária uma mobilização", disse esta manhã o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, após um encontro de urgência com o Presidente da República François Hollande e com o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve.
Cazeneuve anunciou então que colocou mais 1600 polícias nas ruas, sobretudo nas zonas de controlo de fronteiras e hubs de transportes aéreos, marítimos e rodoviários. 
Estes efectivos juntam-se aos reforços que estavam no activo nos últimos quatro meses desde os atentados de Paris, em que foram estabelecidos 220 pontos de controlo específicos, dos quais 42 eram áreas de controlo sistemático, reporta o diário francês Libération a partir da conferência de imprensa do responsável. 
Em França, neste momento, para aceder a estas zonas de transportes, por exemplo, o acesso está limitado a quem tenha títulos de transporte ou identificação e há mesmo dispositivos militares que podem ser recolocados em alguns pontos considerados de risco.  
Cazeneuve deixou ainda aum apelo ao reforço da luta antiterrorista na Europa. 

Imagens das explosões no aeroporto

 

Cláudia Lima Carvalho

"Não podemos responder por impulso sempre que há um atentado", diz Costa

António Costa comentou na sua visita à Madeira os atentados desta terça-feira, mostrando-se solidário com todos aqueles afectados por estes ataques. O primeiro-ministro assegurou que o nível de segurança só será alterado se houver necessidade de reavaliação, o que para já não está em questão. “Não podemos responder por impulso sempre que há um atentado”, disse aos jornalistas Costa, destacando que a luta contra o terrorismo é “um combate de longa duração”. É preciso vigilância e resistência, acrescentou ainda, garantindo que por cada atentado que ocorre, muitos são evitados.

Félix Ribeiro

Polícia detona embalagem suspeita

Nova explosão na Rue de la Loi foi causada pela polícia, que detonou uma embalagem suspeita, segundo avança a emissora RTBF, citando fontes policiais. 

Félix Ribeiro

O que sabemos até agora

  • Primeiro atentado atingiu o aeroporto de Zaventem por volta das 7h00, hora de Portugal Continental. Um bombista-suicida causou duas explosões na zona de embarque, segundo confirmou o procurador federal belga. Onze mortos confirmados. 
  • Noventa minutos mais tarde, por volta das 08h30, nova explosão, desta vez na estação de metro de Maalbeek, próxima de instituições europeias. Dez mortos confirmados. 
  • Há mais de três dezenas de feridos e estimativas não oficiais que sugerem cerca de trinta mortos. Bruxelas está em estado máximo de alerta e outros países europeus anunciam sucessivos reforços de segurança nas fronteiras e outros pontos sensíveis, como aeroportos e centros de transportes públicos. Voos entre Bruxelas e Lisboa foram cancelados.
  • Na segunda-feira, o ministro belga do Interior alertou para possíveis ataques jihadistas em Bruxelas como represálias à captura de Salah Abdeslam, um dos terroristas que atacou Paris a 13 de Novembro em nome do Estado Islâmico. 

Joana Amaral Cardoso

Facebook activa ferramenta para assinalar que utilizadores estão bem

Tal como sucedeu nos atentados de Paris de Novembro de 2015, a rede social Facebook activou uma ferramenta, que já está a ser usada, para que os utilizadores possam assinalar aos seus contactos que se encontram em segurança.

Selecção tem jogo em Bruxelas na terça-feira?

A selecção portuguesa de futebol tem um jogo agendado para Bruxelas na próxima terça-feira, frente à Bélgica. "A FPF informa que está em contacto com a sua congénere belga e as autoridades portuguesas, belgas e internacionais, tendo em vista os acontecimentos de hoje e o jogo previsto para terça-feira da próxima semana, em Bruxelas, entre a selecção nacional e a selecção da Bélgica, actual número 1 do ranking da FIFA", diz um comunicado da Federação Portuguesa de Futebol, que termina a dizer que quando houver informação relevante será publicada no site da FPF. H.D.S.

Lusa

Voos Bruxelas-Lisboa e Lisboa-Bruxelas cancelados

Todos os voos Lisboa-Bruxelas e Bruxelas-Lisboa foram cancelados esta terça-feira na sequência das explosões registadas no aeroporto e no metro da capital belga, que causaram vários mortos e feridos, adiantou à Lusa uma fonte da ANA.
"Temos seis voos cancelados de Lisboa para Bruxelas e cinco de Bruxelas para Lisboa, uma vez que o voo da TAP que fazia Bruxelas-Lisboa tinha partido antes das explosões e chegou bem à Portela", disse à agência Lusa o porta-voz da ANA - Aeroportos de Portugal.
Entretanto, o porta-voz da transportadora aérea portuguesa adiantou à Lusa que arrancou às 09h45 um voo de Lisboa com destino ao Luxemburgo, sendo os passageiros depois transportados via terrestre, por autocarro, para a capital belga.
Este voo da TAP deveria ter partido do aeroporto da Portela, em Lisboa, para Bruxelas às 07h de hoje.
António Monteiro disse ainda à Lusa que os passageiros da TAP podem optar por seguir para outros países, para depois chegar a Bruxelas, ou então adiar o voo para outro dia.
O responsável adiantou ainda à Lusa que os trabalhadores da TAP no aeroporto de Bruxelas encontram-se bem.
Também uma fonte da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas disse hoje à Lusa ter a indicação, através a embaixada portuguesa em Bruxelas, de que um trabalhador da TAP que estava ao balcão da transportadora no aeroporto belga na altura das explosões se encontra bem.
 

Nuno Ribeiro

Portugal mantém nível moderado de segurança

Os atentados em Bruxelas não alteraram o nível de segurança moderado que vigora em Portugal, apurou o PÚBLICO. “Não há razões para alterar o grau de ameaça em Portugal”. É esta a posição das autoridades portuguesas.
Deste modo, o nível de alerta continua a ser o três, numa escala de cinco, o mesmo que vigorou na sequência dos atentados de Paris de 13 de Novembro. 

Joana Amaral Cardoso

Segurança reforçada nos transportes europeus

Em Paris, que a 13 de Novembro foi abalada por uma série de ataques que causaram perto de cem mortes, as estações, aeroportos e transportes públicos continuam a funcionar mas as medidas de segurança estão a ser reforçadas, confirma a polícia francesa. A AFP constatou na Gare du Nord, por exemplo, de onde partem os comboios que ligam a capital francesa a Bruxelas, que há mais polícia visível a patrulhar o local. Os horários de comboios de serviços importantes como o Eurostar ou o Thalys estão a ser afectados pelo reforço de segurança após os atentados.
A segurança está também aumentada no Aeroporto Charles de Gaulle e nas suas estações rodoviárias e o mesmo acontece no Aeroporto de Orly, no sul de Paris, e na cidade de Toulouse.
Já na Holanda, os aeroportos como o Schipol, de Amesterdão, ou os de Roterdão e Eindhoven viram também a sua segurança reforçada, bem como os controlos fronteiriços com a Bélgica.   
Em Londres, o Aeroporto de Gatwick está também em alto nível de alerta e Heathrow colocou mais polícias nos terminais, pedindo aos passageiros com voos previstos para Bruxelas que contactem directamente as companhias aéreas.
Isto porque os voos de e para a capital belga terão sido suspensos em toda a Europa. “Muitos aviões divergiram para o Aeroporto de Charleroi”, a cerca de 50 km de Bruxelas, disse um porta-voz dos Aeroportos de Paris, citado pela AFP, que adiantou que outros voos poderão ser reencaminhados para Paris.
Em Bruxelas os meios de transporte públicos foram suspensos – metro, trams, autocarros e comboios – bem como as estações e algumas capitais europeias estão também a reforçar os seus níveis de segurança. “Toda a rede está fechada”, diz a operadora de transportes públicos STIB da capital belga.

Luísa Pinto

França reforça segurança em estações de comboio e aeroportos

A segurança nos aeroportos e nas estações de comboio francesas foi reforçada, na sequência das explosões esta terça-feira no aeroporto de Zaventem, em Bruxelas. De acordo com o jornal Le Monde o dispositivo de prevenção e segurança nos aeroportos de Roissy-Charles de Gaulle estava a ser reforçado em cada um dos oito terminais dos aeroporto e nas duas estações de comboio. Uma fonte aeroportuária referiu que as equipas cinotécnicas iriam controlar os comboios com proveniência de Bruxelas em Roissy, e, no aeroporto de Orly já estavam a caminho quatro patrulhas suplementares com veículos blindados. No aeroporto de Toulouse a segurança também vai ser reforçada. Na estação ferroviária Gare du Nord, em Paris, o nível de segurança também aumentou, e a circulação de comboios entre Paris e Bruxelas foi suspensa. 

Luísa Pinto

Cartoon de Plantu

PLANTU
No blogue do cartoonista Plantu, no jornal francês Le Monde, já há uma homenagem às vítimas das explosões desta manhã, associando-as aos atentados de Paris, em 13 de Novembro.
 

Cláudia Lima Carvalho

Número de mortos sobe para 21

Um porta-voz dos bombeiros avançou à AFP que os atentados desta terça-feira fizeram já 21 mortos. Segundo M. Meys, há 11 mortos no aeroporto e mais uma dezena na estação de metro de Maalbeek. "A maior parte dos feridos já foi evacuada, a situação é bastante caótica", acrescentou ainda, deixando claro que estes são ainda números provisórios. 
 

Cláudia Lima Carvalho

Aeroporto encerrado até às 6h de quarta-feira

O aeroporto de Zaventem vai permancer fechado até às 6h de quarta-feira, hora que poderá ainda sofrer alterações. Foi, entretanto, criada uma linha telefónica para todos aqueles que precisam de informações sobre familiares ou amigos que pudessem estar no aeroporto – (0032) (0)2/753 73 00.

"Fiquem onde estão", pedem autoridades aos habitantes de Bruxelas

As explosões ocorridas nos transportes Bruxelas fizeram com que as autoridades não só encerrassem todas as estações mas também que pedissem à população que deixe de circular nas ruas na manhã desta terça-feira.
"Fiquem onde estão", pediu o centro de crise através da rede social Twitter.  
As crianças e jovens que estão nas escolas ficaram retidas nas salas de aula.

Joana Amaral Cardoso

Comissão Europeia pede a funcionários que fiquem em casa; metro fechado em Bruxelas

Na sequência das explosões que esta manhã causaram dezenas de mortos e feridos graves em Bruxelas, a Comissão Europeia pediu aos seus funcionários que permaneçam em suas casas ou que não abandonem as instalações.
“Fiquem em vossas casas ou no interior dos edifícios”, apelou via Twitter Kristalina Georgieva, comissária europeia para o Orçamento e que tem também o pelouro da segurança do Executivo europeu. Todas as reuniões e actividades do Executivo foram canceladas, partilhou ainda na rede social, e o acesso às instalações está reservado aos funcionários com identificação especial.
Na cidade, o serviço de metro foi suspenso esta terça-feira de manhã após as várias explosões verificadas no Aeroporto Internacional e na estação de metropolitano de Maalbeek. Todas as operações e voos do aeroporto foram também suspensos. 

Félix Ribeiro

Líderes europeus reagem

David Cameron, primeiro-ministro britânico.
Mariano Rajoy, primeiro-ministro de Espanha. 
Matteo Renzi, primeiro-ministro italiano. 
 

Cláudia Lima Carvalho

Atentado suicida confirmado no aeroporto

O procurador público confirmou que as explosões no aeroporto se trataram de um atentado suicida, avançando o número de 13 mortos e 35 feridos.

Luísa Pinto

Relatos de algumas testemunhas no metro

AFP
Os utentes do metro de Bruxelas começaram a ser evacuados após a explosão da estação de Maalbeek que terá feito dez vítimas mortais. Já fora da estação surgem relatos de pessoas com escoriações visíveis. É o caso de Alexandre Barns, de 32 anos, que conta que “lá dentro”, na estação, “há pânico por todo o lado”. Noutra estação, em Arts Loi, Ian McCafferty, referiu que estava a sair do metro quando ouviu “um baque surdo” e sentiu algum entulho cair-lhe em cima.

Joana Amaral Cardoso

Imagens recolhidas no local mostram o exterior da estação de Metro após a explosão e o estado de parte do Aeroporto de Bruxelas depois das detonações.

Joana Amaral Cardoso

Imagens recolhidas no local mostram os passageiros a fugir do Aeroporto de Bruxelas após as explosões desta manhã.

Luísa Pinto

Relatos de algumas testemunhas no aeroporto

Alex Rossi, repórter da Sky News e que está no aeroporto de Bruxelas, disse ter ouvido as duas explosões “muito, muito grandes”. “Senti o edifício a tremer. Havia fumo por todo o lado… Aproximei-me do sitio das explosões, mas estava toda a gente a correr em sentido contrário e com expressões de pânico e choque”, afirma a testemunha.
A cadeia britânica tem vindo a recolher e a divulgar vários testemunhos nas imediações do aeroporto que referem o impacto que sentiram no próprio corpo e a reacção imediata de “fugir”. Uma dessas entrevistadas, Denise Brandt, de cobertor pelas costas e a calma possível acaba por referir a sua experiência em situações passadas. “Sabia que era uma explosão – já estive perto de explosões em situações anteriores. A maneira como ela atravessa o teu corpo, só nos permite olhar um para o outro e dizer ´por aqui’”, relata. O instinto é “fugir”, insiste, tomando a mesma direcção que levam todas as pessoas, em pânico e em lágrimas.
Jeffrey Edison, uma outra testemunha que estava a dirigir-se à sua porta de embarque, pelo contrário, não teve percepção imediata do que aconteceu. “Havia centenas de pessoas que de repente começaram a correr, a fugir da área de controlo e segurança e ninguém nos dava notícia de nada”. Mas, admite, começou a fazer como a turba e, de repente, já estava a correr na mesma direcção que todos os outros, sem saber o que se estava a passar.

Félix Ribeiro

10 mortos na explosão em Maelbeek

Emissora VTM avança com a primeira estimativa para o número de vítimas na última explosão na capital belga: dez mortos. A contagem mais recente para o aeroporto de Zaventem vem da emissora VRT, que contou para já 13 vítimas. 
Mapa das explosões da manhã desta terça-feira em Bruxelas. Todos os transportes na capital belga foram encerrados e as medidas de segurança foram reforçadas em outros pontos sensíveis na Europa, como nos aeroportos de Frankfurt, na Alemanha, e Charles de Gaulle, em França. 

Félix Ribeiro

Explosões ocorrem quatro dias depois da captura de Salah Abdeslam

As explosões ocorrem quatro dias depois da captura de Salah Abdeslam, um dos terroristas que atacou Paris a 13 de Novembro em nome do grupo Estado Islâmico e que, já depois de detido, admitiu estar a preparar novos ataques. No início desta semana, o ministro belga do Interior disse que as autoridades estavam preparadas para possíveis ataques de represália à detenção de Abdeslam.

Félix Ribeiro

As declarações do ministro belga do Interior, na segunda-feira, falando sobre uma possível acção de terrorista como resposta à captura de Salah Abdeslam
"Sabemos que travar uma célula [jihadista] pode fazer com que outras entrem em acção", disse Jan Janbom. "Estamos conscientes disso neste caso."

Félix Ribeiro

À medida que se confirmam vários feridos na última detonação, na estação de Maelbeek, um primeiro olhar para o local da explosão. 

Félix Ribeiro

Dez mortos e 30 feridos no aeroporto

A emissora estatal belga diz ter confirmado dez mortos e trinta feridos causados pelas duas primerias explosões, que atingiram a zona de embarques do aeroporto. Já a emissora VRT avança ter-se tratado de um ataque suicida, como parecem confirmar as primeiras imagens de videovigilância. 
Entretanto surgem imagens dos primeiros momentos depois das explosões no aeroporto. 

Félix Ribeiro

Local da estação de metro atingida.

Félix Ribeiro

Terceira explosão, na estação de metro de Maelbeek, dá-se numa zona próxima de várias instituições europeias. Evan Lamos publica uma fotografia de passageiros que foram evacuados para as linhas de metro, quando antes estavam em direcção da estação atingida. 

PÚBLICO

Às sete da manhã foram ouvidas duas explosões no aeroporto de Bruxelas

A polícia belga confirma que duas explosões na zona de embarque do aeroporto de Bruxelasmataram pelo menos uma pessoa e que o número de vítimas deve aumentar nas próximas horas. "Uma pessoa morreu e pode ser que haja mais [vítimas]", anunciou. Os dois impactos estridentes sentiram-se por volta das 7h da manhã desta terça-feira (hora de Portugal Continental). Há cerca de 20 feridos. 

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook