terça-feira, 22 de março de 2016

Escutas a Sarkozy validadas, ex-Presidente vai ser julgado por corrupção


Decisão do tribunal é um golpe que pode ser fatal nas suas ambições de voltar a apresentar-se como candidato do centro-direita às presidenciais de 2017.
Se condenado por corrupção, Sarkozy pode perder o direito a candidatar-se às presidenciais JACKY NAEGELEN/REUTERS
As escutas das conversas telefónicas entre Nicolas Sarkozy e o seu advogado, Thierry Herzog, foram consideradas válidas pelo Tribunal de Cassação, uma das mais altas instâncias judiciais francesas. Isto abre o caminho para o que ex-Presidente da República seja julgado por corrupção e tráfico de influências, porque na conversa telefónica interceptada Sarkozy e Herzog discutiam a prontidão de um determinado juiz para os ajudar a violar o segredo de justiça num outro processo em que o ex-chefe de Estado estava implicado.
Sarkozy tinha contestado a legalidade destas escutas, recorrendo ao Tribunal de Cassação. Este processo será um golpe provavelmente fatal nas suas ambições de voltar a apresentar-se como candidato do centro-direita às eleições presidenciais de 2017 – uma ambição que já não estava nada segura, devido às grandes divisões que continua a haver neste campo. O processo poderá avançar para o tribunal criminal, e o ex-Presidente, se condenado, pode ficar proibido de se candidatar a cargos publicados durante algum tempo.
O Tribunal de Cassação, um dos tribunais de última instância franceses, decidiu anular duas das escutas fora, mas o essencial do processo foi validado.
No processo que agora terá luz verde para avançar, Sarkozy é suspeito de ter tentar obter do juiz Gilbert Azibert – que agora, curiosamente, integra o Tribunal de Cassação – informações sobre o processo do caso Bettencourt, então em segredo de justiça. O ex-Presidente acabou por ser absolvido da acusação de ter obtido financiamentos ilegais para as suas campanhas, mas as suas agendas foram, a certa altura, apreendidas pelos investigadores.
Em troca de uma intervenção do juiz Azibert, o advogado Thierry Herzog deveria oferecer-lhe uma colocação de privilégio no Mónaco, revelam as gravações.  Mas isso nunca chegou a acontecer.
Sarkzoy comunicava com o seu advogado através de um telefone que estava sob um nome falso, “Paul Bismuth”. Com base nestas escutas, Sarkozy foi já acusado em Julho de 2014. O processo, no entanto, não avançou, devido à defesa do ex-Presidente, que considerou as escutas ilegais e alegou que a corrupção do juiz Azibert nunca chegou a concretizar-se.
Entretanto, Sarkozy enfrenta a ameaça de outro processo, este relativo ao financiamento ilegal da sua campanha para as presidenciais de 2012.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook