domingo, 6 de março de 2016

Discursos que nos dividem

"Nós moçambicanos estamos dispostos a perdoar os jovens que são instrumentalizados" pela Renamo (Mety Gondola, secretário-geral da OJM, in jornal da Noite da STV). Este discurso é problemático. Enquanto continuarmos a pensar que há "outros" que não são "nossos" dificilmente alcançaremos a paz. Este discurso do "outro" que não é moçambicano e "nós" é o mesmo que nos leva a situação a que nos encontramos. É uma ideia enraizada na Frelimo de que quem não é da Frelimo não é moçambicano.
Ao dizer que "nós moçambicanos", Gondola está a dizer que "os outros instrumentalizados" não são moçambicanos.

Comments
Dinis Miguel Machaul É o que alimenta a exclusäo e consequentemente o conflito. Näo pode haver moçambicanos de gema, moçambicanos verdadeiros, ...
Gosto32 h
Isidro Madaleno Kkkkkkk Kkkkkkk! Não me conveceste yah?eu nao sou de moçambique mas sofro com os irmaos de moçambique e assim pergunto ao dirigente juvenil da Frelimo' Assim o que te faz pensar que és mais moçambicano que um jovem que nao adere a tua bandeira? Depois Quem o deu direito de a Frelimo Sér o dono do país? E porque tanta Arrogancia? Se tanta gente no pís que governas nem sabe o que é pao ' agua potavel energia electrica estrada asfaltada ha 40 anos?
Gosto51 hEditado
Naine Mondlane Perdeu o norte e o sul ele. Epah
Gosto1 h
Manuel Luis Mortar Rosse E depois dizem que a pobreza vem das nossas mentes. Este é o moçambique real
Gosto1 h
Aloysius Tmt OJM.
Gosto1 h
Dino Short Hand Coana OJF vê bem hemm
Gosto1 h
Lolo Timba É isso mesmo que pretende dizer, A Frelimo não percebe que o jogo político não se difere de um jogo de futebol onde cada clube tem sua Massa associativa e seus adeptos. assim que eu sou Benfica e tu és do Sporting, logo não temos a mesma nacionalidade. Ridículo isso....
Gosto31 h
Dino Short Hand Coana Já dizia o saudoso marechal Samora machel,estudou um bocadinho é doutor,ham ai sim já tem diploma para explorar o outro negro,essem jovens não fazem nada se não a repetição daquilo que aprenderam na escola, é triste ...
Gosto1 h
Menyawani Barbashev Tive a mesma impressão quando ouvi o Secretário falar. 

Pena que como jovem, ele não tenha capacidade para fazer um discurso conciliador
Gosto1 h
Gidi Fakanimoto Fiquem bem atento à todos discursos desta geração. Sempre dividem o povo ao critério que só eles sabem. Cuidado com o perdão do inimigo! Os frelinistas nunca aceitaram oposição. Assinaram o AGP com a RENAMO apenas para o inglês ver e o russo rir. O discurso desta cúpula sempre dividiu o povo. Depois incutem pessoas que são pela unidade nacional. Unidade no papel e na boca não basta, queremos na prática. Chega dilbres.
Gosto11 hEditado
Abel Philip Pequena retificao, Mety Gondola e' Secretario geral da OJM....
Gosto11 h
Saide Waliullah Eu tambem ouvi o sujeito a falar. Só senti nojo com aquilo.
Gosto1 h
Abdul Karim Entao Lazaro Mabunda , sugiro que leia o discurso dum "grande ilustre conceituado mocambicano", a quando da sua "honoris causa" no ISPU. Devera ai ver e constatar a ideologia do "outro" a ser implementada com "glamour " 
Emoji smile
Gosto21 h
Alfredo Muianga Enquanto trabalhamos com odeio do outro e procurarmos o culpado nestas coisas nao havera paz em Mocambique.
Gosto1 h
Bitone Viage Ilustre Lazaro, acredito que há uma necessidade de se fazer uma analise mais minuciosa sobre esse assunto, sob o risco da parcialidade interpretativa nos fazer levantar problemas, que na verdade não são problemas.

Como interpretar a entrevista do Secretario Geral da OJM Mety Gondola?

Primeiro passo: Devemos procurar saber de que jovens se tratam.

Meu caro a RENAMO tem dois tipos de jovem, juventude da RENAMO política e juventude da RENAMO militar, acredito sem reservas que os jovens que o SG se refia são da RENAMO militar, todos aqueles que são instrumentalizados em nome de interesse de um punhado de generais para orquestrar ataques na EN1, esses sim devem s ser perdoados, pois, são alvos de uma instrumentalização coerciva.

Segundo passo: analisar o contexto no qual disse "Nós os Moçambicanos".

Meu irmão o facto do SG ter dito "Nós Moçambicanos" não significa que de uma forma implícita, estivesse a excluir os jovens da RENAMO, olha que eles são moçambicanos e não é pelo facto de serem militantes da RENAMO que o deixaram de ser, mas é necessário afirmar que "Nós como Moçambicanos" tomando em consideração a nossa cultura que é de saber perdoar, estes jovens serão perdoados, quero acreditar que não se trata aqui de nenhum pronunciamento selectivo, pois o factor paz interessa a todos nós e sendo assim todos que colocam em causa a estabilidade serão perdoados

Terceiro ponto: Quando analisamos um determinando juízo, somos sempre obrigados a compreender o contexto da aplicação do mesmo, como forma de entender a razão do uso de certos conceitos, ilustre Mabunda.

Por fim meu caro Ilustre, bem-haja a paz.
Gosto11 hEditado
Zeca Becane Felisberto Sibia Logo desliguei TV. O tipo nao foi feliz. Ha momentos em que temos que buscar o sentido literal da frase....Ele foi mesmo infeliz para a qualidade de um SG.
Gosto157 min
Lazaro Mabunda Bitone Viagem, obrigado por me dar razão. O facto de serem instrumentalizados retira-lhes a moçambicanidade? Dhlakama que lidera esses homens deixa de ser moçambicano? O que é moçambicano? O que distingue moçambicano de um não moçambicano? Olha, o moçambicana não é definido pelos actos que pratica, mas pela nacionalidade e pelo sentimento de pertença, entre outros aspectos. Os jovens da Renamo que estão a ser instrumentalizados não deixam de ser moçambicanos. Eles pegaram em armas justamente para reivindicar a moçambicanidade que não lhes são reconhecidos. Atenção não defendo de modo algum que a guerra seja solução, mas estou a tentar transmitir-lhe a ideia de que enquanto distinguir moçambicanos entre "os nossos" e os não nossos", dificilmente teremos uma paz efectiva.
Gosto551 minEditado
Bitone Viage Não quero acreditar no que estou lendo, o ilustre está cobertando de razão o uso das armas por parte deste grupo? Porque estão sendo supostamente politicamente injustiçado? Meu ilustre amigo, eu não acompanhei em nenhuma parte da entrevista do SG a exclusão sumária dos jovens armados da RENAMO, apenas fez o uso do temo "Nós Moçambicanos" na qualidade de também ele mesmo ser moçambicano.

Bem-haja a paz
Fernando Veloso Mabunda? Ainda perdes tempo com esses atrasados mentais? Nem pareces tu! Didático, sim, mas com quem tem a mente aberta.... Essa gente engoliu um CD
Gosto752 minEditado
Lazaro Mabunda Meu caro Bitone Viagem, as teorias de comunicação ensinam como fazer discursos em público e os riscos que se corre. Em Ciëncia Política discurso é algo carregado de mensagem clara, não susceptivel de gerar um problema politico ou interpretação que possa colocar a unidade nacional em risco. Se ele não sabe fazer discurso, que escreva ou evite faze-lo.
Gosto650 minEditado
Bitone Viage Ensinam sim, não quero discordar deste ponto, mas também devemos procurar entender a razão do uso de certos conceitos e interpeta-los a luz do contexto que os mesmo são usados
Lazaro Mabunda Bitone Viage, atencao aos discursos. Os discursos, quando nao sao claros podem gerar interpretacoes e percepcoes que leve o pais ao descalabro. O genocio de Ruanda partiu de discursos, interpretacoes e percepcoes como estes.
Bitone Viage Ahhh não ilustre não queira misturar as coisas, o genocídio de Ruanda de 1994 foi resultado de um discurso étnico perpetrado pelos colonizadores franceses que incutiram aos tutsis sua superioridade em relação aos hutus. Que relação quer trazer com o discurso do SG Mety Gôndola? Não vi nenhum pronunciamento étnico, regionalista e nem divisionista.
Lazaro Mabunda Nao e misturar. O que eu queria mostrar-te e que um discurso pode levar a divisao do pais, sobretudo a percepcao. A questao de Ruanda resulta tambem desse problema de percepcao. Os tsutsis apropriaram-se de um discurso que foi mal interpretado e percebido. Qual e a diferenca entre o discurso de superioridade etnica dos tutsis e o discurso de superioridade nacionalista da Frelimo. Perguntando de outra forma, qual e a diferenca entre dizer que somos grupo etnico mais importante e somos (Frelimo) mais mocambicanos do que os outros? Todo e um discurso divisionista. Quer o causador do genocio no Ruanda assim como este de Gondola, sao discursos que enaltecem as diferencas entre "nos" e "os outros". O problema e que "nos" e "os outros" sempre leva a conflitos.
Gosto2 minEditado
Bitone Viage Ilustre, acredite que até agora não consigo ver o teor divisionista do termo "Nós moçambicanos" acompanhei muito bem a entrevista, queira me fazer entender? Sob o risco de estarmos a perder tempo discutindo um vazio estrategicamente causado.
Lazaro Mabunda Obrigado, Abel Philip. Foi um lapso. Ja rectifiquei.
Gosto148 min
Abel Philip Esta certo...
Lazaro Mabunda Abdul Karim, ja li. Thanks.
Gosto147 min
Lazaro Mabunda Leste o que escrevi no ultimo post. Aqui podes ler no fim: "Atenção não defendo de modo algum que a guerra seja solução, mas estou a tentar transmitir-lhe a ideia de que enquanto distinguir moçambicanos entre "os nossos" e os não nossos", dificilmente teremos uma paz efectiva."
Gosto144 min
José de Matos Lazaro Mabunda muito didactico, parabens! Na verdade é um escandalo que jovens instruidos ainda tenham problemas em definir a moçambicanidade e usem o velho discurso retrogrado do "nos" e os "outros"! Se foi um lapso, tem de ser corrigido!
Gosto343 min
Bitone Viage Podes não defender isso de uma forma explicita, mas o seu comentário de certa forma traz essa necessidade.
Lazaro Mabunda Ainda nao engoli o disco, como escreve Fernando Veloso.
Gosto139 min
Fernando Veloso Eu não disse que tu engoliste !!!! Tens é um estilo demasiado didáctico para autistas ...
Lazaro Mabunda Nao entendeste, Fernando Veloso. Eu estava a responder Bitone, nao que estivesse a dizer me que engoli disco.
Bitone Viage "... os jovens da RENAMO que estão a ser instrumentalizados... Eles pegaram em armas justamente para reivindicar a moçambicanidade que não lhes são reconhecidos" 


Meu ilustre amigo, que moçambicanidade é essa que deve ser adquirida por via das armas? Será que eu ainda não sou moçambicano? Ou seja, será que existe uma super Moçambicanidade, aquela adquirida por via das armas?

Desculpa ilustre acha mesmo que neste seu comentário não esta explicita a ideia da sua razão em recorrer as armas para materialização dos seus interesses? Vamos ser sérios.
Mbuya Chaves Dezanove Perdoai o porque não sabeis o que diz muito mais o que faz, seja louvado o senhor para ter paciência deste néscio sem carácter como o Awade
Gosto130 min
Homer Wolf Cota Gondola pah... tsc
Rafael Ricardo Dias Machalela É a idade que não lhe cai bem...
Gosto9 min
Francey Zeúte Meteu agua logo aquela impropria para o consumo. E nao lhe vao chamar atencao.
Mauro Benedito Chilaule e TVM - Televisão de Moçambique partilharam umaligação.


2 mortos e 8 feridos é o rescaldo do ataque a um autocarro de passageiros protagonizados pela Renamo. O incidente registou-se em Honde, há 20 q...
NOTICIAS.TVM.CO.MZ|DE REDACÇÃO

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook