domingo, 20 de março de 2016

CARTA DE LEMBRANÇA AO ``ISENTO`` CIDADÃO E ESCRITOR LUSO-MOÇAMBICANO EMÍLIO COUTO (MIA)

Zeca_caliate6ZECA CALIATE VOZ DA VERDADE – 

Era uma vez um escritor Luso-Moçambicano conhecido por Mia Couto, que continua a servir com lealdade o Partido dos Comunas Frelimistas e que já não consegue esconder o nervosismo miudinho em que vive. Futuramente com o desenrolar político nas províncias do Centro e Norte, poderá  ver hipotecadas a continuidade do saque onde é um dos protagonistas do Clã Couto.

Afinal, segundo o célebre escritor Sr. Emílio, a Remano demonstra que não está interessada no diálogo ao impor condições para tal. Para o Sr. Emílio,`` impor`` condições para o diálogo é chantagear o governo e o povo. "No fundo quem impõe condições está a jogar com vidas humanas, e está a fazer chantagem com aquilo que é a tranquilidade de todos os  Moçambicanos . Um partido político não pode, ao mesmo tempo, ter presença na Assembleia da República e por outro possuir  armas" -  o sr. Presta-se ao papel reles de defender um regime incompetente militarizado  Sr. Emílio!!??.

Hora vejamos caro sr. Emílio, tanto quanto sei o senhor nasceu na Beira, capital da Província de Sofala e sei que de tenra idade se dedicou ao jornalismo sendo quanto sei também o gosto da família Couto pela arte da Comunicação e escrita. Porém, como escritor que o Sr.Emílio é, fiquei perplexo com suas declarações tristes, pois pensei que pudesse mostrar alguma isenção mesmo sabendo do seu percurso conveniente, comunista encapotado e conivente com este regime sanguinário. O Sr.Emílio, como elemento de descendência  Portuguesa, responda-me a uma pequena questão:  Onde estão os seus colegas colaboradores que o apoiaram  na tomada do poder pela Frelimo  como Partido Único, naquela noite de 7 de Setembro de 1974 com o apoio do Movimento das Forças Armadas (MFA)?? Eles fugiram?? E aqueles que não apoiaram, também fugiram?? O senhor sobrou...mas como??

O Sr. Emílio, que eu saiba, sempre foi um membro activo do aparelho de Estado e lambebotas da Frelimo, onde desde os tempos da Independência em 1974, foi aproveitado por Samora Moisés Machel quando este chegou ao poder, e desde então sempre foi colaborador de todos os ditadores Moçambicanos sem excepção, e mais, foi um dos ideólogos na implementação do Marxismo-Leninismo-Mauismo e sei lá mais o quê, que pelos vistos era moda entre a juventude universitária da época e onde muitos brancos denunciavam outros brancos e não só, para ganharem projecção e notoriedade perante os camaradas, e o sr. é exemplo disso mesmo de forma ostensiva em Moçambique. Para meu espanto o Sr. foi dos poucos que se manteve como tal até aos dias de hoje por grande conveniência entre os camaradas, portanto, também é um dos responsáveis morais pelas atrocidades cometidas. Sr. Emílio, pode-nos explicar como é que a empresa ``GRUPO MANICA`` a mais antiga da Beira foi tomada de assalto pelo seu irmão Fernando Amado Leite Couto com sua conivência e dos Generais Macondes, para poderem saquear á vontade???. 

O Sr. Também pode-nos elucidar em relação aos negócios que têm em conjunto com o Gomate Wa Zaurinha desde os tempos em que esse retardado era director dos CFM-NORTE??? e as estreitas ligações que mantém com o homem que matou o próprio Pai (Chipande)???. Que eu saiba o Sr. Emílio ganha contratos bastante chorudos como biólogo, certo?? Como biólogo, dirige a Avaliações de Impacto Ambiental, IMPACTO Lda., empresa que faz estudos de impacto ambiental, em Moçambique. O Sr. tem realizado pesquisas em diversas áreas, concentrando-se na gestão de zonas costeiras e sem esquecer que o seu escritório de biologia é dos poucos credenciados em Moçambique que podem emitir pareceres e estudos neste domínio, oficialmente falando. Simplificando a coisa, ... todo o investidor nacional ou estrangeiro, nomeadamente os que queiram investir em turismo ou Industria , etc, principalmente  em zonas costeiras, passam pelas suas mãos, e sem estes mesmos estudos os projectos não avançam. Por isso caros leitores, será que têm noção que a maioria destes estudos  são monopolizados pelo Sr.Emílio Couto(Mia) onde são cobradas astronómicas somas de dinheiro?? Afinal quem vai  perde bastante com a Governação de Dhlakama nas seis Províncias do Centro e Norte?? Neste momento o Sr. deve estar com um friozinho na barriga por ter que fugir também, pois o regime da Frelimo está em decadência e preste a tombar.

Sr.Emílio, não quero de forma alguma pôr em causa o seu valor ou conduta profissional, mas sim a forma pouco escrupulosa e ética que o Sr. e o seu Clã construíram o Império de que hoje são donos, à boa maneira Burguesa e um novo riquismo evidente.  Tenho lido alguns artigos seus, e sobre sí, através de várias redes Sociais por esse mundo fora. ``AFINAL O REGIME DA FRELIMO CRIA RICOS, EM VEZ DE RIQUEZAS PARA O PAÍS?``O Sr. é parte destes ricos lambebotas do Regime Comunista que exploram incessantemente o nosso povo e naturalmente ao defender os fuzilamentos inclusive do Presidente da Renamo, está a defender a sua posição de se enriquecer ilicitamente ao lado do seu ``irmão de camaradagem`` e sócio que se diz ser autor do primeiro tiro, o tiozinho do GOMATE WA ZAURINHA o Alberto Chipande. Os verdadeiros heróis que contribuíram na luta pela Independência Nacional, foram quase todos dizimados fisicamente a mando destes sanguinários.

Sr.Emílio, tive conhecimento que o Sr. e o seu irmão Fernando inauguraram recentemente a ``Fundação Fernando Couto`` em memória ao Sr. seu Pai. Sem querer beliscar o respeito que nos merece...o seu Pai, claro, gostaria que nos dissesse uma coisa... esta Fundação serve mesmo para quê?? difundir a cultura Moçambicana, será ?? Sr. Emílio poderá o Sr. nos explicar como se lavam grandes somas de dinheiro através das chamadas``Fundações`` que parece se ter tornado uma moda fácil, eficaz e sem deixar rasto por este mundo fora em relação a dinheiros sujos??? A sua análise e conhecimento jurídico sobre este assunto, seria de extrema importância para a partilha entre os Moçambicanos mais atentos e o enriquecimento da nossa Moçambicanidade. Costuma-se dizer que ``EM PAÍS DE CEGOS QUEM TEM OLHO É REI``

O Sr. evite fazer considerações políticas nesta altura, e seja equidistante das disputas políticas se quer  continuar a merecer e usufruir da consideração, admiração e respeito que criou num público amante da escrita mas muito desatentos em Moçambique e por esse mundo fora. O Sr. Emílio é uma referência de grande projecção da literatura Moçambicana, e como tal deveria evitar certos pronunciamentos e entrar em questões extremamente delicadas e polémicas. De salientar que Politicamente falando, eu não poderia esperar posicionamento diferente de si, pois o Sr. foi uma pessoa que, em 1974, integrou a campanha contra o multipartidarismo em Moçambique.

Sr. Emílio, gostaria que nos dissesse porque nunca usou a sua influência académica para denunciar através da sua escrita, em forma de artigo ou mesmo um romance que tanto gosta de escrever, retratando a miséria, desigualdades e opressão que as regiões do Centro e Norte foram e  são sujeitas diariamente nos últimos 41 anos!!??. O Sr. não viu nenhuma gravidade nas emboscadas feitas pelas forças governamentais contra Dhlakama, e nem na invasão e ocupação e tentativa de assassinato na sua residência na Beira, mas vê apenas a falta de vontade de dialogar, quando a Renamo exige garantias de segurança e agenda concreta do que se pretende negociar. Sr. Emílio, seja reconciliador e não o crápula que está a demonstrar ser...a sua máscara caiu.

Eu diria mesmo que o Sr. António Emílio Couto(MIA) tem o perfil ideal para espião de estado...resta saber para qual deles??? Eis a questão. Meus irmãos Moçambicanos, relembro-vos em consciência, a todos os resistentes a este regime sanguinário inconsequente, que enquanto as chefias radicais assassinas desse partido Frelimo não forem capturadas e encarceradas, o povo não terá liberdade e sempre haverá alguém para enviar os ``cães de caça do regime`` para vos perseguir, agredir e eliminar.

FUNGULANI MASSO, lembrem-se bem, QUEM NÃO LUTA PERDE SEMPRE, A LUTA É CONTÍNUA.

Zeca Caliate, General Chingòndo um dos sobreviventes da teia do mal Frelimo!
Europa, 20 de Março de 2016 
1
Khanga Hanha Muzai said in reply to umBhalane...
Caro umBhalane
Bom dia
Ndza pfhumela makwezu a ku bula na wena – aceito irmão conversar consigo
Caro umBhalane , seria estranho não gostar do MPT, é um facto aqui se aprende muito, eu sou o aluno que se senta na primeira fila com objectivo de sorver o saber que nos é oferecido gratuitamente.
Ora, ora meu camarada, estou receoso de enveredar numa conversa que não sei se percebi bem, tens um estilo de escrita que requer habilidades especiais para o entender, não sou erudito por isso perdoe-me qualquer mau entendimento que eu manifeste, reconheço as minhas limitações analíticas, mas, vamos a isso:
umBhalane afirmas que..: Hoje fiquei de saber que ANTES dos brancos, os tais de colonialistas, chegarem a África, não havia, DEShavia, Etnias ("tribos") diferentes, muito demais diferenciadas, em usos, costumes, tradições, fisiologia, e mais muitas outras coisas. Fim de citação.
Eu explico melhor mano, é assim, quis dizer que antes do processo colonial se estabelecer como tal, digo, quando ainda eram só trocas comerciais, quando os muzungos estavam a descobrir o que não sabiam que existia e ainda “o caminho paras as Índias”, nesse tempo as trocas comerciais já decorriam na Africa-tribal, Africa-dos-Pequenos reinos, onde cada tribo era um reino, sim, nesse tempo o tratamento entre diferentes grupos étnicos não se orientava pelo divisionismo e tribalismo exacerbado como o que assiste hoje, o seu entendimento UmBhalane de que não haviam etnias/tribos tem de ser claramente referenciado como seu entendimento e não meu, pois não estou colocando muzungos ou rostos pálidos como os únicos e especiais culpados do tribalismo Negativo, tribalismo problemático, tribalismo catalisador de conflitos, o tribalismo de “nós somos melhores que aqueles”, em africa, pois, o tal de tribalismo até em Portugal existiu nos tempos modernos com outros nomes mas existiu.
UmBhalane o seu discurso satírico sobre a harmonia harmónica que imperava então no tal jardim Éden famoso berço da Humanidade, Africa. Deixe-me dizer-lhe o seguinte eu não duvido que o equilíbrio natural das coisas pode ser imposto ou proposto ou acidental. No tempo a que me refiro existia sim equilíbrio harmonioso, este podia por vezes ser perturbado na sequencia de desavenças entre grupos diferentes e ou expansionistas como foi o caso da chegada do colonos Maxanganes vindo da terra do Chaka-Zulo, mas, mesmo nesse período facto era que os vencidos resignavam-se e eram integrados na tribo do vencedor na qualidade de súbditos, você sabe, podes tentar fingir que não, mas, deste modo esclareço que o famoso jardim do Éden ainda o é e todos voltarão para aqui em AFRICA, foi aqui que tudo começou e aqui que todos devem sentir-se em casa, estamos juntos?
KHM = "jardim à beira-mar brotado"???!!! Hó UmBhalane, ainda me falará desse “jardim a beira-mar brotado”.
UmBhalane afirmas que: AGORA fico com outro grande problema!!! Quem foi que introduziu a SERPENTE para DESestabilizar a harmonia idílica, angelical, celestial,...que imperava no ÉDEN?
Primeiro, eu gostaria de propor que desmistificássemos a serpente dando a ela os nomes que merece ter, vamos fazer as contas juntos:
Os conflitos que me parecem ser a génese do mal maior foram aqueles que subjugavam outros seres humanos classificando-os como inferiores as outros seres não menos inferiores que os primeiros, a mim marcou-me bastante o processo de escravatura que me parece ser a maior baixeza dos seres humanos, quando estes se julgavam donos de vida, e sobre ela entendia ter direitos de usufruir, abusar, vender e ou matar sem ter que prestar contas a outrem infelizmente os mais visados e últimos a serem livres foram os pretos, os registos dizem que as primeira notícias sobre escravos em África, é de uma estela egípcia do faraó Sneferu (4ª. Dinastia, 2.680 aC), anunciando a captura de 7.000 escravos durante uma expedição militar à Núbia/Sudão. A escravidão foi muito comum no mundo antigo, e foi a base das economias de então, um tal de Estrabão fala da conceituada classe dos comerciantes de escravos nesse período negro da história da humanidade.
Os indianos por volta do seculo VI já traficavam escravos moçambicanos e os mandavam para china e Indonésia, os Egípcios em seu tempo também exportam para mesopotâmia e Europa também os eunucos eram castrados na Arménia..etc, nestes grupos de pioneiros sacanas estão inclusos Árabes, Holandeses, Portuguese, Ingleses, Espanhóis, Alemães, Africanos Egípcios…também chineses, cada um desses povos de uma ou de outra maneira contribuíram para o desenvolvimentos da hipocrisia humana, desumanização do negro e na transformação deste como um conjunto de músculos não diferentes dos burros de carga e ou bois para puxar charrua, sim, estes vindos do tal “jardim à beira-mar brotado” trouxeram também doenças estranhas aos pretos e em alguns entre outros povos causaram desastres de proporções apocalípticas, se não estou em erro na AMERICA um povo de índios quase foi exterminado devido a doenças de brancos.
O Colonialistas Brancos/europeus tiveram o seu papel não foram os únicos, pesar de terem sido os mais cruéis, mas, os que nos marcaram mais e nos obrigaram a cantar “Heróis do Mar”, foram os PORTUGUESES não existe sombra de duvidas, certamente que estás de acordo meu branco de 2ª como te chamavam os seus compatriotas mais lusos que você, ensaiando já o tribalismo branco onde existiam os bancos de lá e os cá, por isso você os ama maning não é mano?
O Exemplo mais eloquente de que não se pode agradar a gregos e troianos esta aqui, falava eu com alguém sobre Xingondos e Maxanganas, e me caiu um individuo com vontade de entabular conversa porem já preparado para o conflito, as questões colocadas pelo actual interlocutor tem por objecto sacanear o assunto para este resvalar em nada os pelo simples facto de ele mesmo ser apologista do tribalismo e divulgador mor do sentimento de aversão pelo império de gaza vencido e derrotado pelo Mouzinho de Albuquerque, mas, acha que Ngugunhane ressuscitou e que agora atazana Moçambique via ponta vermelha “a casa do poder em moçambique”, por isso que eu faço das suas palavras as minhas “grande problema, já problemático, é que quando se arranja uma "solução", levantam-se logo novos problemas, outros problemas”.
Conversando lembro-lhe que a partir de onde afirmas no teu texto que : “Deixa-me explicar”.
Tudo a seguir diz-me muito pouco, confesso que não esforcei-me para entender, pois ai dar-te-ia razão de que o Adão e Eva eram pretos, porem como estou acautelado sobre a mutabilidade dos rostos pálidos principalmente quando tem interesses em jogo, reservo-me ao direito de ensinar aos meus filhos as historia que jaz na Bíblia e nas imagens sacrossantas difundidas já a muitos seculos, o primeiro casal foi de brancos, o filho de Deus tem olhos azuis e é loiro eu ainda acharei o meu Adão e a minha Eva essa dai é sua e bem sabes como foi encomendada não te esqueças dos magos negros que vão presentear cristo também são uma diarreia intelectual maravilhosa, mas, nós os africanos quando falamos africanamente falando não conseguimos evocar o Adão ou a Eva, disso sabes bem nê? Sabe porquê? Os nossos Sangomas sacerdotes/feiticeiros/curandeiros não inventaram essas fábulas, dogma, lendas, embuste, historia. Eles inventaram pontes de contacto com além espiritual que ligava os vivos aos mortos com a particularidade de entre os mortos evocados não constar Adão e Eva.
Em Africa viveu-se em paz, sem vergonha, puros, em harmonia perfeita, com TODOS os males expurgados, no sétimo céu, no paraíso onde vivem os arianos donos do saber, todos brancos, donos da maldade, donos do desejo, donos da vida e da morte.
Estão a retornar e são muitos os de lá, antes eram patrões, hoje são patrões e ainda racistas em casa alheia, África é um país maravilhoso por isso os acolhe pois estão cheios de “in god we trust” (Dolar).

Esqueci-me de afirmar que se os colonialistas fossem todos como você estaríamos realmente ferrados, o seu apetite em colocar-se em frente da linha férrea sabendo que o que vem a seguir e um Trem Bala, mostra claramente que dançaríamos Dzukuta todos os dias, eu estou aberto a entender-te mas tens que me ajudar quanto ao código que usas, adianto que não precisa chamar-me analfabeto desse jeito, fala para eu te entender porque como antes disseste ao invés de acharmos soluções, provocaremos problemas.
QUEM NÃO LUTA, PERDE SEMPRE - A LUTA É CONTÍNUA

Khanga Hanha Muzai
2
Francisco Moises said in reply to Khanga Hanha Muzai...
Caro Muzai,
Os colonialistas nos jogaram uma tribo contra a outra, mas mesmo assim nunca conseguiram nos dividir por completo. Havia sempre casamentos entre os tais chingondos e os tais mabazarutos. Um sobrinho meu que ja nao esta neste mundo e que vivia na Beira tinha uma mulher de pai sena e de mae bazaruto, inhambanense para ser especifico; Casal Ribeiro que era adjunto do Magaia antes de ser adjunto do Machel depois da morte do Magaia nascera em Mutarara de pai xuabo e mae sena.
A Frelimo veio a fazer o pior e agudisou o tribalismo com as suas politicas de segregaçao tribal, mas mesmo assim nao aguenta e desconsegue visto onde ha amor, o tribalismo nao pia.
3
umBhalane said...
Kopheni, ndisafuna kuceza na wie - Com licença, quero conversar consigo.
Gosto muito DAQUI, Moçambique para Todos.
Aprendo sempre coisas novas, mais avantajadas, e de fontes bem alavancadas.
Hoje fiquei de saber que ANTES dos brancos, os tais de colonialistas, chegarem a África, não havia, DEShavia, Etnias ("tribos") diferentes, muito demais diferenciadas, em usos, costumes, tradições, fisiologia, e mais muitas outras coisas.
Pelo contrário, a harmonia harmónica imperava - "afinale"... não foi em África que houve o ÉDEN - o cadinho, o berço da humanidade - o tal de "Jardim do Éden", que muitas demais vezes confundo com aquele outro "jardim à beira-mar brotado"???!!!
Definitivamente foi em África.
AGORA fico com outro grande problema!!!
Quem foi que introduziu a SERPENTE para DESestabilizar a harmonia idílica, angelical, celestial,...que imperava no ÉDEN?
Só pode ter sido um colonialista, e branco (já estamos de descobrir que existem colonialistas pretos!!!, TAMBÉM!!!) - o que se aprende à própria custa, já propriamente. Isto é, a levar porrada no corpo.
"Quando os cabeça não tem juízo, o corpo é que paga".
Grande problema, já problemático, é que quando se arranja uma "solução", levantam-se logo novos problemas, outros problemas.
Deixa-me explicar.
Adão e Eva eram pretos e viviam no tal de Jardim do Éden, em África claro.
Berço da Humanidade, até agora, segundo a ciência dos brancos.
Em paz, sem vergonha, puros, em harmonia perfeita, com TODOS os males depurados.
(Faz-me lembrar a "boa frelimo" dos tempos da purificação das fileiras).
Depois, alguém veio perturbar esse perfeito clima de paz, introduzindo uma serpente, símbolo do mal desde sempre (há culturas que deificaram os ofídios).
Esse perturbador, esse introdutor do mal (serpente) foi um branco, hoje mais conhecido por colonialista.
Questão: afinal havia outro (s)!!!
Há (hão) muitas respostas, já conforme os vários gostos.
Saltando muitos milénios, dezenas de milénios, eis que os brancos, colonialistas, vieram outra vez.
RETORNARAM???????
E dividiram o que estava unido, e em perfeita paz celestial e terrena - a harmonia pura.
E introduziram o sofrimento, os mosquitos da malária, a mosca tsé-tsé, a ébola, a SIDA/HIV, a lepra, a bilharziose, a cegueira dos rios (oncocercose), a elefantíase, a lepra, a tinha, ..., DESnutrição,..., é o que não falta que os colonialistas (brancos) meteram dentro.
Agora já entendo mais melhor aqueles(as) académicos(as) que escrevem em "dissertações/teses,...", bem regadas com muita cerveja "shangaan":
"A África é um país maravilhoso, com uma religião natural."

Não há jeito maneira, mesmo, e até, para um colonialista já calejado que nem mim.

NUNCA, ou, na mais melhor da hipóteses hipotecadas, centenas de anos.
DESconsigo.
Vou de dormir.
FUNGULANI MASSO.
É BOM ACORDAR DE VEZ.
FUNGULANI MASSO.

LEMBREM BEM
QUEM NÃO LUTA, PERDE SEMPRE
A LUTA É CONTÍNUA
4
Khanga Hanha Muzai said in reply to Francisco Moises...
Hoi Kota Moises
Boa tarde
Prof. Moises, perdoe pela resposta tardia, como sabeis por vezes fico impossibilitado de interagir em tempo hábil, espero que compreendas.
Com relação ao nosso diálogo, esclareço que estou absolutamente satisfeitos com o entendimento que o Dr. Moises tem do assunto referente a nossa autoflagelação e autodesprezo em função de ser-se de lá, daqui, dali, etc.
Eu penso que a maior vitoria que processo colonial teve em Moçambique foi a fragmentação da sociedade moçambicana em tribos tribalistas, hoje, é com muita tristeza que percebo para onde caminhamos, levaremos mais seculos a tentar sanar os erros do passado. Africanamente falando nunca foi problemas ser Nyungue, Ajau, Makonde, Macua, Sena, Ndau, Bitongo, Maxangana, Maronga, etc., pois, nesse período em que o colono ainda não o era no sentido actual do termo, os africanos interagiam e nunca por essa via entravam em conflitos, estou sabendo que muitos casamentos eram realizados entre tribos diferentes, a única coisa que imperava por essas alturas era o respeito pelas tradições de cada grupo étnico, não estou falando das situações em que havendo conflitos entre dois grupos tribais, este, esparramava-se na pancadaria e ou batalhas, nestes casos o espolio de guerra incluía o sequestro de mulheres que eram muita caras quando casadas formalmente, sendo essa situação de guerras, oportunidade excepcional para se ter mulher sem pagar nada aos pais dela por estes terem sido derrotados na batalha, em alguns casos estes viravam escravos dos vencedores.
Com o acima exposto, pretendo de dizer que africanamente falando nunca houve Xingondo ou Mabazaruto, não era de praxe nas relações entre grupos étnicos diferentes destratar outrem pelo facto de ser oriundo de outras paragens.
Dr. Moises, afianço-lhe que quanto menos cuidado tivermos em relação este assunto mais probabilidades de desaguarmos em outros banhos de sangue a semelhança do Burundi/Ruanda, Líbia, Iraque, RSA e outros países é elevada, os países antes referidos tem semelhanças com Moçambique em virtude de serem detentores de um mosaico étnico cultural diversificado.
Para alguns exploradores a situação de Moçambique se apresenta como uma vantagem real, ter um povo que não se entende entre eles mesmo, já não será preciso dividir para reinar, pois, já estamos divididos e de que maneira. É pena que soframos por ter conhecimento e por não ter também, este é preço que pagamos com o nosso próprio sangue.
Ai vai um abraço moçambicano
Khanga Hanha Muzai 
5
Francisco Moises said in reply to Khanga Hanha Muzai...
Caro irmao Muzai,
Estou imensamente grato pela sua explicaçao penetrante e pelas teorias sobre a origem da palavra chingondo, palavra esta que hoje em dia veio assumir significados pejorativos enquanto que possivelmente na origem os sulistas se apoderaram duma palavra do centro ou norte de Moçambique em admiraçao das qualidades e virtudes dos tenases do centro e do norte que se encontravam no sul e que, as vezes, se viam a lutar para sobreviver e para se imporem.
A tenacidade dos senas em lutas fisicas com punhos é lendaria. No Rodesia, hoje Zimbabwe, os senas impuseram-se entre os campoes no boxe com os shonas. E na luta de punhos sao temidos.
As linguias do sul, do centro e do norte sao todas bantus, elas tem muito em comum no prefixo xi ou chi que na lingua sena, por exemplo aparece em substantivos como chikerumu para dizer um ser muito cruel, chirombo para significar um ser estranho cruel e o plural do prefixo xi ou chi em sena é pi como pikeremu ou pirombo enquanto que nas linguas do sul é vi ou va.
Xi ou chi em sena pode tambem ser um prefixo adverbial para assinalar a maneira ou o modo ou atitude de fazer alguma coisa.
E é muito possivel que a palavra chingondo seja uma corrupçao dos sulistas da palavra sena chinkhondo visto que seja que o som nkh nao existe nas linguas do sul e que quase é impossivel reproduzir o som aproximado do nkh em português, pelo que a minha ortografia da palavra é do inglês. Nkhondo quer dizer guerra em sena e chinkhondo (o que possivelmente veio a ser chingondo)quer significar "como se fosse uma guerra, como se estivessemos numa guerra."
"Nakumenha chinkhondo" quer dizer "vou te bater como se estivessemos em guerra."
Nakumenha chimun,a geralmente diz-se "nakuemenha ninga mamuna", para deizer vou te bater como homem ou a valer.
Nakumenha chikazi para dizer bater a maneira de mulher, geralmente diria-se "nakumenha ninga nkhazi." Isto diria-se para ridiculisar a maneira de bater implicando que é fraco, em força, sem energia ou duma maneira estupida.
É que na lingua sena, acçoes positivas e de grande valor sao masculinisadas e o que é negativo is feminisado.
Na impossibilidade de pronunciar a palavra chinkhondo a maneira sena, é possivel que os sulistas começaram a imitar a palavra a sua maneira e a palavra terminou por ser chingongo e chingondo ficou a signficar pejorativamente "esta gente la do centro ou do norte." E com o tempo a palavra assumiu um significado pejorativo e de desprezo na mente de alguns.
E foi assim que me disseram que a palavra chingondo era um termo de desprezo para as pessoas do centro e norte de Moçambique.
6
Khanga Hanha Muzai said in reply to Francisco Moises...
Boa tarde Kota Moises

Boa tarde Moçambique
Venho desta feita tecer pequenos comentários em relação dos ditos do Prof. Moises, na presente ocasião irei descordar das conclusões estampadas no primeiro paragrafo do seu 1º comentário, alias eu repesquei o paragrafo inteiro e abaixo exponho:
Prof Moises, disse = Estou muito impressionado pelo conhecimento que o General Zeca Caliate, o auto- designado General chingondo por uma razão que muitos não entendem, mas que tentarei explicar neste comentário. Houve quem pensou que o General estava a exprimir tribalismo e regionalismo. Não entendo bem como é que se auto-intitular chingondo seja tribalismo ou regionalismo desde que não existe uma tribo ou uma região que se chama chingondo. Pelo que sei a palavra chingondo, que exista ou não como uma palavra de qualquer das línguas do sul, foi criada ou inventada por alguém no sul para designar e desprezar as pessoas do centro e do norte como entendidamente pessoas de baixo nível ou atrasadas ou coisa deste tipo. Fim de citação
KHM= Ilustre Dr. Moises vamos colocar os pontos nos “iis” de uma vez por todas, espero, no que refere a figura o General Xingondo o sobrevivente da teia do Mal Frelimiano, penso que a minha opinião pessoal o Dr. Moises, conhece-a, porem, parece que das varias vezes que entabulamos diálogos aqui e que acidentalmente venham colidir com o espectro Tribalismos, divisionismo, etc., não nos elucidamos o suficiente, ora bem meu mestre, quero tentar trazer para si o meu entendimento do termo Xingondo.
1- Gondo = a Guerra ou Luta
2- Xi, = Prefixo diminutivo singular das palavras tsongas exemplo (Xi-tolo-Cantina; Xitulo= Cadeira ou banquinho; xibulukwane=calcão; xipawane=pãozinho; xituvane=pombo; xinhanhane=passarinho, ximbutane=cabritinho, xingunluvane= porquinho, xipiche= Gato).
3- Xingondo = surge inicialmente como referencia as gentes vindas do norte e que nas querelas entre eles ou vizinhos articulavam a palavra “na-ku-menha Ngondo”, o que significaria que vou-te bater e ou vou lutar consigo (algo do género).
Ma-pawa (pães), Ma-buluku (calças)
Xi-ngondo (vindo do norte) também conhecido como bom lutador
Phi-tsamo (cadeiras) // Xi-tsamo (cadeira)
Ti-mbilo (avidez)
Explicado com minha insciência espero que me ajudes a formatar a ideia de forma mais sabia, no entanto importa destacar que os sulistas em reconhecimento/respeito/temor do espírito guerreiro/lutador/destemido dos Irmãos do centro-norte, passaram a designar todos aqueles que falassem uma língua não compreendida na região sul como PHI-NGONDO o que equivaleria ao termo nortenhos (no plural), sem nada pejorativo, no singular o termo antes referido fica como sendo XINGONDO (no singular “repito), ate aqui não jaz nada pejorativo.
No entanto no decorrer do tempo esta designação inicialmente despida de qualquer maldade porem prenhe de admiração tornou-se uma espécie de nick-name/alcunha dos moçambicanos vindos da parte central e norte do país, alias, não esquecer que no mesmo período estão sendo chamados de landim os sulistas-mabazaruto, maxanganes, isso na Beira e Quelimane. Sem delongas os Irmãos do sul também evoluem para nomes como Xigogogwane= Lata metálica, isto pelo facto de parte considerável destes irmaos virem a Lourenco Marques de Navio “lata flutuante”, também os chamcavam de xiviawane= aviãozinhom, pelo facto de também virem a maputo de avião.
Dito isto convido a todos a perceber-mos este fenomino do xingongo & dos landins note-se que landim que no meu entender deriva estranhamente da palavra “mulandi” o que significa humano de cor negra, onde o prefixo “mu” funciona como indicador singular quanto ao número, pois no plural seria Valandi, a língua falada por este chama-se xilandi, lembrar o xingondo.
Ora de alguma forma seria importante trazer aqui alguns exemplos que nos ajudariam a perceber o porquê do comportamento bravo dos vientes na zona sul, hoje que falo são famosos Irmãos provindos de Massinga e Vilanculos, normalmente jovens sem família vem a Maputo e procura de melhores condições de vida, quando o fazem não tem ninguém para os oferecer amparo e segurança, quando estes jovens entram em conflito com qualquer outra etnia o vuku-vuku dai resultante seria digno de filmes de terror estes jovens lutam com uma bravura animal tudo isto porque ele sabe que está só e o seu adversário e individuo local, nas vezes que estes jovem são sovados eles preferem morrer nas suas mãos sendo normal o vencedor fugir do perdedor que apesar de maltratado não desiste de querer continuar a lutar, esta característica e comum em todos aqueles que estão longe de casa e que tem de proteger de agressões diversas incluindo as agressões físicas que não ocorrem pelo facto de uns serem daqui e ou de la, mas, porque no relacionamento deste houve contradições que uma das partes entendeu resolver a pancada, entendas as lutas antes referidas nunca tem origem étnica mas brotam de negócios mal feitos, aldrabice, roubos, de umas das partes sem distinção alguma.

Significado de Landim
Língua de Lourenço-Marques,”língua dos Landins” = Linguas dos pretos
Definição de Landim
Classe gramatical: adjetivo de dois gêneros e substantivo de dois gêneros- Separação das sílabas: lan-dim
Plural: landins

Bem kota Moises, eis a minha percepcao do que significa xingondo ate hoje, porem reconheco que a dado momento todos sulistas e centro-nortinhenos comecaram a vilipendiar-se motivados pelo facto de uns articularem protugeus melhor que outros, uns terem mais gente assimilada que outros, uns tentarem agir como se fossem brancos o que na altura era recomndavel, uns porque a diferenciacao etnica ajudava a criar sentimento de pertenca a grupos especificos garantindo assim a proteccao de grupo, neste processo todos enveredaram pela autoflageflacao achando que dessa forma mostravam-se superuiores que os outros mesmo fenomino teve lugar entre marongas e maxanganas, entre bitongos e maxnganes, entre matsuas e maxopes nestes ultimos com menor expressao, mas, na verdade nada do que se disser sobre a origem real desse aparente mutuo desprezo sera certamente uma luta titanica para achar a resposta que não seja tendenciosa e ou provocativa.

Eu continuo a pensar que quem chama xingondo a alguem no sentido pejorativo não sabe o se esta falar, assim como o centro- nortenho que chamar a outros viente do sul de mabazaruto, landim, maxangane, etc, tambem estara na mesma situacao que aquele que tiver feito independentimente da origem etnica.

Dr. Moises
Tentei, continuarei a tentar ate que um dia todos sejamos capazes de tratar-mo-nos com respeito chamando xingongo ou maxangane ou mabazaruto com respeito, igual situacao esta para as cores da pele e possivel chamr preto a um negro sem que esteja a insulta-lo assim como e possivel chamar branco com crga pejorativa, desta forma concluo que a lado pejorativo esta na intencao do articulista não do termo/adjectivo em si.
Prontos meu pai falei, espero a puxes as minha orelhas so um pouquinho e não muito.
Khanga Hanha Muzai
7
O QUE TERIA ACONTECIDO SE TIVESSE SIDO O GENERAL CALIATE COM A ORDEM DO SAMORA MACHEL PARA MATAR JOAO FACITELA PELEMBE, JOSE MOIANE E HAMA THAI?
Se tivesse sido o General Caliate com ordem de liquidar aqueles três facinoras e ele estive a dormir como aqueles três estavam numa palhota naquela noite decisiva em que o General saiu da base para salvar a sua vida, aqueles três algozes teriam seja capturado o Caliate par tortura-lo antes de mata-lo ou o teriam morto enquanto ele estava a dormir antes deles fugirem da base.
Nao tenho duvido que eles teriam feito isto e nao teriam tido a magnanimidade do coraçao como o General Caliate teve e demonstrou aos três grandes assassinos.
8
Como ja disse muitas vezes, o mais importante e ser consequente e nao estar correcto. Quem jamais fica e e correcto ao ponto de satisfazer e agradar a toda a gente? O ser corerecto e uma coisa relativa. Onde eu penso que estou correcto, uma outra pessoa pdera pensar que estou errado.
O meu louvor pela postura do general Caliate, o grande combatente que a ingrata Frelimo nao respeita e nunca agradeceu pelo esforco e sacrificio que ele emprendeu na luta dita pela libertacao nacional, e devido a sua postura de homem consequente e inabalavel, e nao muito porque ele esta correcto, embora esteja correcto nesta situacao concreta.

9
Estou muito impressionado pelo conhecimento que o General Zeca Caliate, o auto- designado General chingondo por uma razao que muitos nao entendem, mas que tentarei explicar neste comentario. Houve quem pensou que o General estava a exprimir tribalismo e regionalismo. Nao entendo bem como é que se auto-intitular chingondo seja tribalismo ou regionalismo desde que nao existe uma tribo ou uma regiao que se chama chingondo. Pelo que sei a palavra chingondo, que exista ou nao como uma palavra de qualquer das linguas do sul, foi criada ou inventada por alguem no sul para designar e desprezar as pessoas do centro e do norte como entendidamente pessoas de baixo nivel ou atrasadas ou coisa deste tipo.
Francamente falando, eu nunca conheci pessoalmente o Genral Caliate, mas ouvi falar da sua fama como um combatente sem igual depois da fama do comandante chefe Samuel Filipe Magaia.
Por medo ou por odio, os altos comandantes da organisaçao que se tornou numa organisaçao terrorista com o nome de Frelimo liderado pelo boçal dos boçais chamado Samora Machel, decidiram o eliminar, tendo destacado para cumprir esta missao criminosa e nefasta os bandidos todos do sul Joao Facitela Pelembe, José Moiane, Hama Thai que adquiriu estes seus nomes vietnamitas quando estava em treinos no Vietname.
O General Zeca Caliate foi sempre um homem de grandeza de coraçao até ao ponto de nao ter morto aqueles bandidos quando estiveram a dormir numa palhota na noite que ele de livre vontade e para salvar a sua vida deixou a base onde estava em Tete. Tenho respeito pela grande humanidade do General, mas tenho reservas quanto a sua decisao de nao ter liquidado aquelas viboras que tinham a missao de mata-lo e que vinham mordendo letalmente os militantes da Frelimo e que continuam a fazê-lo depois da independencia.
Foi ou nao foi bom ter deixado vivos estes homens que chacinavam os filhos e filhas de Moçambique? Nao tenho resposta para isto e nao exijo uma do meu General. Ele agiu em plena consciencia, mas eu os teria liquidado antes de sair. O General Caliate estava armado quando saiu e poda ter liquidado almas inuteis e grande criminalidade.
O General sofreu na carne a discriminaçao tribal e regional na Frelimo. Nem se vendeu 
disfarçando-se de sulista para receber um melhor tratamento como alguns fizeram. Ele nunca disse outra coisa; sempre se afirmou como zambeziano e natural de Milange. Ele nunca disse de que tribo é. So muito filosoficamente se descreve como chingondo para dizer que ele nao se sente inferior e nao é diferente de qualquer outra pessoa moçambicana chingonda ou sulista. Como de Cartes, o filosofo francês, ele simplesmente diz que esta ciente de que é um ser humano e existe. Que é chingondo como outros queiram o descrever e que tal nao lhe precupa por nao se sentir inferiorisado.

Afinal de contas, se formos nesta coisa de duns a desprezar outros. Nenhuma tribo esta mais atras do que a outra. Os senas, tambem no grupo de chingondos, apelidam qualquer pessoa do sul de ABAZARUTU, o que, na mente dos senas quer dizer pessoas de baixo nivel, atrasada ou pessoas que nao prestam. E apelidam os changanas, os seus inimigos historicos com quem entraram em guerra em 1895, de madzwiti, palavra que parece ter a sua origem no nome Zwide, mas a palavra madzwiti na mente dos senas exprime um grande desprezo e odio historico.
So a melhor coisa para acabarmos com estas coisas seria de nos respeitarmos e nos tratarmos como moçambicanos, coisa que nunca sera possivel na medida em os do sul querem dominar e tratar o resto de Moçambique, o centro e o norte, como uma colonia. La esta o problema.
Entendo e simpatiso com o Miguel que se sente magoado quando ouve alguns chingondos a diabolisar as pessoas de Gaza como changanas.
Francamente, eu lhe agradeço pelo seu esforço em explicar que duma maneira geral nao existe uma tal tribo de nome changana. Tratou-se de alguns fugitivos que nao vinham com mulheres em geral, de guerreiros que tinham fugido do Shaka Zulu no Natal por medo de serem castigados com castigos que consistia geralmente de açar pessoas condenadas a morte em redor duma fogueira de fogo intenso e para quem fosse apanhado a fornicar uma mulher da corte real do Shaka Zul, o individuo era atado nas pernas e nos braços e atirado para aguas de rios onde crocodilos estavam aguardar duma refeiçao humana.
Tendo estes impis ou guerreiros comandados por Sotshangana (desculpem-me pela ortografia do selvagem que vi num livro em inglês)conquistaram algumas areas no sul onde tratavam os povos locais sem tradiçoes guerreiras como escravos e se apoderavam das suas mulheres. A esta mixtura veio a se dar o nome de changana, mas os changanas puros que vieram do grupo fugitivo do Sotshangana eram muito poucos. Infelizmente para muitos do centro e do norte, changanas sao todas as pessoas do sul e de Gaza mais especificamente.
O General Caliate tem toda a razao. Basta ouvir o que a Frelimo fez a um outro zambeziano e grande combatente de nome Alexandre Magno. Quando o prenderam depois da chamada independencia, partilham-lhe um olho e levavam-no de braços atados com cordas de aldeia a aldeia para exibi-lo e demonstrar aos zambezianos como a Frelimo tratava "reacionarios."
Quanto aos filhos do Uria Simango, aqueles se venderam e venderam as suas almas aqueles diabos que liquidaram os seus pais depois de humilharem o seu pai e forçarem a mae deles a escandolos sexuais com Samora Machel e outros em Nachingwea, somente com o intuito de humilha-la e para depois a matar.
O outro que se provou ser um grande bobo neste novo chamado conselho é o tal bispo anglicano Dinis Sengulane. Em vez de se manter na sua vida e em dignidade, aceita estas bobices do Gomate wa Zaurinha.
Mia Couto diz que a Renamo não quer dialogar
Segundo o escritor renomado Mia Couto a Renamo mostra que não está interessada no diálogo ao impor condições para tal. Para Mia, impor condições para o diálogo é chantagear o governo e o povo. "No fundo quem impõe condições está a jogar com vidas humanas, está a fazer chantagens com aquilo que é a tranquilidade dos moçambicanos todos. Um partido político não pode, ao mesmo tempo, ter presença na Assembleia da República e ter armas" - referiu Mia Couto.

Gosto
Comments
Luis Nicolau Carvalho Com isto qual a saida? O mia couto se esta a favor d dialogo, q se retire d maputo ,ir ao encotro d djakama ,lhe sencibilizar ao dialo cm governo, para ns cm populacao , so qrems saber d dialogo ao nivel mas alto,seja cm os meios...abaixar matar nossos filhos/irmao/primo/sobrinhos ,da renamo tanto cm d FADM e UIR/FIR, q nas ultmas semana estao sendo vitmas d ambos.
Jose Ngokha Mia Couto desceu ao seu mais baixo nível. Está a ser advogado da Renamo sem ter sido credenciado. O que o faz correr?
Miguel Escondido Mia ja miou cheirando mal boca. Nao tem vocacao de ser escritor apenas e' sadico.
Gosto216/3 às 19:57Editado
Golfinho Fastudo Fastudo outro esse chuta lata incopetente
Beto De Marso Foleg Grande mia couto
Gil De Maria Beatz Kakakaka ja é a hora de qualquer um chamar os jornalistas e falar o que quizer pra aparecer nos jornais,Rádio,TV's.
Nihora Wampula É melhor dizer a ele, o que ele acha ser normal consoante as raizes dele, para nós Moçambicanos é uma particularidade...se ele quer, é melhor mudar de nacionalidade...prontos...
Laimo Antonio Laimo Perdoe sao sintomas de velhice musturado com lambe botismo e luta de sobrevivencia
Gosto217/3 às 6:02
Amandio Sofrinho Um pilantra esse velho!
Gosto117/3 às 9:42
Dyno Maravi Aq basta si falhar pouco ja e pilantra?kkk
Jose Manuel mia couto e um macaco da frelimo cao
Gosto218/3 às 11:11Editado
Angela Maria Serras Pires Esse fulano vive à custa dos frelos é um vendido
Gosto119/3 às 8:41
Jose Manuel E um camaleão desleixado que engana os incautos eu sempre sub e que esse cão e comunista até aos ossos
Gosto119/3 às 8:43Editado
Orlando Tembe Meus senhores o povo mais vulneravel estao a passar mal crianças ou bebes estao a ficar orfao e ninguem diz nada sobre esta desgraça.penso que o escritor nao intende nada da politica o lider da Renamo foi uma das pessoas que mostrou estar preocupado com a paz:saiu das matas para dialogar com comamdante em chefe mais tudo vi que foi uma traição todo mundo viu ate o proprio mia coto viu ate podias escrever seria uma das grandes obras,viu se tambem o escandalo da matonga.O custo de vida subiu mais de 100% e nos outros distritos mesmo com dinheiro voce nao tem nada nos mercados unica coisa que ainda nao sofreu alteraçao e sal.Se os dois governos nao tomarem isso mais rapido possivel sera igual a somalia.A constituiçao sera posto de lado a criminalidade tera outro nome porque tudo deixara de ser crime.
Jose Manuel Há 40 anos que o povo passa fome so agora é que se lembraram do povo quem provocou esta situação foi a frelimo com assassinatos raptos tentativas de assassinatos emboscadas etc falem ao vivo presidente que compra com a lei e se demita e muito simples
Gosto23 h
Orlando Tembe Na 4feira os autocaros de Quelimane a Beira cegaram 23h30 voces sabem que sofrimento esta gente passaram?
Nihora Wampula Mia Coto é um dos que abusa o povo Moçambicano....só como os partidos em conflito não são dos brancos e pretos, assim tem dificuldades de escolha da nova oportunidade, como com a Frelimo féz! Oportunistas nunca tém caras especificas...Obrigado Orlando
Cristina Ussene Mia Couto! Mia Couto! Mio mesmo.
Filó Filipe Mainato Mia Couto sempre com as suas palavras sabias e construtivas,força Mia Couto tu mereces e é por ixo es um grande Excritor! "O DIALOGO É A CHAVE DE OURO".
Felizardo Chimuaza Povo deixe o gaju miar pois o nome dele ja diz tudo um gato lambe bota deve miar mesmo para garantir subsidios
Nihora Wampula Ele não tem como, caso mudaria a cor
Regalado Onofre Eu acho ele não está compreender como a frelimo foi construída, de criminosos, bandos organizados, e uma organização enganosa, que tenta pilhar e humilhar os outros Moçambicanos, Mia Couto, talvez devia se informar às situações política que temos no país, o fulano não pode ser descontrolado com as características frelimistas.
Gosto223 h
Bigvai Sahara Kate Palhassada o burro de mia couto e da frelixo
Emmanuel Rhino Onde estava esse Miau ... quando os bandidos armados cercaram a casa do Presidente de Moçambique eleito democraticamente na Beira, onde ele miava?
Gosto12 min
Regalado Onofre Este miau vive em África do Sul

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook