quarta-feira, 23 de março de 2016

Capturado o terceiro suspeito dos atentados em Bruxelas

Polícia deteve um homem mas não o suspeito que fugiu do aeroporto em Bruxelas

Vários jornais belgas afirmaram durante a manhã que o homem detido era Najim Laachraoui, procurado pelas autoridades, uma informação que já foi desmentida. Autoridades marcaram uma conferência de imprensa.
REUTERS
Foi detido um homem esta quarta-feira de manhã em Anderlecht que poderá estar ligado aos atentados em Bruxelas. Vários jornais belgas avançaram com a informação de que se trata de Najim Laachraoui, que já era procurado pelas autoridades e que foi filmado pelas câmaras do aeroporto. Contudo, esta informação já foi desmentida e está prevista uma conferência de imprensa para as 13h em Bruxelas (12h em Portugal Continental).
Laachraoui, de 24 anos, é procurado pelas autoridades desde segunda-feira. O seu ADN foi encontrado nos apartamentos utilizados para a preparação dos ataques de Paris, onde terá ajudado a planear os atentados bombistas e a preparar os explosivos. Com o nome falso de Soufiane Kayal alugou uma casa em Auvelais, local de onde foram preparados os atentados de Paris.
A televisão belga RTBF avança com a informação de que os dois bombistas suicidas responsáveis pelo atentado no aeroporto de Bruxelas são os irmãos Khalid e Ibrahiam el Bakraoui, de 27 e 30 respectivamente.
Os dois irmãos tinham registo criminal e eram procurados pela polícia. Ibrahim el Bakraoui foi condenado em 2010 pelo tribunal de Bruxelas depois de ter disparado, com uma Kalashnikov, contra a polícia. Este acontecimento remonta a 30 de Janeiro daquele ano quando, na sequência de um assalto, Ibrahim disparou repetidamente contra agentes da polícia, tendo ferido um deles. Foi condenado a nove anos de prisão. Em 2011, o seu irmão, Khalid el Bakraoui, foi condenado a cinco anos, mas em liberdade condicional por vários assaltos. 
A mesma televisão afirma que Khalid el Bakraoui, com um nome falso, alugou o apartamento no bairro de Forrest, na capital belga, onde a polícia matou um atirador na semana passada. Na altura, as autoridades descobriram ainda uma bandeira do autodesignado Estado Islâmico (EI), uma arma de fogo, vários explosivos e impressões digitais de Salah Abdeslam, o principal suspeito dos atentados de Novembro, em Paris, e que foi preso dias depois
Os dois irmãos estavam também referenciados por terem alugado, sob nome falso, um apartamento em Charleroi, no Sul da Bélgica, onde dois atacantes se reuniram antes de partirem para Paris, em Novembro, para levar a cabo os ataques que mataram 130 pessoas. A RTBF avança também com a informação de que um dos irmãos el Bakraoui terá fornecido armas e munições para os atacantes que abriram fogo na zona dos bares e no Bataclan, em Paris. 
Durante a manhã desta quarta-feira, o aeroporto de Toulouse, em França, foi evacuado para uma “inspecção de segurança”, após ter sido descoberto um pacote suspeito, segundo informações da AFP. A evacuação começou por volta das 7h da manhã locais (6h em Portugal Continental), e as autoridades francesas já estão a verificar a situação. 
O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, afirmou na manhã desta quarta-feira que é necessário “reforçar o controlo das fronteiras externas” da União Europeia, considerando que a Europa “fechou os olhos" às “ideias extremistas do salafismo”. “É urgente adoptar o PNR [acrónimo de Passenger Name Record, um programa de vigilância de passageiros aéreos]. Estas são as propostas francesas para os próximos meses”, declarou Valls à rádio francesa Europe 1. 
Está marcado um minuto de silêncio para as 12h em Bruxelas (11h em Portugal Continental) em homenagem às vitímas dos atendados do dia 22 de Março.
ATENTADOS EM BRUXELAS

09:58 23.03.2016

BELGIAN FEDERAL POLICE / HANDOUT

De acordo com o jornal belga Derniere Heure, o terceiro suspeito dos ataques em Bruxelas, Najim Laachraoui, foi capturado pela polícia em Anderlecht.

Última atualização às 10:19
A informação é avançada pelo jornal belga Derniere Heure. Najim Laachraoui foi hoje capturado em Anderlecht, na Bélgica.
Najim Laachraoui tem 25 anos e foi apanhado pelas câmaras de videovigilância do aeroporto internacional da capital belga momentos antes das explosões. É o homem de chapéu na imagem de videovigilância revelada ontem.
Era conhecido sob o nome falso de Soufiane Kayal. Terá sido ele a fabricar os engenhos explosivos para o massacre na capital francesa.
Os outros dois autores dos atentados de Bruxelas, são dois irmãos belgas: Khalid e Brahim El Bakraoui e estavam referenciados pela polícia por ligações ao crime organizado.
De acordo com a televisão pública belga, Brahim fez-se explodir no Aeroporto de Zaventem e Khalid detonou a bomba no metropolitano em Maelbeek.
Khalid El Bakraoui tinha alugado uma casa num bairro belga que na semana passada foi alvo de uma operação policial.
Os dois irmãos são também apontados como tendo ligação a Salah Abdeslam, detido por suspeita de ligação aos ataques de novembro em Paris.

Terroristas queriam levar cinco malas para o aeroporto

Hoje às 01:00
O taxista que transportou os presumíveis autores dos atentados de Bruxelas estranhou que o não tivessem deixado ajudar com a bagagem, acrescentando que os homens queriam viajar com cinco malas.
REUTERS/CCTV
Os três atacantes do aeroporto
Os três homens tinham pedido uma viatura grande e ficaram aborrecidos quando chegou uma pequena, em que não cabiam cinco malas, segundo o relato do taxista, divulgado pelo diário "Het Laatste Nieuws".
Esta informação legitima a consideração de que a intenção dos terroristas era colocar mais carga explosiva no aeroporto internacional de Bruxelas do que aquela que foram capazes de levar, acondicionada em três malas.
Depois do ataque, o taxista recordou-se dos três suspeitos e contactou a polícia, tendo sido ele, segundo aquele meio, que levou as forças de segurança à morada onde os tinha recolhido, no distrito de Schaerbeek.
Na busca feita numa casa em Schaerbeek, a polícia encontrou em engenho explosivo, produtos químicos e uma bandeira do grupo que se designa por Estado Islâmico.
As bombas dos atentados no aeroporto foram transportadas em três malas, colocadas em carrinhos de transporte de bagagem.
"Eles chegaram de táxi, com malas - as bombas estavam dentro das malas. Eles puseram as malas em carrinhos. As duas primeiras bombas explodiram", afirmou o autarca de Zaventem, Francis Vermeiren.
"O terceiro [terrorista] também colocou a sua mala num carrinho, mas deve ter entrado em pânico, ela não explodiu", acrescentou.
A possível presença de três terroristas foi também referida pela procuradoria federal belga, que precisou que o terceiro, o único que terá sobrevivido, está a ser "ativamente procurado".
Na imagem captada por uma câmara de vigilância do aeroporto veem-se três homens, cada um dos quais a empurrar um carrinho de bagagem.
A imagem mostra dois dos homens, vestidos de negro, com uma única luva na mão esquerda, o que, segundo o jornal "La Libre Belgique" poderia ter servido para ocultar os detonadores de explosivos.
O terceiro, vestido com um casaco branco e um gorro negro, está a ser "ativamente procurado".
Os dois primeiros são apontados pela imprensa belga como potencialmente suicidas.
As primeiras duas explosões ocorreram com um intervalo de alguns segundos no aeroporto de Zaventem, próximo de Bruxelas, cerca das 07.00 horas na zona de venda de bilhetes da Brussels Airlines e American Airlines.
Aqui morreram 14 pessoas e outras cem ficaram feridas. Na estação de metropolitano de Maalbeek, a apenas 200 metros da sede da Comissão Europeia, uma terceira explosão, ocorrida cerca das 08.10 horas, provocou a morte a pelo menos 20 pessoas e ferimentos a outra centena.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook