segunda-feira, 14 de março de 2016

Awades e Veríssimos são desinformadores


A decadência de uma família, de uma organização e de qualquer sociedade não se verifica, somente, pelo declínio das suas economias que as sustentam, mas também pelo baixo nível moral e cultural que apresentam, debaixo a cima. Qualquer coisa serve para manter a fachada, tais como a mentira, ladroagem e bandidagem que, por vezes toma a forma individual e outra, sob a capa de defesa estado, da integridade territorial do país, com palvreado mais ou menos bonito, barato e sem conteúdo.
É isso que somos dado a assistir a dança louca de um governo desencontrado que atira às escuras para todos os outros os lados. É isso que faz o governo do dia que nega que as suas forças andam a violar os direitos humanos contra populações indefesas, alegadamente porque apoiam os homens armados da Renamo.
Paulo Awade, governador de Tete, o Joaquim Veríssimo, vice-ministro da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, estão especializados em distorção da verdade e desinformação pública. O primeiro ao negar que os refugiados moçambicanos, no Malawi, sejam mulheres e filhos de homens armados da Renamo, que fugiram para aquele território devido a confrontos com as forças governamentais.
Awade isse que os 11 mil moçambicanos são preguiçosos que procuram viver de caridade. O outro por tentar convencer a comunidade nacional, e não só, que as relações entre as populações de Moatize, onde decorrem combates com homens armados da Renamo, sejam cordiais. Para condimentar a mentira, teve ajuda da Rádio Moçambique que entrevistou autoridades comunitárias, grupos dinamizadores, que são fiéis colaboradoras do regime.
Estações de emissora com grande credibilidade internacional como a BBC, VOA, LUSA, DW e a nossa STV reportam que os moçambicanos que estão em Kapise fugiram dos crimes das Forças de Defesa e Segurança, mas, a colaboracionista TVM, RM, DOMINGO insistem que foram os homens armados da Renamo que incendiaram as suas casas e roubaram o seu gado.
O ACNUR, organismo das Nações Unidas para os Refugiados, diz sem margem para dúvidas de que são refugiados. O governo, tentando esquivar-se da vergonha, diz, através do ministro dos Negócios Estrangeiros, Oldemiro Baloi, que são deslocados. A comissão do governo, dirigida por Veríssimo diz não haver evidências de violação dos direitos humanos.
Contra factos não há argumentos. A nós, os refugiados disseram estar a fugir das atrocidades das forças governamentais. 
Como o governo não se preocupa em resolver o problema, porque dele tira proveito máximo, agora, depara-se com uma grave acusação do Tribunal Penal Internacional de as tropas do governo estarem a perpetrar crimes contra humanidade tais que assassinatos de homens, mulheres e crianças, violações de mulheres, roubo de gado – bovino, caprino, ovino, galinhas, patos e outros bens, nas regiões de Nkondezi e Tsangano, na província de Tete. Estes factos foram denunciados pelo mundo. Enfiar a cabeça na areia, à maneira de avestruz, não leva à solução nenhuma.

As violações dos direitos humanos não são nenhuma imaginação. As declarações de um agente dos esquadrões de morte, ao semanário SAVANA, são elucidadtivas. Perguntado se as populações estariam a mentir quando dizem que fogem das atrocidades das tropas governamentais, o agente diz que “Não estão a mentir. Em Tete é que foi mais vergonhoso porque o comandante que estava a frente disse queimem lá essas palhotas, matem os cabritos, bois e outros animais”. Nem Awade nem Veríssimo e suas igualhagens podem refutar estes factos.
A uma pergunta se o grupo dele - de abater opositores à Frelimo - era único, respondeu que “Não é o único. Os outros estão espalhados pelas províncias”. O mais recente relatório da Human Rights Watch, agremiação internacional que vela pelos Dureitos Humanos, aponta que as Forças de Defesa e Segurança de Moçambique cometram barbaridades contra cidadãos civis e indefesos, a norte da provincia de Tete.


Comments
Mestre Jojo Logo meu chara Joaquim Veríssimo ( Da Nojo ver e ouvir esse Fulano) Lambe demais
Gosto118 h
Cristiano Manejo Nossos dirigentes nao tem pena nem piedade,muito menos vergonha.
Gosto118 h
Tomo Valeriano Brincam as criancas. coisas de vergonha
Gosto118 h
Laercio Eder Camal Mulima Ninguém corta o seu dedo.
Gosto18 h
Inock Novela Me parece que eles não conhecem o significado da palavra "vergonha". É lamentável!
Gosto218 h
Joaquim Geremias Geremias Moçambique Em Fogo.
Gosto17 h
O Tal Matchay Machai Mas pela inteligencia. de Dr Joaquin Verissimo nao lhe fica bem apresentar se daquela forma ,ele ate que tentou explicar que oque falava nao e da sua autoria mas,sim obedece alguma organizacao ,quando Dizia,"de acordo com oque eles Dizem '"
Gosto117 h
Manuel Cardoso Nota-se muito bem que esse Dr. é um vendedor da banha de cobra. FALSO. Manipulado.
Gosto116 hEditado
Juliao Baptista Cobre Este governo sempre foi assim chamar herois de matsangaissas assim como colonos que lhe substiuram chamava lhes de turras finalmente o povo ja abriu olhos conhecem as pessoas
Gosto16 h
Juma De Sousq Nigula Lamentavel, tenho vergonha d pertencer ao pais desses assassinos
Gosto13 h
Iris Maria Monteiro Estamos frelididos

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook