sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Adelino Hlomulo J. Chitofo GWAMBE


Presidente e homem que, em companhia Jaime Rivaz Sigauke, Fanuel Guidion Mahluza e Calvino Zaquean Mahlayeye, fundou a UDENAMO, em 1960, na Rodésia do Sul. Em 1962, deu à FRELIMO os Estatutos e o Programa do seu partido.

Torre do Tombo, Serviços de Centralização e Coordenação de Informações de Moçambique, n.º 1135, PT-TT-SCCIM, 1962-1963, folha 621.



Comments

Rafael Ricardo Dias Machalela Calvino Zaquean Mahlayeye? Quem é esse meu tio? Preciso chegar até eles...




Willy Benny Esses são os verdadeiros fundadores da Frente da Libertação de Moçambique (Frelimo), UDENAMO, e os da UNAMO, dois estão vivinhos da silva, em Tete



Escreve uma resposta...


José de Matos Um grande nacionalista, vitima das malandrices da Frelimo!


Eusébio A. P. Gwembe Foi vítima do tempo, Zé. Um grande nacionalista


José de Matos Nada, discordo, o tempo pode explicar algumas coisas, mas nao justifica crimes, traiçoes e manipula ao da Historia!1

Escreve uma resposta...


Jemusse Abel O tempo kkkkk


Eusébio A. P. Gwembe Sim, Jemusse Abel. Foi vítima da revolução


Jemusse Abel Sendo grande nacionalista o tempo o vitimou e engoliu as suas peripécias Eusébio!


Egidio Vaz Grande nacionalista, herói nacional, um dos pais-fundadores da nação moçambicana


Eusébio A. P. Gwembe Não, nenhuma peripécia foi engolida, Jemusse Abel. O mesmo tempo que o vitimou vai reabilitá-lo


Avelino Namarrocolo Um dia saberemos d tudo e a justica e verdades serao repostas.


Tchendjerra Colaco Essa esperança de um dia, nunca devia existir. Por que é se adia a coisa pra um dia incognito?


Escreve uma resposta...


Eduardo Domingos Vitima dos assassinos que hoje continuam assassinar compatriotas.


Eduardo Domingos Esse homem chamava Machel de mufana mesmo sabendo k estava na bicha pra a forca. Graças a Deus Machel ja pagou seus crimes restam esses k continuam atormentar o povo.


Avelino Namarrocolo Eusebio A.P.Gwembe, vitima do tempo ou de criminosos analfabetos? Veja que todos que tinham nivel e pensavam racionalmente, tentando criar uma nacao unida foram mortos pelos proprios irmaos?


Eusébio A. P. Gwembe Eduardo Domingos, e Avelino Namarrocolo, nada de acusações sem sustentação plausível


Ismael C. Gocaldas Adelino Gwambe,teu xará amgo Eusébio A. P. Gwembe.


Eusébio A. P. Gwembe Provavelmente, porque os Gwembe e Gwambe tem raizes na RAS


Escreve uma resposta...




Eduardo Domingos Acusacoes Eusebio Eusébio A. P. Gwembe? Sergio maluco, marcelino, mariano matsinhe chissano ja assumiram publicamente que sao sanguinarios. Vce está numa de.....


Eduardo Domingos Conheces alguem nesta fila k está entre nós EusebioEusébio A. P. Gwembe?


Eusébio A. P. Gwembe Infelizmente, outras vítimas dos excessos, lá nas bandas do Niassa, Eduardo Domingos


Eduardo Domingos Sim repousam naquelas bandas sem direito a deposiçao de flores como os filhos de machel tem direito, chissano o faz ao seu pai e irmaos, guebuza faz tambem cerimonias na campa de seu pai que nem morreu com a tortura da PIDE. Mas esses se vangloriam de terem degolado pais, esposas, maridos, irmaos....dos outros e por cima nem querem dizer onde os sepultaram. Vivemos o mundo cão com a frelimo Eusebio Eusébio A. P. Gwembe.


Eusébio A. P. Gwembe Foi por culpa da maldita R, como assegurou Marcelino dos Santos, Eduardo Domingos. Porque o inimigo ia usá-los


Abel Philip Eusebio A. P.Gwembe, voce quer mim dizer que Urias Simango nao foi lider deste movimento???


Eduardo Domingos Cada sanguinario diz o lhe vai na tola. Deviam falar essa patetice toda na banco do tribunal.


Vasco Abrao Francisco Eusébio A. P. Gwembe, no seu estilo característico de pnta de lança da escória frelimista no facebook...especialista em subistituir a verdade pela mentira, na vã tentativa de distorcer a nossa rica história...Últimos brados da gentalha frelimista.


Maylene Paulo 100 % verdade ....esse Eusébio pensa que todos Moçambicanos Sao parvos.


Afonso Nassone Macaiele Porque não respeitam a opinião do outro? Na teoria das relações pode ser normal o inimigo do meu irmão ser meu amigo, pois na vida cada um escolhe a sua opção de viver e se alegrar, uns gostam de futebol, outros basquetebol, râguebi, voleibol, F1, atle...Ver mais

Escreve uma resposta...


Eusébio A. P. Gwembe Não entendi, Vasco Abrao Francisco. Não concorda que o homem na foto seja Gwambe?


Vasco Abrao Francisco Nao me baseei apenas no texto e foto do post...reveja os comentarios as tuas rrspostas


Eusébio A. P. Gwembe Está percebido! Emoji smile

Escreve uma resposta...


Raul Novinte Esse também foi morto pela Frelimo.....


ELking Advodago D'Brookyln Muitos sabem acusar a frelimo mas nem um consegui a mostrar as provas duki ta acusar


Joao Cabrita As provas foram apresentadas pela própria Frelimo, ELking Advodago D'Brookyln.

Escreve uma resposta...


Moulinho Lehuany O filho vive em Nampula é meu vizinho


Joao Cabrita Eusébio A. P. Gwembe, dirigentes do seu partido (Frelimo), alegam que Adelino Gwambe era traidor. Concorda? E concorda ainda que a morte de Adelino Gwmbe tratou-se de um caso de assassínio?


Maylene Paulo Bom dia Joao Cabrita , O Eusébio A. P. Gwembe esta fazer trabalho do patrão , tratar reabilitar a imagem assassina da Frelimo. Ele pensa que os Moçambicanos são variados da cabeça. Todos post deste cidadão tem bases e antecedentes, ora veja os post sobre certas missões católicas e depois este. Veras logo onde ele tem andado ultimamente.

Escreve uma resposta...


Vasco Abrao Francisco Elking Advogado D'Brookyln, que provas queres mais? Tu é que és a prova, pois, estás a te servires de advogado da frelimo se que esta te tenha formalmente constituido para o efeito...mais grave ainda, é o facto das questões que aqui estao sendo levantadas nunca terem sido consideradas pelas instituições de administraçao da justiça em Moçambique como matéria suficiente para actos judiciais. E se é que entende sobre a matéria, recomendo-lhe a ler sobre as correntes jusnaturalista, racionalista e os escritos de Sao Tomas de Aquino-todos versando sobre a origem do Direito.


ELking Advodago D'Brookyln Muitas pessoas bazeam si nas pesquisas nao na investigacao por esta razao falam mal da frelimo porque as pessoas que acusam a frelimo nao amostra uma lista dos assassinos assim ia ajudar o povo a ver si de facto a frelimo e isto qui voces dizem ser


Julião João Cumbane Todos os povos têm a sua História. Quem não sabe ler a História está comentado neste 'post' destilando ódio e instigado à vingança. Esses são os verdadeiros INIMIGOS da paz. A fusão dos movimentos independentistas para fundar a FRELIMO, e a eleição de Eduardo Mondlane para liderar esta frente única de luta anticolonial, não agradou a alguns. Um dos descontentes foi o Adelino Gwambe. O segredo do sucesso da luta anticolonial estava na unidade de causa entre as pessoas que estavam sob dominação do mesmo regime. A História subtraiu aqueles que estavam contra isso, porque se mostravam inimigos da causa comum e apenas interessados pelo protagonismo individual. Eles também foram culpados pela sorte que tiveram. O Afonso Dhlakama até hoje continua a ser obstáculo à paz e continua a inviabilizar o desenvolvimento de Moçambique, depois de ter mandando assassinar a sangue frio mulheres, crianças e velhos indefesos durante 15 anos. Até hoje estão a morrer nossos concidadãos por causa do Afonso Dhlakama. Quem o julga aqui?! Vamos lá conversar sobre o que precisamos e devemos fazer urgentemente para que o país esteja, finalmente, em paz. Quem mandar matar quem durante a luta de libertação nacional e durante o conflito armado dos 16 anos, não é muito interessa mais do que a paz! Cada um de nós, sobreviventes das duas guerras, será julgado pela nossa História. Julgo que o Eusébio A. P. Gwembe não está a trazer o assunto "Adelino Gwambe" para instigar sentimentos de revolta, mas sim para propor uma reflexão sobre o nosso trajecto histórico como sociedade, para corrigirmos aquilo que possível corrigir, enquanto avançamos na presente fase da nossa luta pela conquista da nossa independência plena. Estão muito fora do contexto aqueles que estão aqui a vociferar contra quem quer que seja. Se não estão satisfeitos com Moçambique que temos e não querem trabalhar de forma pacífica e serena para a melhoria progressiva da nossa condição e preferem fazer como fez Adelino Gwambe, então que morram! Moçambique será melhor sem esses agitadores e instigadores do ódio e da guerra.


Mateus Navaia Será que a história desse homem na foto se resume apenas em seis linhas, ó Eusebio A. P. Gwembe????


Muzila Wagner Nhatsave era cabeça esse machope


Vasco Abrao Francisco Aí está mais um franco atirador ao serviço da corja frelimista no facbook, na vã tentativa de legalizar a chaçinada na frelimo desde a sua fundaçao até hoje...Cumbane, vovê pensa que conhece a história da frelimo, mas a própria história te revelará um dia, que não passas de um simples adulterador dela.


ELking Advodago D'Brookyln Sendo realista sr #vasco o senhor tabem nao conhece a historia da frelimo si conhece si nao estaria a falar coisas k ferem os simpatiantes da frelimo e menbros


Vasco Abrao Francisco Afonso Nassone Macaiele, eu até dou nota vinte ao conteudo do pos de Eusébio A. P. Gwembe, mas ele peca nos seus argumentos face aos comentários.


Vasco Abrao Francisco Elking Advogado D'Brookyln, acertaste na mosca...eu nao sou e nunca fui da frelimo, dai que se justifique que eu na verdade nao conheça a historia de um dos mais sanguinarios regime do mundo...ora se me falares da historia de Moçambique, nao perder tempp em discutir contigo, pois, é minha praia.


Afonso Nassone Macaiele Uma pergunta simples será que Afonso marceta macacho dhlakhama já mostrou a família do André matade matsangaissa o lugar onde aquele foi sepultado? Não estará a família interessada em conhecer? Hahh aqui não interessa só quando o assunto visa atacar a...Ver mais


Vasco Abrao Francisco Afonso Nassone Macaiele, qual é o verdadeiro sentido de ódio para si? Quando as pessoas questionam os factos baseando-se na verdade já é ódio...já lhe ajudo a perceber o que é ódio na sociedade moçambicana: Quando Urias Simango e companhia exigiam reformas estruturais no sistema politico que devia ter sido seguido no pós independência, foram declarados reaccionários e inimigos do povo, e acabaram açassinados em nome da justiça popular...quando DHLKMA reivindica vitória nas eleiçoes, sofre atentado....quando Carlos Cardoso publica verdades a liderança da frelimo, é açassinado...quando Siba Siba termina com sucesso auditoria que indiciava graudos da frelimo na falencia do banco austral, é morto....quando Giles Cistac faz uma ibterpretação doutrinária da nossa CRM face as reivindicações da Renamo, acaba crivado de balas mortalmente...quando Manuel Bissopo concede uma conferencia de imprensa enunciando açassinatos de seus membros em Nhamatanda é baleado....quando membros do MDM içam bandeiras em suas sedes, seus membris sao açssinados...quando Daviz Simango grangea simpatia de quase todo o eleitorado da Beira nas autarquias, é fumigado pela FIR....isso é que se chama ódio sr Macaiele.


Vasco Abrao Francisco Andre Matsangaissa morreu em combate, diferente dos Simangos, Gwengere, Gwambe, Simeão, etc...nao morreram em combate, foi a vossa frelimo que os açassinou...será isto ódio? Nao, é apenas falar a verdade.


Afonso Nassone Macaiele Para sua informação meu caro Vasco Abrao Francisco o André foi ferido e depois levado a parte incerta pelos seus soldados que o diga Afonso marceta macacho dhlakhama só que da parte incerta não mais se viu apenas anunciou se a sua morte. Ora aqui está o hábito de ir a parte incerta que o Afonso gosta sempre se refugiar quando lhe acabam os argumentos políticos constitucionais esse hábito já é antigo, é sabido que a família do André matade matsangaissa está precionar ao Afonso marceta macacho dhlakhama para mostrar onde ficou sepultado mais pelos vistos devido a obscurantismo há crença de que mostrando enfraqueceria o líder pois algo usou para engrandecer se, muita pena.


Joao Cabrita O percurso de Adelino Gwambe, como nacionalista e político, continua a ser objecto de distorções.

É sabido que Adelino Gwambe cedo apostou na via armada para a conquista da independência de Moçambique. Circunstâncias conhecidas levaram-no em 1961 a radicar-se no Tanganhica, que seria o primeiro país nosso vizinho a obter a independência.

Viu-se confrontado com interferências externas de vária ordem – da TANU e de americanos, entre outros. Interesses esses que ditaram a fusão dos movimentos independentistas no exílio – e não Mondlane, como a “história oficial” teima em fazer crer ao pretender projectar a imagem de um suposto “arquitecto da unidade nacional”.

É posteriormente ao “casamento forçado” da Udenamo com a MANU, e depois com a UNAMI, que Mondlane surge na cena política, desejando impor-se como dirigente de um movimento já em marcha, e com liderança e objectivos próprios claramente definidos. Desejou – e conseguiu, mercê de interesses vários em jogo. 

Aqui reside a origem de todo o conflito, que não pode ser negada por alta recreação de ignorantes e arrogantes que, em redes sociais, recorrem à intimidação e à e ameaça num esforço mal disfarçado de se fazer imperar o princípio do pensamento comum e de justificar o assassinato político por delito de opinião.

É dever e obrigação de Eusébio A. P. Gwembe, como historiador, impor a disciplina em sua própria cassa, pois a discussão da história recente de Moçambique não pode continuar ao sabor de conhecidos manipuladores de factos.


Afonso Nassone Macaiele Cuidado com as presunçoes meu caro Vasco, sabes quem durante os 16 anos fez pai fazer sexo com a filha, filho com a mãe, mulheres grávidas abertas barrigas com baionetas, orelhas cortadas, lábios de boca cortados, entre tantas barbaridades, o povo não esqueceu isso por isso nunca um soldado do diabo irá virar um anjo, disse bem deus para chegar à presidência de um país só aquele cujo nome esteja escrito no livro do céu, por isso não é matando ou destruindo as esperanças de um povo que você pode chegar a presidência, portanto, eu acredito que muitos até podem ter morrido indevidamente por excesso de zelo, e outros males que caracterizaram a nossa jovem República pelas disputas de espaço, mais não vamos legitimar bandidos de justiceiros isso não só bandidos iguais acham bandidagem uma forma de luta para revendicar qualquer que seja a causa


Vasco Abrao Francisco Afonso Macaiele, é um favto que a Renamo tenha feito isso...o meu problema é: Como é que um partido que se autoproclamou dirigente de todo o povo Moçambicano (vide CRPM de 1975), ao inves de dirigir defendendo os moçambcanos, açassina o seu povo?


Vasco Abrao Francisco Macaiele, habito antigo é o da frelimo...acabas de o provar ao referires-te que tenha sido a Renamo a matar AMM, tal como tem sido nos dias de hoje, açassinam membros do MDM e dizem que foram membros do MDM que o matou....açassinam membtos da Renamo e dizem que é a Renamo qur mata seus membros e faz-se passar de vítima...seus hipócritas.


Eusébio A. P. Gwembe Vasco Abrao Francisco, o sentido da história não está no museu, mas nos actos que ainda não vieram. Gwambe teve um ideal e bateu-se por ele, mas os meios ao seu alcance não lhe permitiram mais do que pode. O ideal de Gwambe está todo ele no programa da Frelimo, sem pôr ne tirar. Foi um copy & past. Cabe-nos a nós fazermos uso dessas ideias para as virmos materializadas. Aprendi a não julgar a História, mas tirar dela os ensinamentos úteis para que os erros do passado sejam evitados e os sucessos do passado sejam repetidos. Seria bom que a nossa história servisse mais para nos unir do que para nos dividir. Dizem que «olho por olho» deixa todos cegos. Joao Cabrita, se a Frelimo abraçou o programa de Gwambe, é porque era o ideal. É certo que a atitude do Historiador determina em grande parte a interpretação dos factos, mas tal influência tem os seus limites. Se admitimos a existência objectiva dos próprios factos e neste caso, o ideal de Gwambe apossado pela Frelimo, a posição espiritual de quem os examina pode modificar em algo a sua percepção, mas não pode nunca alterar a realidade objectiva. Fica sempre aberta a possibilidade de nos aproximarmos indefinidamente da percepção exacta da paisagem, sempre que novos elementos vêem ao de cima. Postos frente à realidade, haverá muitos cegos que não consigam vê-la, e haverá quem a veja alterada pela cor dos óculos que empregue, mas haverá também quem não use lentes, ou quem as use de tal modo transparentes que a imagem lhes chegue sem sofrer deformação apreciável. A História não se cria, como um quadro de paisagem, pela mera reprodução inerte de uma imagem; mas porque o conjunto de factos, de realidades objectivas, requer uma ordenação e explicação. Neste sentido, é, portanto, inevitável interpretar a História buscando base segura para guiar a nossa interpretação e aquela que os nossos políticos de então usaram. Um simples «SIM ou NÃO foi traidor» não basta.


Joao Cabrita Efectivamente, basta um simples «SIM ou NÃO foi traidor», Eusébio A. P. Gwembe dado que o que está em causa é a eliminação física de uma pessoa por defender um ideal. Se houve traição - que ela seja documentada. E que também seja explicado à luz de que lei uma formação política pode decidir sobre a sorte de quem pensa diferente, de quem rejeita o princípio do "pensamento comum".

Gosto · Responder · 1 · 23 h
Escreve uma resposta...


Vasco Abrao Francisco Eusébio A. P. Gwembe, a sua moderação é muito importante nesta matéria para trazer de volta a objectividade no debate....mas quando te deixas levar por paixões políticas o debate fica condicionado a suas e dos demais. É louvavel que voltes ao juizo baseado na doutrina. Seja firme em nao ceder as mesquinhices politicas e ignore comentarios sem conteudo para este debate. Quanto ao sim ou nao do traidor, o Joao Cabrita ja disse tudo.


Eusébio A. P. Gwembe Orientados frequentemente pelos seus interesses ou pelo simples desejo de justificar ou mesmo combater determinadas formas de pensar, os historiadores de todos os tempos criaram doutrinas que reafirmaram as suas posições, fundamentando-as em princípios religiosos, morais, jurídicos e outros a serem aceites com carácter dogmático. Eles mesmos, de tempos a tempos, se encarregaram de matar e ressuscitar os dogmas pela pesquisa e pela interpretação, mediante uma complexa rede de documentos e um exame crítico da vida e do contexto social. Faremos bem recordar a frase genial de Spinoza: «interessam-me os actos humanos, não para rir-me deles, nem para deplorá-los, nem sequer para os detestar, mas simplesmente para os compreender». Os factos ocorreram certamente, mas só chegam ao nosso conhecimento quando alguém os recolhe e os narra. Cada historiador, nesse processo, selecciona, classifica e relaciona entre si os factos segundo o seu próprio e pessoal critério e os interpreta, voluntária ou involuntariamente, consciente ou inconscientemente à luz do que acredita. No seu caso, encontra «causa é a eliminação física de uma pessoa por defender um ideal». Será assim tão simples, Joao Cabrita. Não estará a ignorar o facto de Gwambe também se ter posicionado para combater Mondlane e seus seguidores por todos os meios enquanto Lacaios do imperialismo e da CIA?

Gosto · Responder · 2 · 22 h

Abdul Jabaru Gwambe foi combatido, e ele preferio afastar-se da frelimo, pois como eve saber que o Dr Mondlane, nao foi eleito por concenso dos membros da frente, mas sim uma imposicao do governo tanzaniano

Escreve uma resposta...


Joao Cabrita Mas "combater Mondlane e seus seguidores por todos os meios enquanto Lacaios do imperialismo e da CIA?" é um acto de traição, Eusébio A. P. Gwembe ?


Eusébio A. P. Gwembe O «combater» implicava a eliminação física dos adversários. Tenho, nos meus arquivos, muita documentação que aponta para esse sentido. Aliás, até porque a Frelimo também foi combatida pelo COREMO e viu seus guerrilheiros mortos, ali em Tete. Não encontra traição nisso, Joao Cabrita? Uma vez que o objectivo da Frelimo era a independência, por que motivo o COREMO combatia a FRELIMO?

Gosto · Responder · 1 · 22 h

Joao Cabrita Eusébio A. P. Gwembe, as suas informações relativamente à Frelimo ter sido combatida pelo Coremo em Tete não condizem com os factos:

Gabriel Machava, tesoureiro do Coremo, e 2 comandantes deste movimento, foram mortos pela Frelimo numa emboscada em Furancungo em Fevereiro de 1972. Os ataques da Frelimo contra o Coremo no interior de Moçambique eram de tal modo frequentes, que o próprio governo da Zâmbia advertiu os dirigentes da Frelimo de que o “futuro desta organização em território zambiano passaria a estar em causa se a Frelimo continuasse com tais práticas”. Quem fez o aviso foi Mukuka Nkoloso, representante do governo zambiano junto dos movimentos de libertação. (ver TIMES OF ZAMBIA, 4 de Março de 1972)

Gosto · Responder · 1 · 22 h

Joao Cabrita No entanto, Eusébio A. P. Gwembe, durante os "julgamentos" de Nachingwea não foram feitas contra Adelino Gwambe acusações relacionadas com o Coremo na Zâmbia ou em Tete. Posto isto, permanece a questão: que acto de traição Adelino Gwambe cometeu que justificasse as medidas que lhe foram aplicadas pela Frelimo e pelo governo por ela dirigido?

Gosto · Responder · 1 · 20 h

ELking Advodago D'Brookyln Olha meu caro #vasco a sua politica so satisfaz a sua mente k nao conhece o sabor da verdade mas sim da eluzao

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook