ACTUALIDADE

Loading...

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Dhlakama na Serra de Gorongosa

Como forma de pressionar o Governo - Dhlakama na Serra de Gorongosa

Por José Chirinza, nosso enviado à Gorongosa (texto e fotos)
RenamoGorongosa1O líder da Renamo, Afonso Dhlakama, acaba de se instalar na Serra de
Gorongosa, a sua antiga base central, uma forma encontrada para pressionar o governo da Frelimo a satisfazer às suas reivindicações. Dhlakama, que trocou o luxo e o conforto de uma vivenda em Nampula por uma cabana nas matas de Gorongosa, está acompanhado de um considerável contingente dos seus antigos guerrilheiros.
Afonso Dhlakama, que participou esta quarta-feira na Gorongosa nas cerimónias da passagem do 33º aniversário da morte em combate de André Matsangaíssa, primeiro líder da guerrilha, reuniu-se com centenas de guerrilheiros e membros do partido, para explicar as razões das manifestações. Foi então que anunciou que iria permanecer na Gorongosa até que o Governo satisfaça as suas exigências.
No antigo Quartel-General da Renamo na Serra da Gorongosa foram reconstruídas várias cabanas, incluindo a do líder. Não há corrente eléctrica e nem rede de telefonia móvel.
RenamoGorongosa2RenamoGorongosa3
RenamoGorongosa4
Ditadura da FrelimoO líder do maior partido da oposição ameaçou várias vezes com manifestações que iriam paralisar o país, mas depois desconvocou.
Segundo Dhlakama, as manifestações são contra a alegada “ditadura” da Frelimo incumprimento do Acordo Geral de Paz, frelimização do aparelho do Estado e as paupérimas “condições a que o Povo está votado”.
Com as manifestações de Novembro, Dhlakama pretende igualmente pressionar a bancada da Frelimo, que controla a Assembleia da República com 191 deputados de um total de 250, a aceitar as propostas da Renamo sobre a futura lei eleitoral.
Dhlakama reafirmou que não pretende voltar à guerra, mas admitiu que está a ser pressionado pelos seus seguidores para reconsiderar a sua posição. Numa entrevista recente ao SAVANA, Hermínio Morais, o famoso comandante Bobo da guerrilha renamista na Zambézia, palco onde travou intensos combantes com as forças governamentais, disse que a Renamo ainda detém um poderio militar capaz de colocar a Frelimo de joelhos.
Num emotivo discurso na serra da Gorongosa, Afonso Dhlakama disse que está farto dos abusos da Frelimo e por isso decidiu reagrupar os seus ex-guerrilheiros, arrancando ruidosos aplausos dos presentes.
Na reunião de 4 de Outubro em Quelimane, na Zambézia, Afonso Dhlakama, afirmou que iria reunir-se com mais de cinco mil antigos guerrilheiros do movimento na Gorongosa.
Mas ao que o SAVANA apurou no terreno, o número não passava os três mil, entre antigos guerrilheiros e membros que se deslocaram ao local vindos de vários pontos do país.
Dhlakama diz que os ex-guerrilheiros do movimento são oriundos das províncias de Manica e Sofala que estão desde esta terça-feira em reinstrução militar na Gorongosa.
O líder da Renamo advertiu que caso o Governo dê ordens para assaltar a Gorongosa, iria ordenar aos seus guerrilheiros “para disparar para matar”.
“Passam 20 anos de assinatura do AGP, quase tudo o que combinámos, a Frelimo não está a implementar, por isso achamos melhor mostrar do que somos capaz”, precisou Dhlakama. Lembrou que o país vive um clima de paz graças a ele e ao seu movimento.
“A Frelimo não quer a paz, foi isso o que sempre nos provou. Quem quer a paz não ataca outro sabendo que este pode responder com arma”, recordou Dhlakama.
Guebuza é chefe de ladrões
Como é prática nos seus discursos, Dhlakama voltou a apontar o dedo acusador ao presidente da República, Armando Guebuza, que acusa de ser “chefe de ladrões do erário público no país”.
O líder da Renamo foi mais longe ao acusar Armando Guebuza de ganhar comissões com os megaprogectos.
Afonso Dhlakama fixou um prazo de três dias a contar a partir desta quarta-feira para que mandatários do governo e/ou de algumas organizações que advogam a paz o visitem na sua base para renegociações.
“Eles hão-de vir aqui para renegociar de novo, se demorarem serão responsabilizados pelas consequências. Não irei sair daqui sem a resolução de tudo o que reivindiquei”, afirma Dhlakama.
Dhlakama está convicto que a negociação que iniciou com Armando Guebuza em Nampula, desta vez será feita debaixo das mangueiras no novo quartel-general.
Dom Jaime “é burro e Satanás”
O arcebispo emérito da arquidiocese da Beira, D. Jaime Gonçalves, também não escapou à fúria do líder.
Dhlakama acusa o mediador do acordo de paz, de ter, recentemente, mentido à nação numa das aulas abertas sobre a paz na Universidade Católica da Beira e na qual afirmou que o líder da Renamo já não queria a guerra, porque os seus guerrilheiros estavam a morrer à fome devido à falta de alimentos, o que os fazia socorrer-se de lagartixas.
Afonso Dhlakama afirma que o seu movimento venceu a guerra civil e as declarações de D. Jaime não reflectem a verdade. Adianta que já vinha negociando assinatura do AGP com o Papa João Paulo II.
FIR e SISE em alerta
O posto administrativo de Vundúzi, o local onde está situada a antiga base da Renamo, estava a ser controlado por agentes da Força da Intervenção Rápida (FIR) e polícias à paisana.
A presença do líder da Renamo na sua antiga base está a agitar o distrito de Gorongosa, pois a população receia que as propaladas manifestações comessem a partir deste ponto de Moçambique.
SAVANA – 19.10.2012

1 comentário:

Anónimo disse...

So νeгy carefully and cautiously іncrеase aѕ yоu feel the mаssage should be gіνеn eaгlier.
It is impoгtаnt to finԁ a high quality, οf ехcellent
vаriety, plеntiful and generallу healthy.
I lοve thе coсonut smell. Hоω
succeѕsful a salon and Erotic Massage profeѕsional.
Onсе you've achieved a smooth creamy consistency, apply to your bathroom. There are many unemployed persons across India. Make the most of it. The savvy investor will avoid developing erotic massages that are available.

Windows Live Messenger + Facebook